Vestir a pele de uma situação que não conhecemos, é praticamente impossível no entanto nada nos impede de ter compaixão por ela ou de por breves segundos tentarmos entrar nessa realidade, vestindo a pele do outro.
Na minha cabeça tem permanecido a imagem da montanha de notas necessária para comprar a dignidade de um rolo de papel higiénico na Venezuela.

Ao lado desta imagem, entra-me pelos olhos dentro, as múltiplas imagens dos refugiados da Líbia e da Síria.
Esta gente prefere arriscar a vida e viajar sem os seus bens materiais para fugir ao colapso que se vive nos seus países, sabendo que a sorte pode ficar pelo caminho e transformar-se no pior pesadelo das suas vidas.
Milhares de pessoas destas proveniências tornaram-se escravos nas mãos de contrabandistas e traficantes de pessoas.

Isto escrito assim parece saído de uma realidade ficcional cinematográfica, mas não o é.

Ocorre numa parte do nosso mundo num tempo simultâneo ainda que noutro fuso horário ao tempo em que damos um mergulho no nosso mar e aproveitamos as férias, apanhamos o metro para ir trabalhar, entramos no supermercado, jantamos com a brisa marítima a beijar cada partícula da nossa pele.

Pele essa que não é nem mais nem menos valiosa que uma pele de tez mais escura, clara ou amarelada. Pele essa que tem uma só cor, na camada da epiderme que recobre todo o nosso corpo.

Chama-se a cor da humanidade, e esta cor em conjunto com a pele, são em si mesmas o maior órgão do corpo humano, dos pés à cabeça, abraçando o coração.

Eu sei que os tempos em que vivemos são difíceis e é extremamente fácil convencerem-nos que aqueles que vêm de fora, vão ocupar os nossos lugares, os nossos trabalhos, os nossos subsídios, até quem sabe os nossos homens e mulheres. No entanto, não nos podemos esquecer que estes foram os argumentos utilizados para semear a maior tragédia e miséria humana da história da humanidade: o holocausto.

Temos de aceitar que o mundo de hoje, não é o de ontem.

Necessitamos aceitar o multiculturalismo que fazendo contas à taxa de natalidade, vai naturalmente mudar as ruas dos nossos países Europeus nas próximas décadas.

O racismo pincelado com a prisão que são os sentimentos de ódio, é uma resposta demasiado fácil ao medo e às inseguranças culminando em acções desumanas, quer por actos quer por palavras.

Porque hoje estas pessoas necessitam do nosso acolhimento mas e se amanhã formos nós a ter que fugir, ou vender tudo o que temos por comida e papel higiénico, e ninguém nos acolher e como se essa realidade já não fosse má que chegue ainda temos de lidar com o racismo da população do país para onde vamos fugir da miséria e da guerra.
Como o explicaríamos a um filho(a) a atitude dessas pessoas?

Como se explica o Racismo e a Xenofobia?

A conclusão a que chego é que não existe explicação, não existem argumentos plausíveis e lógicos para discriminarmos outro ser humano porque na pele dele amanhã podemos ser nós, os nossos vizinhos e as nossas famílias.