O evento Taste Azores trouxe, pela primeira vez, o melhor dos Açores ao Norte do país. O NorteShopping foi o palco desta iniciativa e recebeu 17 empresas que, entre os passados dias 28 de setembro e 2 de outubro, disponibilizaram inúmeras ofertas gastronómicas, de artesanato e turismo, características da região, tendo em vista responderem à procura e aproximarem-se do cliente final, assim como do mercado portuense.

 

A iniciativa Taste Azores foi promovida pela Marca Açores e mostrou, pela primeira vez no Porto e pela quarta em Lisboa, o que de melhor se pode encontrar nesta região. Assim, entre os passados dias 28 de setembro e 2 de outubro, o NorteShopping foi o palco deste evento, que contou com a participação de 17 empresas, que apresentaram as suas histórias, gastronomia e tradições às mais de 50 mil pessoas que, por dia, visitaram este espaço.

A escolha deste espaço para a realização deste evento teve como principal objetivo dar resposta ao interesse das empresas açorianas, numa nova abordagem de proximidade ao mercado do Norte de Portugal continental, que tem vindo a registar, nos últimos anos, um aumento da procura de produtos e serviços da região, através do estabelecimento de contactos com distribuidores e retalhistas. “Esta primeira passagem pelo Porto foi uma estratégia da Marca Açores de levar as empresas açorianas para o território nacional e de mostrar aquilo que de melhor se faz no arquipélago, dando-lhes condições para que possam distribuir os seus valores e prestigiar os seus produtos”, enalteceu Bruno Belo, diretor regional do Empreendedorismo e Competitividade, do Governo dos Açores, em entrevista exclusiva ao AUDIÊNCIA, frisando que “chegamos a um mercado de 50 mil visitantes diários, no NorteShopping, com a presença de milhares de consumidores portugueses, mas também espanhóis, o que nos permitiu alcançar o mercado externo, um aspeto que é importante referir”.

Depois de ter inaugurado este evento, o diretor regional sublinhou, ainda, que esta mostra de produtos e serviços, “para além de um contacto direto com o cliente original, também permite o contacto com outros empresários, que poderão vir a ser parceiros naquela que é a cadeia de valor e distribuição dos produtos, assim como o aumento da sua produtividade e rendimento”, salientando que o objetivo é “que os intervenientes de toda a cadeia de valor sejam remunerados justamente pelo trabalho e pelo serviço que prestam, tal como pelos produtos que produzem”.

Também Ponciano Oliveira, presidente da Casa dos Açores do Norte, sediada no Porto, marcou presença nesta iniciativa, asseverando, a este órgão de comunicação, que “este evento deu a oportunidade a dezenas de produtores, empresários e empreendedores dos Açores de poderem trazer os seus produtos, ao Porto. Para esta instituição, é muito importante, porque um dos nossos intuitos é promover as relações económicas entre o arquipélago e o Norte do país e o facto de recebermos a mostra Taste Azores, agora, aqui, à semelhança do que acontecia em Lisboa, converge com o trabalho que nós realizamos, facilita e é, para nós, um motivo de regozijo, pois tivemos presentes alguns dos produtores originários que nós, também, tentamos ajudar a promover”.

Por conseguinte, ao longo de cinco dias, os visitantes tiveram a oportunidade de descobrir a magia do arquipélago, através de sessões de showcooking, protagonizadas, nomeadamente, pelo gastrónomo António Cavaco, degustações, atuações musicais e animação infantil, potenciando a presença e visibilidade das empresas, que tiveram, inclusive, à sua disposição, um espaço de ativação da sua própria marca.

Assegurando que “o objetivo não só foi alcançado, como foi superado”, Bruno Belo não escondeu a sua satisfação “pela experiência e resultados obtidos por parte das empresas presentes, por isso, as expectativas foram amplamente superadas”.

Durante a iniciativa, não faltaram apresentações de marcas como a Salsicharia Ideal da Ribeira Grande, Chá Gorreana, Atum de Santa Catarina – Sociedade Conserveira e Lactaçores, entre muitas outras, que fizeram questão de demonstrar ao AUDIÊNCIA o seu contentamento, relativamente à importância da realização da primeira edição da Taste Azores no Norte do país. Neste contexto, Pedro Melo, proprietário da Salsicharia Ideal, na Ribeira Grande, ressaltou que este “é um evento enriquecedor para os Açores, pois estão cá presentes várias ilhas, com diversos produtos e serviços, o que enriquece a Marca Açores, o arquipélago e as pessoas, acima de tudo. Nós queremos que as pessoas se sintam em casa, com produtos com os quais se sentem familiarizadas. O que nós queremos transmitir é a proximidade, porque nós não estamos assim tão longe, apenas a 1500 quilómetros de distância, pelo que podem visitar-nos, inclusive nos nossos vários postos de venda”, convidando os portuenses, “a visitarem a minha fábrica, verem como nós trabalhamos, os nossos valores, a nossa missão e os nossos objetivos, pois nós estamos cá, para esclarecer tudo o que nos foi deixado de uma forma rica”.

A concretização da segunda edição no Norte do país já foi confirmada, o que deixou Ponciano Oliveira radiante. “As nossas expectativas foram superadas e a confirmação do evento para anos vindouros, para nós, é um motivo de satisfação, na medida em que atesta os nossos anseios, pois a nossa ambição futura passa pelo crescimento e solidificação dos produtores, encontrando formas e parcerias para a divulgação e escoamento dos seus produtos, aqui, no Porto. Todas as iniciativas empreendedoras que têm existido, da região autónoma para o Norte do país, têm sido sempre bem-sucedidas, porque existe, também, uma afinidade grande, entre o modo de estar dos portuenses e insulares açorianos”, enfatizou o presidente da Casa dos Açores do Norte, evidenciando que esta instituição está sempre disponível para “dar continuidade e seguimento a todos os pedidos de contacto, cedência e facilitação de espaços, para realização de reuniões de trabalho, e destas parcerias, para que este fluxo e relações económicas fluam”.

A pensar na valorização das empresas, o diretor regional do Empreendedorismo e Competitividade destacou que “no próximo sistema de incentivos, era importante que os produtos da Marca Açores fossem elementos valorizadores dos projetos de investimento e que isto permitisse que as empresas, que tenham produtos e serviços inscritos nesta marca, pudessem beneficiar com este reconhecimento”.