O Governo Regional dos Açores apresentou, no passado dia 3 de fevereiro, através de uma sessão online, o Projeto REGIN – Regions for Migrants and Refugees Integration, que tem como objetivos reforçar a capacidade das entidades regionais na promoção da integração dos migrantes, através da criação de uma rede de cooperação internacional. A iniciativa contou com a participação de Artur Lima, vice-presidente do Governo dos Açores, José Andrade, Diretor Regional das Comunidades, Leoter Viegas, vice-presidente da AIPA – Associação de Imigrantes nos Açores, Ana Silva, Diretora de Projetos e Coordenadora do Gabinete de Apoio ao Migrante da CRESAÇOR – Cooperativa Regional de Economia Solidária, e Claire Street, Técnica de políticas e de projetos da Conferência das Regiões Periféricas Marítimas.

 

 

O projeto europeu REGIN – Regions for Migrants and Refugees Integration tem como objetivos reforçar a capacidade das entidades regionais na promoção da integração dos migrantes, através da criação de uma rede de cooperação internacional que possa fornecer e desenvolver um conjunto de instrumentos e de ferramentas que melhorem o desempenho das regiões nesta área e, consequentemente, contribuam para esse fim.

Aprovado no âmbito do FAMI – Fundo Asilo, Migração e Integração, o projeto, com uma duração de dois anos, é liderado pela CRPM – Conferência das Regiões Periféricas Marítimas, instituição que agrupa cerca de 150 regiões de 28 países, representando aproximadamente 200 milhões de habitantes.

Artur Lima, vice-presidente do Governo Regional dos Açores, afirmou, aquando da apresentação do projeto REGIN, que “numa era marcada pela globalização e pela intensa mobilidade das pessoas, as regiões europeias enfrentam novos desafios em diferentes áreas. O projeto REGIN, aprovado no âmbito do FAMI e promovido pela CRPM, foi criado para incluir a integração de migrantes e refugiados nas políticas de coesão social a nível regional”, sublinhando que “este é, portanto, um instrumento essencial de apoio às autoridades regionais, na melhoria do desempenho na integração dos imigrantes”.

O vice-presidente do Governo Regional dos Açores aproveitou, ainda, a ocasião para salientar um “problema sério vivido, sobretudo, nas ilhas mais pequenas”, que contempla o despovoamento populacional do arquipélago dos Açores, ressaltando que “os imigrantes podem contribuir decisivamente para atenuar esta tendência”.

Segundo Artur Lima, a estratégia do executivo açoriano para a integração dos imigrantes baseia-se numa dupla ação, que promove a “plena integração das comunidades imigrantes, perseverando a identidade cultural açoriana”.

“Não tenhamos dúvidas de que uma integração bem-sucedida assente na inclusão social resultará numa sociedade mais coesa e una. A açorianidade é um conceito flexível, que abarca todos, todos aqueles que se sintam parte desta comunidade chamada Açores”, referiu o vice-presidente do Governo dos Açores, asseverando que “estou certo de que este projeto resultará numa real troca de experiências entre regiões europeias e numa cooperação mútua e vantajosa, no desenvolvimento de um conjunto de ferramentas e estratégias, com vista a uma ação mais eficaz no acolhimento dos migrantes”.

A Direção Regional das Comunidades integra o projeto europeu REGIN, desde fevereiro de 2020, sendo que ao longo de 2 anos, a Região Autónoma dos Açores participará na concretização do projeto, juntamente com a CRPM – Conferência das Regiões Periféricas Marítimas (França), a Migration Policy Group (Bélgica), a Instrategies e o Centro de Barcelona para Assuntos Internacionais-CIDOB (ambos da Catalunha), e com outras entidades governamentais das regiões de Campania e Sardegna (Itália), Catalunha e Múrcia (Espanha), e Skåne (Suécia).

José Andrade, Diretor Regional das Comunidades, explicou, durante a sua intervenção na sessão de apresentação deste projeto europeu, que existem cerca de 3900 imigrantes nos Açores, oriundos de 95 países, que representam aproximadamente 1,6 por cento da população residente no arquipélago.

Para o Diretor Regional das Comunidades, o Projeto REGIN é “mais um passo na consciencialização e da consolidação da sociedade multicultural que já somos, também, nos Açores”, pelo que “importa, portanto, facilitar a integração e valorizar a interculturalidade”.

“A Região Autónoma dos Açores, no âmbito do projeto REGIN, tem por missão reforçar a capacidade das entidades regionais na promoção da integração dos imigrantes, através da criação de uma rede de cooperação internacional”, destacou José Andrade, declarando que “nos Açores respeitamos e valorizamos as diferenças. Construímos uma sociedade plural. Queremos que todos sejam felizes”.

 

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com