A Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA) uniu-se à Quirónprevención num projeto inovador, que possibilita às empresas a realização de formação em áreas perigosas nas suas sedes, ou em ambiente outdoor. Neste âmbito, esta instituição, que é líder saúde e segurança, realizou um roadshow nacional, que começou em Braga, passou pela Trofa e terminou em Beja, durante o qual demonstrou a sua oferta formativa a mais de 350 empresas.

 

 

No passado dia 31 de maio, a Quirónprevención realizou uma demonstração da sua oferta formativa no concelho da Trofa, junto ao Polo 1 da Câmara Municipal. Esta ação, que decorreu em parceria com a Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), da qual esta empresa é associada, contou com a participação de 75 empresas e ocorreu com recurso a uma unidade móvel, que foi desenvolvida com o intuito de chegar mais perto dos clientes, com todos os meios adequados e um simulador, para as atividades perigosas, como trabalhos em altura, espaços confinados, trabalhos com risco elétrico e extinção de incêndios.

O conceito, que foi desenvolvido por esta empresa, que é a principal prestadora dos serviços de medicina no trabalho aos associados da AEBA, vai ao encontro da sua política de total aproximação aos clientes. “A nossa intenção é levar o mecanismo e uma forma de demonstração da prevenção de riscos em contexto de trabalho, em contexto teórico-prático, que levamos até a casa dos nossos parceiros, que são os nossos associados, também, da AEBA”, ressaltou Pedro Cruz, diretor comercial da Quirónprevención em Portugal, em entrevista exclusiva ao AUDIÊNCIA.

Assegurando que “a nossa principal missão é poder levar, para todos os nossos clientes, um maior contributo naquilo que é a prevenção dos riscos no contexto de trabalho”, o diretor comercial da Quirónprevención revelou que “esperamos uma adesão muito grande a este estilo e a esta nova forma de ministrar formação”, sublinhando que “este é um investimento que nós estamos a fazer, para com as empresas, na saúde e na segurança dos trabalhadores”.

Neste seguimento, a vice-presidente executiva da AEBA, Mafalda Cunha, mencionou, em exclusivo ao AUDIÊNCIA, que “esta solução é bastante interessante, do ponto de vista do conforto para as empresas. A Quirónprevención é nossa associada e foi a empresa que a Associação Empresarial do Baixo Ave contratou, mais recentemente, para prestar os serviços de medicina no trabalho às instituições associadas, o que é uma das nossas grandes vantagens, ou seja, qualquer empresa associada, só por ter as quotas em dia, pode beneficiar da medicina no trabalho, sem pagar mais por isso”.

Por conseguinte, Mafalda Cunha aproveitou ainda, a ocasião para enaltecer que a Quirónprevención é “uma empresa que, neste momento, está ligada ao maior grupo privado de saúde da Península Ibérica e tem muita experiência na área da segurança e saúde no trabalho, assim como da formação profissional ligada às empresas, o que nos dá, de facto, esta tranquilidade de perceber que temos, mesmo, capacidade de apoiar as associadas. Nós achamos que, desta forma, estamos a contribuir para que as empresas possam estar regulares e os seus colaboradores e as suas equipas possam estar bem acompanhadas”.

Também Sérgio Araújo, vereador da Câmara Municipal da Trofa, fez questão de marcar presença na demonstração da unidade móvel da Quirónprevención, asseverando, no final da apresentação ao AUDIÊNCIA, que “em primeiro lugar, isto é uma mais-valia para qualquer tipo de empresa, porque, o facto de as empresas não terem de deslocar os trabalhadores para os centros formativo e esta unidade móvel ter a capacidade de se deslocar até às empresas, com sede em qualquer parte do país, para dar a respetiva formação, permite chegar a mais pessoas e, no fundo, potencializa tudo o que é higiene, saúde e segurança no trabalho”.

Evidenciando que “este tipo de ações é muito importante e é, por isso, que quisemos fazer esta visita”, o edil esclareceu que “trouxemos os nossos colaboradores a as chefias para, a partir daqui, terem, também, uma visão do que é poderão fazer. No nosso caso específico, achamos que é útil e que, no futuro, haverá a possibilidade, se as empresas da Trofa assim entenderem, desta estrutura móvel se deslocar às empresas, para lhes dar a respetiva formação”.