Após três tentativas sucessivas goradas que limitaram a octogenária instituição à condição de “vice”, o Clube de Golfe de Miramar acaba de se sagrar Campeão Nacional de Clubes repetindo, nos relvados do Guardian Bom Sucesso, em Óbidos, uma proeza que datava já de 1994.

Os “heróis” do mais recente galardão conquistado pelos miramarenses são Daniel Rodrigues, Pedro Clare Neves, João Maria Pontes, Pedro Silva e Diogo Mealha (José Maria Cunha e o antigo campeão nacional Manuel Oliveira também integraram o efectivo miramarense), os quais, no conjunto dos diversos “matchs” constantes da prova se superiorizaram claramente aos homólogos do também histórico Golfe de Vilamoura.

Miramar triunfou por um inequívoco 6-1, com a particularidade dos golfistas gaienses não terem perdido nenhum dos confrontos. Assim, à quarta tentativa sucessiva foi de vez, dado que, nas três edições anteriores, o Golfe de Miramar nunca conseguiu melhor que a segunda posição.

No início da competição, o novo campeão começou por vencer os dois “matchs” de pares quando Daniel Rodrigues e Pedro Neves superaram a dupla Vítor Lopes/ Jamie Mann (2/1) e João Maria Pontes e Pedro Silva sentenciavam no último buraco (1up) Lucas Azinheira/Francisco Matos Coelho. A senda vitoriosa dos gaienses manteve a mesma chama nas partidas singulares. Enquanto Pedro Silva arrasava Vítor Lopes, por um concludente 5/4, Daniel Rodrigues impunha-se a Matos Coelho no último buraco (1up) e João Maria Pontes evidenciava um jogo seguro diante de Jamie Mann, ao qual venceu por 2/1.

Nos últimos “matchs” individuais, Diogo Mealha e Pedro Neves empataram com Lucas Azinheiro e Bruno Vicente, partidas que conferiram aos algarvios o único ponto que obtiveram. Com esta vitória, o Golfe de Miramar, mesmo sem poder contar com a participação de um dos seus melhores praticantes do momento (Pedro Lencart da Silva), actualmente a estudar e competir numa universidade americana do estado da Flórida, conquistou o quarto título do seu historial na prestigiada Taça Visconde Pereira Machado.

Um galardão que enriquece sobremaneira a sala de troféus onde também figura o de Campeão do Norte de 2.ª categoria, título recentemente ganho pela equipa constituída por Benedita Mendes Ribeiro, Luís Ferreira da Costa, Tito Serra, Tiago Ferreira da Silva, Nuno Costa Lobo, Rui Cunha e Joaquim Martins e que foi capitaneado pelo “histórico” José Miguel Mendes Ribeiro (é o presidente actual), na condição de “capitão”.

Treinador Sérgio Ribeiro o artífice do sucesso

Tal como em qualquer outra modalidade desportiva de cariz individual, também no golfe a prosperidade técnica e competitiva não são fruto do acaso nem se conseguem por um simples estalar de dedos. No caso concreto deste sucesso colectivo do Golfe de Miramar, ele aponta, de forma inequívoca, para o papel que o profissional Sérgio Ribeiro tem desempenhado deste que tem sobre os seus ombros a responsabilidade de orientar a Escola de Formação do clube. Por ali têm passado muitos praticantes que, onde quer que tenham ensejo de mostrar os seus dotes, enaltecem, de forma relevante, o nome de uma das instituições de golfe mais antigas do nosso país – o Clube de Golfe de Miramar, fundado num ano já longínquo – 1932.

Por isso mesmo, este espinhense de nascimento, que o clube adoptou há vários anos, sabe bem o chão que pisa e tem plena consciência dessa realidade.

«Conquistar este título era um objectivo para o qual vínhamos trabalhando há vários anos. Foi a vitória do querer e da perseverança que exigiu de todos uma preparação e uma concentração especiais. Ela deve-se, essencialmente, ao empenho dos próprios jogadores que estiveram sempre focados no objectivo que todos tínhamos em mente. No seguimento da preparação que tiveram, tenho que reconhecer que os jogadores estiveram sempre focados no objectivo a alcançar, pois, ao nível individual, cada um sabia perfeitamente a forma como agir».