O dia 2 de novembro marcou o início da empreitada de requalificação total do Largo do Palheirinho, em Avintes. O investimento é de 600 mil euros e a empreitada, que vai valorizar o espaço de fruição e de referência na freguesia, será dividida em duas etapas, sendo que a pausa coincide com a época natalícia. Além de muitas outras coisas, o espaço vai contar com uma pérgola de madeira para dar sombra, mesas, espaços de sentar e uma iluminação diferenciada.

 

 

A total requalificação do Largo do Palheirinho, em Avintes, arrancou no dia 2 de novembro. A obra irá mudar o espaço quer na perspetiva ambiental, quer nas vertentes social e patrimonial.  A requalificação trata-se, sobretudo, da valorização de um espaço de fruição e de referência na freguesia, significa investimento municipal de cerca de 600 mil euros e será dividida em duas fases, para que as obras não coincidam com a época natalícia, assim sendo, a segunda etapa terá início após as festividades, em janeiro de 2022.

A obra em curso tem como principais objetivos: a supressão de vias de atravessamento das praças e lugares de estacionamento para uma melhor vivência pedonal e ligação com os serviços do rés-do-chão; a reorientação espacial do largo com elementos patrimoniais em destaque (capela, cruzeiro, fachada poente); a reutilização do pavimento existente e pavimentação com materiais de maior nobreza em área central do largo; a criação de sombra imediata através de uma pérgola de madeira; a instalação de espaços para sentar e mesas; a iluminação diferenciada do espaço que, em alguns casos, destaca elementos fundamentais e noutros casos se torna difusa, espalhando-se pelo espaço; a plantação de um maior número de árvores e a reformulação dos espaços plantados; e, por fim, a arborização da rua 5 de outubro, com definição de alinhamentos e pontos focais.

“Esta intervenção integra um plano global e devidamente enquadrado que pretende devolver a dinâmica àquela zona da freguesia. Com a requalificação do Teatro Almeida e Sousa, queremos que Avintes volte a ser um centro cultural do concelho, com um espaço envolvente atrativo, contemporâneo e em sintonia com o desenvolvimento que está a acontecer um pouco por toda a cidade”, disse Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, sobre a área de intervenção, que é de 4.600m2, e compreende os espaços adjacentes a poente e a nascente da rua 5 de outubro.