Começou no clube do Sporting Clube Ideal desde muito cedo e, apesar de ter saído para outro clube, Jorge Correia, conhecido por Jorge Canário, voltou a casa.

De jogador para diretor desportivo, e, agora, presidente do clube mais representativo do concelho da Ribeira Grande, Jorge Correia falou com o AUDIÊNCIA sobre o percurso no Ideal, os desafios da presidência, os apoios e o futuro do clube.

 

Já tem uma história no Sporting Clube Ideal…

Sim! Fiz a minha formação aqui nos juniores e juvenis e com 16 anos passei para os séniores. Fui campeão dos Açores em 88/89 aqui no Sporting Clube Ideal. No entanto, com 19 anos sai para o Santa Clara. Eu vivia do futebol e ajudava muito em casa fui ganhar mais para ajudar a minha família. Depois regressei ao clube e ganhei aqui varios troféus como melhor jogador e como melhor marcador duas vezes.

 

Ser presidente de um clube destes não é tarefa fácil…

É muito difícil porque o Ideal está num patamar já muito exigente. Eu tenho a minha experiência como diretor desportivo dentro do balneário que é a minha área e onde me sinto muito bem. Não aparecem muitos candidatos para serem presidentes dos clubes. Muita gente fala mas não querem assumir a presidência do clube. Fui convidado e para não deixar cair aceitei o cargo mas, espero que venha uma nova direção porque daqui a 2 anos não vou continuar. É muito cansativo e eu já estou aqui há 6 anos. Não há apoio.

 

Quando fala de apoio, refere-se à falta de apoio de quem?

Vou dar um exemplo que é grave. O clube precisa urgentemente dos novos balneários. Não sei se é política. Não sei se é arquitetura. Não sei de nada. Mas a única coisa que eu sei é que estava preparado para receber o Praiense e não aconteceu. Como o patamar que o clube está, não pode viver com as instalações da década de 80/90. Está ultrapassadíssimo. O clube se quiser crescer tem que ter as condições para receber os outros clubes. Fui apanhado de surpresa. A Câmara estava a fazer o seu esforço.

 

Fala-se por aí que isto é ainda sequência de uma guerra que já vem do passado…

Não sinto isso. Eu estava na direção e não sei o que se passou. Penso que o Ricardo Silva não fez nada para travar o crescimento do clube.

 

Sendo um clube já num patamar elevado,qual o orçamento do Sporting Clube Ideal?

O orçamento é pouco e ronda os cerca de 400 mil euros.

 

Já é uma verba que obriga a muita ginástica…

Sim. É uma verba muito exigente que temos que saber gerir. Parecendo que não é muito dinheiro e tem que ser bem gerido. O plantel está a ser gerido de forma muito cuidadosa porque não podemos estar a dar passos maiores do que a perna.

 

Na época passada estava a lutar pela manutenção e a primeira conquista foi manter o clube no Campeonato de Portugal…

O presidente era ainda o Ricardo e eu era o diretor desportivo. Sempre fui o diretor e responsável pelas contrações/saídas. Tudo o que acontece com a equipa de séniores, eu é que sou responsável para o bem e para o mal. O Ricardo fez o seu trabalho de gerir o clube muito bem. Recebi uma herança muito boa. O clube não deve dinheiro a ninguém. Todos os presidentes que passaram pelo clube mantiveram a sua história e foram todos importantes para o clube. Aqui não há presidentes melhores nem piores. Cada um fez a sua história para proteger o clube.

 

Este bolo dos 400 mil que o Ideal tem que angariar, provém da receita de apoios do Governo Regional, nomeadamente, para o transporte, de apoios da Câmara Municipal e de alguns trocos da Junta de Freguesia, já que o orçamento do clube é 8 vezes superior ao da Junta. O clube é uma instituição importante para freguesia…

Muito relevante. As empresas estão a atravessar uma crise e, por isso, há um apoio ou outro. A Mulher do Capote é um dos nossos patrocinadores. Nós temos trabalhado com eles há 2 anos e é uma marca da Ribeira Grande que queremos levar para fora. Valorizamos muito a Mulher do Capote. A Câmara Municipal é um dos principais patrocinadores do clube ou que está protocolado. Temos que jogar com as armas que temos. Tentamos falar com o Governo Regional mas, neste momento, é impossível porque há outras prioridades. Nós queremos o melhor para nós, mas temos que perceber que há outras instituições. Aquilo que vier para nós temos que gerir da melhor maneira. Não posso prometer coisas que não as poderei realizar. O Ideal tem que se manter de forma sustentada neste campeonato.

