A deputada da Iniciativa Liberal (IL), Alexandra Cunha, entregou, no passado dia 14 de setembro, à presidente da Mesa da Assembleia Municipal de Ponta Delgada, um requerimento a solicitar esclarecimentos sobre o que designa por “problemática da utilização do Estádio Municipal Marquês Jácome Correia”, exigindo uma atualização dos critérios de cedência do recinto, “de acordo com o número de atletas, número de escalões e número de equipas de cada agremiação”.

 

Alexandra Cunha, deputada da Iniciativa Liberal (IL), entregou um requerimento à Assembleia Municipal de Ponta Delgada, no qual abordou o facto da “problemática da utilização do Estádio Municipal Marquês Jácome Correia é uma situação recorrente no início de cada época desportiva”, ressaltando a “escassez de espaço e de tempos de utilização para todos intervenientes e interessados”.

Para a deputada, todos os clubes que necessitam utilizar aquele recinto desportivo municipal “têm todo o interesse que exista justiça, equidade e ponderação na atribuição dos espaços, de acordo com o número de atletas, número de escalões, bem como o número de equipas de cada agremiação”, mas “a utilização das instalações continuar a ser feita ainda em moldes copiados de anos passados, não refletindo a realidade desportiva atual, ao nível da modalidade de futebol”.

Ressaltando que o município deveria ter dado ouvidos “às várias entidades e clubes que já desenvolveram iniciativas junto de diversas instâncias, para tentar devolver à infância e à juventude o denominado Campo de Jogos do Lajedo”, Alexandra Cunha adiantou que, mas “por vários motivos, estranhos ao propósito da sua construção, se confundem com interesses de privados, que importa esclarecer”.

Por conseguinte, a eleita liberal na Assembleia Municipal de Ponta Delgada defendeu a revisão e atualização dos critérios de cedência “de um equipamento público, que deve estar ao serviço da comunidade, originando uma melhor gestão da atribuição dos espaços aos clubes da cidade de Ponta Delgada”, alertando que “existem escalões e equipas que já não se apresentam à competição, tendo sido extintas, que ainda beneficiam de horas/espaços atribuídos, para a utilização do Marquês Jácome Correia” e que “ou não são usadas, ou são usadas abusivamente, por outros escalões etários, prejudicando outros clubes”.

Reforçando que “é urgente rever a atribuição dos horários em vigor, valorizando quem tem dado provas, no âmbito da formação infantil e jovem, não prejudicando nenhuma coletividade”, Alexandra Cunha solicitou inúmeras informações ao executivo camarário, defendendo que “o município deve dar uma clara e objetiva imagem de que quem trabalha bem nesta área, deve poder colher os frutos do seu esforço, promovendo o investimento futuro nos jovens da cidade e do concelho”.

Por fim, a deputada da IL, também, questionou “para quando está prevista uma intervenção complementar à colocação do relvado sintético”, nomeadamente “ao nível da iluminação do campo (postes com sinais evidentes de degradação, bem como o uso de luzes com cores diferentes), da substituição dos bancos das equipas técnicas e suplentes e de uma profunda intervenção nos balneários, que apresentam elevados níveis de desgaste e destruição?”.