A explosão de 4 de Agosto no porto de Beirute pode ter sido provocada pelo efeito do calor extremo de Verão sobre uma quantidade avultada de nitrato de amónio a utilizar como fertilizante, no entanto, surgiu na devida altura para quem pretende tornar o Líbano ingovernável e não será difícil encontrar os interessados.

Além dos efeitos trágicos directos, a destruição do porto de Beirute priva o País das instalações que asseguravam 80% das importações, sobretudo de produtos alimentares e se a esta circunstância associarmos a bancarrota, a quebra de 32% da economia, os efeitos das sanções criminosas norte-americanas, ficamos com a imagem da fome a tomar conta do pequeno território já sobrecarregado com uma vaga de refugiados da guerra da Síria que fez aumentar a população em 25%.

A explosão pode ter sido um acidente, porém, só teremos certezas depois de ser decifrado o enigma da perfeita nuvem em forma de cogumelo que se posicionou na área do porto de Beirute naquele fatídico dia e na altura da explosão.

Existe neste território uma espécie de guerra fria, pois os Estados Unidos e Israel até ao momento não têm conseguido manipular o governo do Líbano para apoiar as estratégias contra o Irão e a Síria e até para obrigar Beirute a abandonar os seus legítimos direitos a recursos de gás natural em águas territoriais disputadas com Telavive.

A governação estado unidense tem apoiado todos os processos de desvalorização da lira libanesa, contribuído para a crise bancária e energética que têm desestabilizado o País e não deixa também de apoiar os protestos organizados segundo os métodos bem conhecidos com o objectivo de fragilizar e manietar o governo.

Relativamente à guerra ainda em curso na Síria, Sayyed Hassan Nasrallah, secretário-geral do Hezbollah, em maioria no governo libanês, denunciou a aliança entre Israel, Arábia Saudita, EUA e outras potências ocidentais para derrubar o governo de Bashar al-Assad, no entanto, considera que esse plano «já fracassou», pois existe a disposição expressa por vários países de retomar os laços diplomáticos com a Síria.

Por acaso ou não, os Estados Unidos concretizaram a saída do Plano Conjunto de Acção Global,

acordo nuclear subscrito em 2015 pelo Irão e pelo Grupo 5+1, os cinco membros com assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, EUA, Reino Unido, França, Rússia e China e ainda a Alemanha.

O armamento nuclear está, pois e de novo, na ordem do dia e de acordo com um comunicado da Federação dos Cientistas Americanos, existem no mundo cerca de 15 mil ogivas nucleares, 1800 das quais em estado de alerta máximo; do total 14 mil estão na posse de EUA e Rússia, as restantes estão em poder do Reino Unido (215), França (300), China (270), Índia (120), Paquistão (130), Israel (80) e República Popular Democrática da Coreia  (10).

Como sabemos, apenas os EUA utilizaram este tipo de armamento, mantendo actualmente armas nucleares espalhadas por todo o mundo, em bases militares e esquadras navais, revela o comunicado, explicando ainda que os Estados Unidos gastam mais nos seus arsenais do que os restantes oito países juntos e admitem a possibilidade de um ataque nuclear preventivo, mesmo contra países que não possuem armas nucleares.

Richard Silverstein, jornalista norte americano e perito nestas questões, não esconde o seu alinhamento político em favor de uma solução no Médio Oriente que compatibilize a existência dos estados de Israel e da Palestina, mas é um habitual crítico das posições de Telavive, sendo um jornalista com longo e extenso currículo na cobertura e no estudo académico destes assuntos, a quem grandes jornais norte-americanos como o New York Times ou o Los Angeles Times deram credibilidade suficiente para aceitar publicar artigos escritos por ele.

Feitos estes esclarecimentos, a ideia deste jornalista é de que esta explosão se deveu  a um ataque preparado pelos serviços secretos de Israel a um depósito de armas do Hezbollah, armazenadas num local do porto de Beirute, perto da zona onde estava o nitrato de potássio, provocando uma explosão que, involuntariamente, acabou por atingir o armazém onde se encontrava o produto químico.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com