No passado dia 1 de maio, realizou-se o dia da freguesia da Maia. Este ano as celebrações foram feitas presencialmente, ao contrário do que aconteceu no ano passado, onde estas foram realizadas através de videoconferência. Ao longo do dia foram concretizadas várias iniciativas e homenagens à freguesia e a personalidades importantes da comunidade maiense, incluindo o professor Daniel de Sá e Inês da Maia. A data foi triplamente feliz, visto que contemplou as celebrações do dia da freguesia da Maia, do Dia do Trabalhador e do Dia da Mãe.

 

 

 

O dia da Maia, 1º de maio, “é um dia muito mais especial por coincidir com o Dia da Mãe e também com o nome da fundadora da Maia que é Inês da Maia” proferiu Jaime Rita. O Presidente da Assembleia de Freguesia afirmou que “há aqui uma conjunção de situações e de ações que se completam e realmente vão dar um grande ânimo e até uma grande justificação para aqueles que não nos conhecem, de que o nome Maia, o nome maiense é um nome a ter em conta e para se manter com algum respeito”.

O dia da Maia contou com momentos de grande importância, entre eles, a eucaristia, na Igreja Paroquial do Divino Espírito Santo da Maia; a exposição “(Re)Começos”, patente no Salão Nobre da Junta de Freguesia; o almoço com as entidades convidadas, no refeitório da escola EBI Maia; a inauguração da Placa Toponímica da Rua Professor Daniel de Sá e dois momentos artísticos: a atuação dos Bombomania e a de João Moniz.

O dia comemorativo da freguesia, que pertence ao concelho da Ribeira Grande, iniciou com o hastear de bandeiras e uma sessão de boas-vindas, realizada na Junta de Freguesia. “É uma enorme honra estar aqui convosco para comemorar mais um dia da nossa freguesia, a nossa querida Maia” começou por referir Susana Ferreira, presidente da Junta de Freguesia. A presidente aproveitou o momento para endereçar “um abraço cheio de carinho e apreço aos nossos irmãos da diáspora, os nossos emigrantes, que embora ausentes fisicamente, estão sempre presentes nos nossos corações” e também “aos nossos irmãos maienses, da cidade da Maia, que, infelizmente, não conseguiram estar aqui connosco hoje”.

Após saudar os presentes, Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, evidenciou a felicidade sentida ao recordar que “no ano passado, assinalámos a geminação entre a freguesia cidade da Maia e que me parece também haver esse paralelo com o norte do país”. Enalteceu o contributo de Joaquim Ferreira Leite, diretor do AUDIÊNCIA, neste paralelo e considera-o “um grande impulsionador desta ligação entre o norte do país e a Ribeira Grande, em particular, a freguesia da Maia”. O autarca usufruiu do momento para “dizer qual é que tem sido a dinâmica da freguesia e o que é que o município está a pensar para ela”. De acordo com os dados do recenseamento urbano, a freguesia da Maia “teve 33 novos pedidos de recenseamento e 5 novos alojamentos locais” ao longo dos dois últimos anos. Para Alexandre Gaudêncio significa que “a freguesia não está morta, pelo contrário, está viva e recomenda-se”. O autarca enfatizou a especialização “na área do turismo”, onde a freguesia da Maia “pode dar ainda mais cartas do que aquilo que tem dado”.

Tendo em conta os dados referidos, o presidente realçou a dinâmica e atratividade da freguesia da Maia, exprimindo a intenção da autarquia em dar um novo impulso nessa área. “A nossa próxima prioridade é atrair nómadas digitais. Estamos neste momento a desenvolver esforços para lançar uma campanha de divulgação daquilo que de melhor temos para oferecer, com a finalidade de chegar às pessoas que queiram viver cá e trabalhar remotamente”, expôs o autarca e acrescentou que estão previstos dois grandes investimentos turísticos para a freguesia. Alexandre Gaudêncio acredita que “este vai ser, sem sombra de dúvidas, um desafio para os próximos anos”.

Relativamente aos discursos e homenagens a todas as mães, Susana Ferreira realçou que este momento permitia “conciliar a homenagem a uma personalidade de extrema importância para nós, Inês da Maia, como a todas as mães, seres incríveis em todos os sentidos”. “Pretendemos com esta comemoração contribuir para reforçar a dignidade e o significado que a nossa freguesia merece” sustentou a presidente. Susana acredita que existe “muita vontade e motivação para lutarmos para ter uma Maia mais atrativa para todos” e que o maior desafio é “unimo-nos e juntos lutarmos por todos sem exceção”. A celebração deste dia também é “reconhecer e agradecer o contributo de todos, todos aqueles que dinamizam a nossa freguesia, quer contribuindo na cultura, no desporto e nas ações humanitárias” rematou Susana.

A presidente da Junta de Freguesia aproveitou ainda para saudar “os ex-autarcas, que passaram e deram o seu melhor por esta freguesia e contribuíram para a formação da mesma” e todas as “mulheres que, à semelhança de Inês da Maia, lutaram e continuam a lutar para que a nossa freguesia se tornasse grandiosa”.  A presidente concluiu o seu discurso com um apelo à união: “temos de nos unir verdadeiramente e lutarmos pela nossa freguesia. Todos temos a ganhar se dermos, de forma honesta, um pouco de nós, em prol de um bem maior, o bem estar de todos”.

Em exclusivo ao AUDIÊNCIA, Susana Ferreira confessou que, sendo a primeira vez que exerce este cargo, “estava com algum receio quando comecei este dia, porque é a primeira vez como disse, é tudo uma novidade para mim”. Explicou o sentimento de alívio que sentiu “acho que correu relativamente bem, tivemos uma sessão solene rica, com um almoço bastante agradável e acho que os participantes estão satisfeitos, de barriguinha cheia”. Realçou ainda “a inauguração da placa toponímica do professor Daniel de Sá”.