 

A derrota contra o Praiense era esperada mas ao mesmo tempo não desejada…

A impressão que tenho é que fizemos um bom jogo. O Praiense é uma equipa que quer subir de divisão. Não sei qual é o orçamento deles mas deve ser maior que o nosso. Temos que ter em conta que o Praiense é um clube que já está há 15/20 anos nesta sede e o Sporting ainda está a criar o seu caminho, ainda é um bebê.

 

Não tem esperança que sendo a Ribeira Grande, um concelho com diversas indústrias e indústrias de dimensão nacional aqui sediadas no concelho e agora com os novos hotéis, o futuro do Ideal pode ser mais risonho do que o que é hoje?

Sim, eu tenho esperança. Eu penso ainda que as pessoas da Ribeira Grande não têm ideia do patamar que o Sporting Clube está. A minha frustração é que as pessoas não estão a dar o real valor da mais valia que é o Sporting Clube Ideal andar nos campeonatos nacionais. Já temos uma parceria com um hotel. Já está a haver uma relação de princípios apostando na Mulher do Capote. Já é um avanço. Estamos com esperança de entrar noutras empresas mas para isso a direção precisa de mais pessoas para ajudar nessa parte. A direção está curta. O clube está sempre aberto às pessoas que se queiram juntar à direção. Há várias secções que não estão bem exploradas e uma delas é a parte do Marketing e Publicidade. Não é fácil ir buscar pessoas para trabalhar voluntariamente num clube.

 

O Sporting Clube Ideal para além do Campeonato Portugal da equipa sénior, que mais escalões tem?

Temos todos os escalões desde os traquinas, os petis, os juvenis, os iniciados até aos veteranos. Temos à volta de 250 crianças. As carrinhas já não têm condições de transportar as crianças. Estamos a trabalhar num projeto tentar comprar 1 ou 2 carrinhas mas não é fácil porque temos um orçamento para a equipa. Temos um outro projeto que já foi entregue à Câmara Municipal que consiste em fazer obras no clube para criar uma espécie de lar para os jogadores que vêm do continente. Temos que ter melhores condições para receber os jogadores do continente que vêm jogar porque não podemos perder jogadores porque não temos condições. O clube precisa de crescer nessa intenção. O clube deu um salto em 5 anos que ninguém esperava. Temos 14 ou 15 jogadores de cá mas para se manter neste campeonato não chega, temos que recrutar lá fora. Tomara eu que fossem todos açorianos e, por isso, há uma aposta forte na formação para tentar precaver já o futuro do clube. A idade está a chegar e vamos ter que colocar uma fornalha nova. As obras têm que ser já porque o jogador tem que se sentir bem cá.

 

Então. o que pretende fazer aqui na sede?

É preciso fazer 5 a 6 quartos individuais, duas casas de banho e uma sala de convívio. O atleta precisa de ter a sua privacidade não posso ter 2 a 3 jogadores num quarto. Eles têm que se sentir em casa para poder também render. Isso uma das apostas e poupa-se dinheiro com isso, já que não temos que pagar a estadia do atleta.

 

Atualmente, têm que suportar esse custo?

Atualmente, eles já estão a viver aqui no clube só que as condições não são as ideais. Temos feito o melhor que podemos mas temos que melhorar urgentemente senão começamos a perder jogadores.

 

Com estes escalões todos, como é que consegue espaço para treinar e para competir?

O espaço tem sido um problema grave aqui na Ribeira Grande. Todos os clubes têm o direito de treinar mas não há espaço. Eu penso que devia de ter havido outros acordos, não sei. Devia-se de respeitar a hierarquia desportivamente. É complicado. Estamos a treinar e já um clube pronto para entrar. Assim não dá.

