O título deste apontamento é precisamente o título dum livro publicado por um amigo gaiense que já partiu – António Duarte Estêvão – e prefaciado por outro amigo comum – dr. Samuel de Bastos Oliveira, carregosense do concelho de Oliveira de Azeméis, licenciado pela Universidade de Salamanca e que cumpriu grande parte da sua carreira docente no Colégio de Gaia. Na apresentação do Prefácio, começou por citar uma frase de Eugène Delacroix, segundo a qual o mais belo triunfo do escritor é fazer pensar os que são capazes de pensar. Quanto ao Prefácio em si, acerca de uma publicação que o autor gentilmente me ofereceu, deixo as passagens mais marcantes da vida de Duarte Estêvão, citadas pelo prefaciador:

«Quando, no ano lectivo de 1955/56, iniciei a actividade docente no Colégio de Gaia, tive o prazer de conhecer um homem de carácter afável e conversa atraente – António Duarte Estêvão – autor do presente livro. Duarte Estêvão pontificava, então, na Mercearia Porto, estabelecimento comercial onde afluía muita clientela, conquistada pela sua simpatia, e onde se juntavam, a certas horas, conterrâneos e conhecidos seus para um bate-papo animado. Já nesse tempo se lhe notava um fino trato, a fidelidade de um amigo que me conquistara, e certos fulgores dum espírito curioso e culto.

Em Fevereiro de 1957, Duarte Estêvão abria na Rua Marquês Sá da Bandeira, em frente ao monumento aos aviadores Gago Coutinho e Sacadura Cabral, um café que baptizou sugestivamente de “Mon Ami”, que como o nome pressagia, passou a ser local privilegiado para encontros dos amigos do meu amigo e de todos os amigos da urbe e do dono do café. Seduzidos pela hospitalidade e bonomia de Duarte Estêvão, professores e estudantes das escolas das redondezas fizeram do “Mon Ami” uma espécie de escola subsidiária, onde o “mestre da vida”, Duarte Estêvão, servia aos mais novos, além do café, vitaminas de bom humor e entusiasmo para o estudo e confronto com a vida. Entre muitas outras citações abordando temas diversos, o prefaciador diria ainda para concluir: — «Na verdade, o já longo percurso literário de Duarte Estêvão como prosador do social, poeta e filósofo da vida, é caso admirável dentro da cultura gaiense. Por minha parte, confesso que me tenho dedicado a ler o poeta e aconselho vivamente os leitores a saborearem o “néctar”, a graça e a profundidade do pensamento de Duarte Estêvão, em grande parte espelhado neste volume. Parafraseando Eugène Delacroix, ut-retro citado, contribuamos para o triunfo de Duarte Estevão, levando o nosso espírito a reflectir sobre a mensagem das suas produções literárias».

Oliveira de Azeméis, Fevereiro de 2001

Samuel de Bastos Oliveira

NB: Além de docente no Colégio de Gaia e na Escola Almeida Garret, Samuel de Bastos Oliveira fundou e dirigiu “O Nascente”, publicação interna do próprio Colégio, tendo sido também correspondente do extinto diário “O Comércio do Porto” no concelho de Oliveira de Azeméis.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com