A Associação Seniores de São Miguel organizou, no passado dia 6 de setembro, no Hotel Marina Atlântico, em Ponta Delgada, a apresentação da Campanha de Ajuda Militar Solidária promovida pelas Forças Armadas Portuguesas na Guiné-Bissau, que contou com a presença do almirante António Silva Ribeiro, chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, tenente-general Luís Morgado Baptista, Comandante Operacional dos Açores, Bernardo Brito e Abreu, assessor do presidente do Governo Regional, Cristina Canto Tavares, vereadora da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Mónica Silva, empresária e impulsionadora da iniciativa, entre inúmeros representantes de entidades civis e militares. No total, os micaelenses doaram 21 toneladas de livros e material escolar, que beneficiaram os alunos e professores deste país lusófono.

 

 

A apresentação da Campanha de Ajuda Militar Solidária, promovida pelas Forças Armadas Portugueses, na Guiné-Bissau, decorreu no passado dia 6 de setembro, Hotel Marina Atlântico, em Ponta Delgada, e foi organizada pela Associação Seniores de São Miguel. Durante a sessão, foi servido um chá, numa relação de proximidade e num clima de solidariedade, que contou com a presença do almirante António Silva Ribeiro, Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), tenente-general Luís Morgado Baptista, Comandante Operacional dos Açores, Luís Bernardo Brito e Abreu, assessor do presidente do Governo Regional, Cristina Canto Tavares, vereadora da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Mónica Silva, empresária e impulsionadora da iniciativa, entre inúmeros representantes de entidades civis e militares.

Na ocasião, Leonor Anahory, presidente da Associação Seniores de São Miguel (ASSM), agradeceu a todos os presentes, dirigindo uma palavra especial a Mónica Silva, empresária e detentora do Troféu AUDIÊNCIA Gastronomia & Lazer 2019, afirmando que “é o rosto desta campanha de solidariedade e de ajuda militar para a Guiné-Bissau” e, posteriormente, ao almirante António Silva Ribeiro expressando “o nosso apreço e gratidão, pelos serviços e proteção que prestam às populações, em geral, de uma forma próxima”.

Enaltecendo que foi com honra que a ASSM recebeu o Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas para apresentar a campanha, a dirigente associativa ressaltou que “esta minha voz, senhor almirante, é a voz de todos os presentes e dos ausentes, que, pelas diferentes circunstâncias não puderam estar aqui presentes, por isso eu lhe digo, apenas, um bem-haja às Forças Armadas Portuguesas, pelo bem que prestam”.

Neste seguimento, o almirante António Silva Ribeiro foi convidado a intervir, tendo usufruído do momento para agradecer a generosidade dos açorianos nesta campanha.

A Campanha de Ajuda Militar Solidária nasceu depois de o CEMGFA ter decidido realizar, em 2021, uma ação de cooperação civil e militar, associada à missão de treino portuguesa, a decorrer na Guiné-Bissau. “Esta missão visa a capacitação dos serviços de saúde, assim como recuperar os equipamentos de comunicação, criar um sistema de controlo da segurança marítima e da atividade ilegal da pesca, criar, também, uma unidade de polícia aérea, entre outros. Associado a esta missão de treino e na sequência de uma visita que eu fiz em novembro do ano passado, foi decidido realizar uma ação de cooperação civil militar (…) e foi neste contexto que nós lançamos esta campanha militar solidária para a Guiné-Bissau, que teve um sucesso extraordinário, aqui, nos Açores”.

Enfatizando o trabalho realizado pela proprietária da empresa “Ponto de Açúcar”, Mónica Silva, o almirante António Silva Ribeiro destacou que a galardoada com o Troféu AUDIÊNCIA Gastronomia & Lazer 2019 “arranjou-nos, aqui, na Ilha de São Miguel, 21 toneladas de livros, do 1º ao 6º ano de escolaridade, que foi aquilo que nos foi pedido. Estes livros já estão na Guiné-Bissau, mas a generosidade dos açorianos e, sobretudo, das pessoas, aqui, de São Miguel, que não se ficaram pelos livros, ou seja, arranjaram material escolar e outros bens, que fizeram a alegria das crianças e dos professores da Guiné-Bissau”.

