As celebrações do 94º aniversário da Associação Recreativa de Canelas culminaram com a realização de uma sessão solene, que evocou a história da instituição e contou com a presença de Elísio Pinto e Manuel Monteiro, vereadores da Câmara Municipal de Gaia, em representação de Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da autarquia, Manuel Benjamim, presidente da Assembleia de Freguesia de Canelas, Edmundo Coutinho, ex-presidente da coletividade, e associados.

 

 

 

A Associação Recreativa de Canelas foi fundada no dia 6 de junho de 1927, na Rechousa, em Canelas, e tem como principal missão promover o desenvolvimento local e comunitário, assim como difundir ações de sensibilização para estimular o interesse recreativo, social, cultural e desportivo do movimento associativo.

O 94º aniversário desta coletividade foi assinalado, no passado dia 10 de julho, com a realização de uma sessão solene comemorativa, que lembrou a história, os anos de vida associativa, as conquistas e as dificuldades da instituição.

Edmundo Coutinho, ex-presidente da direção da Associação Recreativa de Canelas, foi o primeiro a intervir e aproveitou a ocasião para manifestar a sua disponibilidade para “ajudar, tendo por base aquilo que o senhor Manuel Reis [atual presidente da direção da instituição] entender que deve ser feito, para o benefício da coletividade”.

“Estamos a festejar o 94º aniversário e entendi que, ao mesmo tempo que prestamos uma justa homenagem aos seus fundadores, julgo poder dizer que, será, também, uma forma de lembrar a todos aqueles que, como nós, aceitaram ser os seus seguidores, a responsabilidade que assumiram por isso”, afirmou o ex-presidente da direção e também herdeiro de um dos fundadores da coletividade, antes de prosseguir à leitura da Ata Nº1 “redigida há 94 anos atrás por um grupo de jovens que, aqui, demonstraram, já nessa altura, que sabiam interpretar o verdadeiro associativismo”.

Ansiando que “o associativismo continue vivo”, Edmundo Coutinho sublinhou, ainda, que “o que se passou há 94 anos enche-nos de saudade e leva-nos a pensar, seriamente, porque é que por vezes divergimos daquilo que é o verdadeiro sentido do associativismo e do coletivismo”.

As intervenções prosseguiram com o presidente da direção da Associação Recreativa de Canelas, Manuel Reis, que começou por agradecer aos antigos diretores e a todos os membros que “alimentaram o sonho de criar um projeto válido, ao serviço desta comunidade”.

“O projeto tem a ambição de abranger toda a comunidade, mas com principal incidência nos seniores e nos mais jovens. A Associação deve ser uma segunda casa, uma segunda escola, um espaço de apoio, recuperando a atividade e o prestígio que em tempos usufruiu desta localidade”, ressaltou o dirigente associativo, apresentando os objetivos para os próximos dois anos, que se inserem numa “proposta ambiciosa, para a qual vai ser necessária muita luta”.

“Por uma questão de sobrevivência, da própria Associação, é necessário intervir no edifício da sede, que apresenta problemas estruturais fruto dos anos”, destacou Manuel Reis, acrescentando que “esta intervenção terá de ser dividida em duas partes, uma primeira parte com pequenas obras no interior, de forma a permitir o funcionamento das atividades no início do ano letivo, em paralelo temos de pensar em obras estruturais, como a mudança deste telhado sobre o qual nos encontramos, que tem uma cobertura com amianto e dado a tudo o que sabemos sobre amianto é elementar a sua substituição. A humidade é uma presença em quase todas as paredes, já existindo fungos em várias delas. Vai ser necessário revestir todo o edifício com capoto. Para ambas as fases esperamos contar com o apoio do município. Muitos foram os investimentos feitos na Freguesia de Canelas e muitos dentro do concelho. Penso que está na hora de olharem para nós. É necessário restruturar o bar. Apresenta mobiliário com mais de 35 anos e torná-lo num espaço acolhedor para as famílias”.

