“Garantimos a máxima qualidade de produtos, a preços sempre competitivos”

 Fundada em 1977, em Espanha, a Mercadona é uma empresa familiar que, em 2016, iniciou, em Portugal, o seu primeiro projeto de internacionalização. Até ao presente, a empresa já inaugurou 29 lojas, tendo adquirido, em 2020, 208 milhões de euros em produtos a fornecedores portugueses. Assumindo a responsabilidade social como uma parte relevante da sua atividade, a retalhista apoia as instituições com sede nos locais onde está inserida, mantendo o espírito solidário que tanto a caracteriza.

 

 

Qual é a história da aposta da Mercadona no mercado português?

A Mercadona é uma empresa familiar, com origem em Espanha. Trata-se de uma empresa de retalho alimentar com supermercados de proximidade. A Mercadona decidiu, em 2016, iniciar o seu primeiro projeto de internacionalização para Portugal, uma escolha natural dada a proximidade entre os dois países. Sempre dissemos que a Mercadona em Portugal seria portuguesa e por isso, em 2016, criámos a empresa Irmãdona Supermercados, Unipessoal, Lda., contratamos a estrutura base da empresa e decidimos iniciar este processo de expansão pela zona norte do país. Estivemos durante três anos a preparar o projeto, a conhecer produtores nacionais e a definir toda a gama de produtos que iriamos colocar nas prateleiras, na abertura da primeira loja.

 

Que balanço faz desde a abertura do primeiro supermercado até ao presente?

Fazemos um balanço extremamente positivo dos primeiros anos da presença da Mercadona em Portugal. Delineámos um plano de expansão que está a ser cumprido, estamos a aprender muito neste que é o primeiro projeto de internacionalização da empresa e a recetividade por parte dos nossos Chefes (clientes) tem sido muito positiva.

 

Quantas lojas e colaboradores possui a Mercadona em Portugal?

Atualmente, a Mercadona tem 29 lojas em Portugal, nos distritos do Porto, Braga, Viana do Castelo e Aveiro e conta com mais de 2300 colaboradores, com empregos estáveis e de qualidade, distribuídos pelos supermercados, escritórios, bloco logístico e centros de coinovação.

 

Desde que opera no mercado nacional, a retalhista apostou nas compras a produtores locais. De que forma é que esta iniciativa representa um fator diferenciador?

A Mercadona aposta num relacionamento estável, de compromisso e confiança junto dos seus fornecedores. Em 2020, trabalhamos com mais de 300 fornecedores portugueses, aos quais adquirimos 208 milhões de euros em produtos nacionais, com o grande objetivo de oferecermos aos nossos Chefes um sortido diferenciador, com produtos de elevada qualidade e a preços competitivos.

 

A responsabilidade social sempre fez parte do ADN desta empresa. Neste contexto, qual tem sido o papel desta cadeia junto da comunidade onde está inserida?

A Mercadona estabelece acordos com cantinas sociais das localidades onde estão inseridas as suas 29 lojas. Cada uma destas lojas doa, diariamente, bens essenciais a uma cantina social próxima. Além destas doações diárias, a Mercadona colabora, também, com entidades de maior dimensão, como é o caso dos Bancos Alimentares, Cruz Vermelha, Cáritas e AMI. Em 2021, a Mercadona doou um total de 1400 toneladas de alimentos e produtos de primeira necessidade a estas entidades sociais em Portugal.

 

A Mercadona define os clientes como “Chefes”. De que forma é que o público influencia as decisões da empresa?

O nosso Chefe está sempre no centro de todas as nossas decisões. No que respeita ao sortido de produtos que temos, atualmente, nas nossas lojas, este é definido em conjunto com os nossos Chefes, através dos três centros de coinovação, localizados em Matosinhos, Vila do Conde e Lisboa. A criação destes centros permitiu-nos estarmos mais próximos dos Chefes, estudarmos e conhecermos, com detalhe, os seus hábitos de consumo, detetarmos as suas necessidades, introduzirmos melhorias e lançarmos inovações. Continuamos, também, a levar a cabo a nossa política de SPB – Sempre Preços Baixos, onde garantimos a máxima qualidade de produtos, a preços sempre competitivos. Este é um modelo no qual os portugueses vão estando cada vez mais fidelizados e em que o nosso Chefe conhece, cada vez melhor, a nossa política de transparência, ou seja, sabe que todos os fornecedores são identificados nos rótulos dos produtos da nossa marca própria e que os mesmos são desenvolvidos, tendo em conta o “Chefe”.

 

Como é que a Mercadona vê a distinção com este Troféu AUDIÊNCIA?

Na Mercadona estamos todos muito orgulhosos por esta distinção. É um privilégio receber este troféu e, acima de tudo, um reconhecimento do trabalho realizado, até ao momento, por todos os que fazem parte deste grande projeto. Continuaremos a trabalhar na expansão da Mercadona em Portugal, na compra a fornecedores nacionais, a contratar, a colaborar com a sociedade onde estamos presentes e a laborar, diariamente, junto dos nossos Chefes, para oferecer produtos com a máxima qualidade.

 

Que mensagem gostaria de deixar aos nossos leitores?

Gostaria de realçar a importância da imprensa regional e de proximidade para a construção de uma sociedade mais informada. Este é um setor que tem sofrido muito nos últimos anos e a atual pandemia veio piorar ainda mais esta condição, pelo que faço um apelo à valorização deste setor e a todos os profissionais que dele fazem parte.