Segundo o Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas, “mais de 60 entidades e instituições de São Miguel, assim como pessoas anónimas forneceram toneladas de livros e materiais”, como foi o caso das autarquias da Ribeira Grande e de Ponta Delgada, da Cooperativa de Ensino “A Colmeia”, do Colégio de São Francisco Xavier, da Escola Básica e Integrada de Rabo de Peixe, da Escola Básica e Integrada Gaspar Frutuoso, na Ribeira Grande, e da Casa do Povo do Pico da Pedra, entre muitas outras.

Evidenciando que foi uma missão muito importante, num país que enfrenta muitas dificuldades, o militar salientou que, na Guiné-Bissau, “não há livros para os meninos estudarem, como não há equipamentos de saúde nos hospitais e, sobretudo são os serviços de saúde da marinha e da força aérea que apoiam as populações à volta dos locais onde estão instaladas. Portanto, os serviços de saúde militares têm uma atividade de apoio, naquilo que é possível, às populações das áreas onde estão instalados. A miséria é algo indiscritível”.

O almirante António Silva Ribeiro explicou, ainda, o papel das Forças Armadas Portuguesas nestes países e de que forma é que contribuem para manter a paz e a tranquilidade. “Aquilo que as nossas Forças Armadas estão a fazer na Guiné-Bissau, está a alavancar, completamente, aquilo que são as relações políticas entre os dois países e, sobretudo, está a mostrar aos militares guineenses uma coisa que nós, em Portugal, sabemos muito bem, é que os militares existem para servir os cidadãos do seu país, seja no mar, no ar ou em terra, seja na paz ou na guerra, que estamos em paz, felizmente, e em paz temos de encontrar motivos para que aqueles militares da Guiné-Bissau ajudem as populações que servem”, sublinhou o CEMGFA.

No final do seu discurso, aconteceu uma troca de galardões. A Associação Seniores de São Miguel ofereceu ao Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas o livro “Ilhas Desconhecidas”, da autoria de Raul Brandão. Por outro lado, a instituição foi agraciada com o Brasão do Comando Operacional dos Açores.

Posteriormente, Luís Bernardo Brito e Abreu, assessor do presidente do Governo Regional, tomou a palavra, em representação de José Manuel Bolieiro, referindo, entre agradecimentos, que “é com muito orgulho que o Governo dos Açores participa, juntamente com as autarquias, com as escolas, bibliotecas, entidades públicas e privadas, assim com pessoas singulares que, com um enorme espírito solidário, lideraram esta dignificante missão de ajuda militar, que contou com a participação imprescindível, na região, do Comando Operacional dos Açores. Esta colaboração confere, aos Açores, um papel relevante”.

Também, Cristina Canto Tavares, vereadora da Câmara Municipal de Ponta Delgada, participou na apresentação da Campanha de Ajuda Militar Solidária, promovida pelas Forças Armadas Portuguesas, na Guiné-Bissau, afiançando que “é com grande satisfação, que constatamos o sentido solidário da população de Ponta Delgada e da Ilha de São Miguel, na missão encetada pelos militares portugueses, junto do povo guineense e que ouvimos, por parte do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, que seguiu desta região um contentor com 21 toneladas de manuais escolares do 1º ao 6º ano de escolaridade”.

Não escondendo a satisfação com o facto de a Câmara Municipal de Ponta Delgada ter sido parceira da iniciativa, a edil realçou a participação e as diligências solidárias da Associação Seniores de São Miguel na causa militar, frisando tratar-se de uma entidade que é apoiada pela autarquia, por força da “responsabilidade social que acompanha a sua ação”, assim como do “exemplo de cidadania que, a cada iniciativa realizada, presta à juventude açoriana”.