 

Mas tem havido nos últimos tempos destruição de campos de futebol porque dizem que não há utilização, como é o caso de Santa Bárbara, porque não havia ocupação para aquele espaço. A Ribeirinha está semi abandonada. Por um lado, há falta de espaço para jogar mas, por outro lado, vão-se acabando com os campos de futebol…

Se o campo da Ribeirinha tivesse em condições, eu era o primeiro que dizia que ia para aquele campo porque daqui até lá são 5 minutos. Isso libertava e facilita os treinos dos seniores porque tem que haver um certo tipo de concentração e não pode andar a entrar uma equipa e a sair outra.

 

Não quer desafiar as entidades Municipais a, por exemplo, apostar nisso?

Eu posso lançar o repto de fazer ali um sintético. Eu valorizo muito quando a Câmara aposta no desporto e deve apostar. Se o campo da Ribeirinha funcionasse, eu penso que a Ribeira Grande tinha muito a ganhar. Dava um grande salto qualitativo em termos de estabilidade e podia-se distribuir os clubes. É sempre mais um campo. Teria o apoio do Sporting Clube Ideal se o presidente da Câmara investisse.

 

Durante o campeonato vários resultados podem acontecer, mas acredita que o Ideal vai-se manter no Campeonato de Portugal, se não for mais além?

Paulo Menezes é um homem da minha confiança. Consegui o milagre de a 4 jornadas do fim, onde já muita gente tinha condenado o clube, mudar de treinador e conseguir um bom resultado. Eu fiz tudo e mais alguma coisa para ficar com a consciência tranquila. Não é fácil mudar de treinador a 4 jornadas do fim. Até podia perder mas estava cá para assumir as consequências, como assumi na primeira descida. A descida pode acontecer como pode não acontecer. Nunca sabemos o que acontece. Mas, se descermos o clube continua. A minha preocupação é que o clube nunca feche as portas.

 

A presença do Santa Clara, finalmente, na Primeira Liga, no Campeonato Português pode impulsionar o crescimento de outros clubes?

Sem dúvida! A relação entre o Sporting Clube Ideal e o Santa Clara são ótimas. O Santa Clara é uma mais valia para os Açores e penso que também não está a ser bem aproveitada esta fase do clube. O Ideal vai apoiar o Santa Clara em tudo pois eles têm ajudado ajudado o Ideal de forma direta ou indiretamente. O jogador que vem para o Sporting vem com a esperança de um dia também chegar à Primeira Liga.

 

E o Ideal não equaciona ou nunca equacionou com o bom relacionamento que existe com o Santa Clara, a eventualidade de receber um ou outro jogador que esteja a ser subaproveitado no plantel do Santa Clara?

Já temos feito alguns empréstimos. O jogador que tiver que vir tem que ser uma mais valia. Aparece um ou dois jogadores e não é uma obrigação do clube. Quando o Santa Clara acha que tem jogadores para emprestar, nós estamos aqui para receber.

Até porque estamos a falar de um clube genuíno que é o Sporting Clube para uma SAD que é o Santa Clara…

O Sporting já está no patamar dos melhores clubes dos Açores. À nossa frente só há o Santa Clara e fico contente que o Ideal esteja a lutar de igualdade com esses grandes clubes.

 

Clubes como o Ideal, às vezes, apostam também na Taça de Portugal. O Sporting Clube Ideal não gostaria de fazer um brilharete?

Gostávamos, mas a Taça de Portugal é uma lotaria. Nós tivemos 3 jogos de pré-época, o que dá um andamento diferente à equipa. Há clubes que fizeram 11 jogos de pré-época. Nós ainda estamos a criar o nosso andamento. Peço às pessoas para terem paciência e que apoiem o clube. Nós vamos dar tudo por tudo para fazer uma boa imagem.

 

Uma mensagem aos ribeiragrandenses…

Estou aqui de corpo e alma para dar o meu melhor. Posso não ser aquilo que alguns sócios desejam. Uma coisa é certa, eu vou dar tudo para defender o Sporting Clube Ideal.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com