Durante os dias 5 e 6 de maio, a Sociedade de Advogados Antas da Cunha ECIJA e a Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), organizaram as jornadas de Legal Tech destinadas a diversos temas nos ramos do Direito. O evento contou com a presença de mais de 100 pessoas, de cerca de 50 empresas, que a partir das instalações da AEBA ou da transmissão online,  tiveram a oportunidade de incrementar conhecimentos e dissipar dúvidas sobre dos temas debatidos.

 

 

Alexandre Teixeira, presidente da Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), manifestou satisfação com o retorno dos encontros presenciais entre empresários promovidos pelo organismo. O presidente da associação que celebrou, no passado mês de abril, 22 anos de existência realçou o facto de “os encontros entre empresários serem uma das principais razões da existência da Associação Empresarial do Baixo Ave, já que permitem que haja uma partilha de contactos e experiências entre as empresas que podem resultar em bons negócios”. Alexandre Teixeira evidenciou que o associativismo tem “um princípio basilar que reside justamente nesta lógica de partilha de conhecimentos e experiências”. Salientou também que as jornadas de Direito e a tertúlia, realizadas na AEBA, nos dias 5 e 6 de maio, apresentam “uma carga simbólica considerável, já que marcam o regresso dessa possibilidade de partilha entre empresários e empresas, que, infelizmente, nos últimos dois anos, estiveram muito condicionadas devido à pandemia”. O empresário aproveitou também para mencionar que a associação tem preparada “a organização de mais dois encontros entre empresários até ao final do ano, para além da gala da Associação, que este ano se voltará a realizar em setembro, se tudo correr como o previsto, depois de dois anos de interregno devido à pandemia”.

No dia 5 de maio, a AEBA organizou um jantar tertúlia que contou com a presença de cerca de 30 empresas associadas, sob o tema “O futuro visto por…”. Marcaram presença neste evento a Co-Fundadora, Chairman e CEO da Casa de Investimentos, Emília Vieira; o Sócio & Managing Partner da Antas da Cunha ECIJA, Fernando Antas da Cunha e o Chairman da multinacional portuguesa Frezite, José Manuel Fernandes. Os convidados iniciaram a sua exposição, partindo do contexto atual político, económico e social da europa e do mundo para, posteriormente, evidenciarem o seu ponto de vista sobre o futuro das empresas e quais os desafios basilares que poderão surgir num cenário pós-pandemia e de guerra na Ucrânia.

Emília Vieira realizou uma análise, tendo em conta o atual contexto de inflação, acerca dos desafios elementares que se colocam às empresas no mercado de capitais. A empresária focou a sua exposição na indispensabilidade das pessoas e empresas preservarem uma almofada financeira estável, que lhes permita refutar a imprevisibilidade presente no atual cenário económico. Por sua vez, Fernando Antas da Cunha, realizou uma intervenção centralizada nos aspetos que podem interferir na criação de novas empresas e negócios. Salientou, ainda, as oportunidades que a revolução digital poderá trazer para a internacionalização, garantindo que se as empresas e cidadãos não fossem tão condicionados pelas taxas de impostos, iria-se assistir a um investimento mais acentuado em Portugal. José Manuel Fernandes, Presidente da Assembleia Geral da AEBA, salientou as oportunidades que surgirão, nos próximos anos, para as empresas.  O empresário destacou, ao longo da sua exposição, os novos cenários e oportunidades que aparecerão na vida das empresas portuguesas. No epílogo da sessão, os convidados interagiram, partilharam opiniões e colocaram questões aos oradores, numa tertúlia que assinalou o retorno dos encontros de negócios presenciais promovidos pela AEBA.

A equipa de Advogados da sociedade Luso Espanhola, associada da AEBA, promoveu variadas apresentações sobre temáticas ligadas ao Direito Fiscal, Legal Intelligence, Economia Digital e diversos sub-temas do Direito do Trabalho, incluindo o impacto da mais recente reforma laboral nas empresas, a flexibilização e uberização do trabalho, assim como o Whistleblowing nas relações laborais. O Sócio e Managing Partner da Antas da Cunha ECIJA, Fernando Antas da Cunha, salientou a relevância destas sessões “para as empresas, empresários e colaboradores que lidam frequentemente com estas questões, uma vez que os temas abordados ainda suscitam muitas dúvidas”, enfatizando a colaboração entre a Antas da Cunha ECIJA e a AEBA na organização destas jornadas. Esta parceria permite que a sociedade possa ajudar a elucidar as empresas “de uma região com forte ADN empresarial e com um potencial de crescimento notável”. Pedro da Quitéria Faria, Sócio da Sociedade e Especialista em Direito do Trabalho e da Segurança Social revelou que “a Antas da Cunha ECIJA quer estabelecer com as empresas de todo o país uma relação de proximidade, nomeadamente com as da região do Baixo Ave, pelo que entendemos que a AEBA, enquanto Associação Empresarial da qual fazemos parte enquanto associados, seria o parceiro ideal na organização destas jornadas”.

Durante as jornadas de Legal Tech, Nuno da Silva Vieira, advogado especialista em Legal Intelligence, partilhou o caso, que assessorou a nível jurídico, da realização da primeira transação de um imóvel em bitcoins na Europa. O advogado referenciou que “as novas tecnologias associadas à inteligência artificial podem assegurar múltiplas experiências para quem procura serviços jurídicos”. Nuno da Silva Vieira concluiu o seu discurso sustentando que “estamos a assistir a uma revolução no setor, desde as simples aplicações gratuitas que facilitam a vida do Advogado no agendamento inteligente de reuniões, até aos potentes algoritmos que nos permitem realizar contratos e estar verdadeiramente próximos dos nossos clientes, com acesso, em tempo real, à informação relacionada com os seus processos e com reporte técnico personalizado”.