Em retrospetiva sobre os primeiros meses enquanto presidente da Junta, Susana Ferreira assegurou que “foram muito difíceis, sabia que ia ser um projeto difícil, mas não pensei que fosse tanto”. “Sou uma pessoa muito sã, não estou aqui por jogos políticos, estou aqui mesmo só para o bem-estar do meu povo da Maia” referiu a presidente. Apesar de se sentir “um peixe fora de água”, Susana assegura que “vamos sobreviver a isso tudo, com a ajuda dos meus colegas e da população, que é fundamental”.

“É verdade que estou aqui como presidente da assembleia, o que não é estranho, já o tinha sido em anos anteriores, mas sinto-me bem, sinto-me satisfeito” referiu Jaime Rita, atual Presidente da Assembleia de Freguesia da Maia e antigo presidente da Junta de freguesia da Maia, em exclusivo ao AUDIÊNCIA. Aproveitou a oportunidade para enaltecer o trabalho realizado pela atual presidente da autarquia: “sinto-me, acima de tudo, satisfeitíssimo porque a presidente que me veio substituir, a Susana, que é a minha presidente, está a fazer um trabalho de excelência”. Jaime Rita, deixou ainda uma mensagem aos maienses: “perante as grandes adversidades que a Maia passou e continua a passar neste momento, é sempre possível dar a volta por cima”.

 

 

 

Homenagem ao Professor Daniel de Sá

Nas cerimónias de comemorativas da Maia foi inaugurada uma placa toponímica com o nome do Professor Daniel de Sá, como forma de perpetuar e homenagear uma das figuras mais marcantes do século XX.

“Estamos aqui na casa do Daniel de Sá e é uma honra estar aqui a homenageá-lo” começou por referir Alexandre Gaudêncio, Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande. De seguida realizou um paralelismo entre Gaspar Frutuoso e Daniel de Sá, caracterizando-os como “dois vultos da nossa sociedade”. Por fim, enalteceu a memória simbólica realizada pela Câmara Municipal para a família do escritor.

Susana Ferreira, Presidente da Junta de Freguesia da Maia, introduziu a homenagem a “uma pessoa que marcou as nossas vidas e nos é muito querida, Daniel de Sá” sustentando que “marcou, não só Maia, mas também o nosso concelho, a nossa ilha e até a nossa Região Autónoma”. Daniel “foi um homem do seu tempo, mas preparou homens e mulheres para tempos futuros” recordou a presidente. “Por tudo isto, a Junta de Freguesia alegra-se por estar aqui a prestar esta justa e bonita homenagem ao nosso querido professor Daniel de Sá e aproveitamos para entregar uma placa de recordação à rapariga mais bonita da freguesia” concluiu Susana Ferreira.

 

Projeto “Calços da Maia” e Caminho Maia – Lombinha da Maia

Em paralelo com o facto de estarem todos de “barriguinha cheia” a presidente afirmou que a Freguesia da Maia “está com fome de muita coisa”. O caminho da Lombinha é “um caminho que nos deixa esfomeados, de mais movimento, de pessoas que nos venham visitar e de promover mais o nosso comércio”.

O Projeto “Calços da Maia” começou a dar os primeiros passos e Susana Ferreira considerou que “será uma mais valia fundamental para a Maia”, uma vez que “vai promover postos de trabalho e vai criar uma dinâmica nova na localidade”. Contudo “é preciso ter o caminho da Lombinha concluído, porque a sede do projeto vai ser na Lombinha da Maia e isso implica que haja uma circulação rápida entre Maia e Lombinha da Maia” concluiu a presidente.

Alexandre Gaudêncio aproveitou o momento para “congratular as forças vivas, dizer o que é que está em carteira ao nível do município e traçar alguns passos para o futuro”. O autarca referiu que o caminho Maia – Lombinha está a causar contratempos ao dia a dia dos cidadãos maienses e mencionou que, na assembleia municipal, foi estruturada, provisoriamente, “uma solução para fazer face a esses constrangimentos que temos vivido nos últimos tempos”. Comunicou que o “compromisso do município é abrir o caminho à circulação automóvel, no sentido poente-nascente, ou seja, a subir” para que “enquanto a obra não começa, possa existir esta circulação automóvel para desafogar o transito e a circulação na freguesia”.

O presidente explicou ainda que a primeira fase da obra já se encontra concluída, nomeadamente a estabilização dos taludes, que teve um custo de cerca de 700 mil euros. A segunda fase da obra é o “alargamento da via, com a sua requalificação, onde vai nascer um passeio na zona norte, na zona do mar” e “está tudo orçamentado em cerca de 1.7 milhões de euros de expensas exclusivas do município”, visto que se trata de uma via municipal. Neste sentido e “atendendo a que o espaço fica numa reserva ecológica” foi necessário enviar os pareceres às entidades e “já nos solicitaram alterações ao projeto ou informação adicional que estamos a compaginar, para que possamos lançar o concurso público”. Alexandre Gaudêncio revelou que “nem tão cedo a obra poderá começar devido a tramites legais”. Em sintonia com a Junta de Freguesia e as forças vivas, “podemos então abrir à circulação automóvel provisoriamente num dos sentidos, para não trazer mais constrangimentos a esta freguesia” reforçou o autarca, assumindo ainda que “até ao final do mês de maio, a via ficará a circular nesse sentido”.