O presidente da direção da Associação Recreativa de Canelas enalteceu, também, a relevância de “acabarmos a construção do nosso pavilhão, que por incrível que pareça, já foi inaugurado há muitos anos atrás. Hoje, parece um local que foi bombardeado”, assim como de “tornar a Associação sustentável amanhã não é fácil, mas também não é difícil. O difícil é nós, de facto, olharmos para este espaço e encontrarmos forma das diferentes gerações olharem para aqui e, de facto, sentirem que estão em casa”.

Acreditando que “há muito mais que se pode fazer pela Associação Recreativa de Canelas”, o dirigente associativo aproveitou o momento para lembrar a mais recente conquista da Associação Recreativa de Canelas, revelando que “pela primeira vez no nosso Clube, conseguimos ter uma atleta que foi campeã de Kumite feminino iniciado +54kg”.

Posteriormente, o presidente da Assembleia de Freguesia de Canelas, Manuel Benjamim, agradeceu a todas as direções que passaram pela coletividade, intitulando todos os dirigentes associativos de “heróis, porque dedicam parte da sua vida a assumir tudo isto e não é fácil”.

“Necessitamos de todos e, hoje, o senhor presidente da direção pediu, como eu ouvi há uns anos atrás um senhor que está aqui presente pedir: «ajudem-nos a fazer as nossas obras, porque isto um dia vai cair», não o ouvi a pedir dinheiro e isto toca fundo de um herdeiro, de um fundador desta casa”, contou Manuel Benjamim, salientando “todos vós, aqui presentes, apoiem-nos, porque esta casa precisa de nós todos, para ir em frente”.

Por fim, Elísio Pinto, vereador da Câmara Municipal de Gaia, referiu, em representação de Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, que “o movimento associativo tem uma importância enorme no nosso município de Vila Nova de Gaia”, evidenciando que “em Vila Nova de Gaia nós trabalhamos em rede e é neste contexto que deixo, aqui, uma palavra de profunda gratidão a todo o movimento associativo, pela forma tão responsável, tão solidária, tão humana como colaboraram com a Câmara Municipal, para que pudéssemos encontrar respostas mais rápidas para muitas famílias que, ainda hoje, estão a passar dificuldades”.

“Nós não deixamos promessas, nós cumprimos com a palavra e, por isso, gostaria de dizer ao senhor presidente da direção Manuel Reis, que o próprio senhor vice-presidente da Câmara ao ter conhecimento da situação, fará uma visita, aqui, à coletividade para, dentro das suas possibilidades, encontrar as melhores soluções”, aludiu o vereador da autarquia gaiense, mencionando que “em nome do senhor presidente da Câmara, agradeço muito esta disponibilidade, para assumirem estas novas responsabilidades e, obviamente, que a Câmara Municipal assumirá as suas responsabilidades e estará sempre ao vosso lado. Nós não deixamos ninguém para trás”.

“É importante e fundamental que a nossa própria comunidade reconheça o trabalho feito por um conjunto de pessoas que fundaram esta coletividade e por todos estes homens, mulheres e jovens que, até aos dias de hoje, têm afirmado e valorizado a importância que a Associação Recreativa de Canelas representa para o movimento associativo”, asseverou, ainda, Elísio Pinto, ressaltando que “o que, hoje, importa é celebrar na nossa memória todas as mulheres, homens e jovens que ajudaram a construir esta nobre coletividade”.

A sessão solene comemorativa do 94º aniversário da Associação Recreativa de Canelas culminou com a entrega do emblema da coletividade, a muitos dos presentes, pelos 50 anos de associados à instituição.

Manuel Pereira da Silva, presidente do Rancho Folclórico e Cultural da Nossa Senhora do Monte, foi um dos distinguidos e fez questão de “deixar o meu reconhecimento a vocês todos. A coletividade ganhou dimensões diferentes daquela que eu conheci, mas eu nunca deixei de ser sócio, porque as coletividades precisam de todos nós”, por isso “quero incentivar-vos para que continuem este trabalho forte”.

As celebrações terminaram com um momento dançante, que foi proporcionado pelos alunos da Academia de Dança Gente Gira que, atualmente, está a sediada na Associação Recreativa de Canelas.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com