Sílvia Soares Boyer é natural do Porto mas vive já há 7 anos em Nova Iorque. Música, arte, poesia são algumas das suas paixões. Em entrevista com o AUDIÊNCIA, Sílvia fala sobre a sua infância, a mudança para Nova Iorque, as suas inspirações e o futuro.

Quem é Sílvia Soares Boyer?

Sou uma premiada artista e escritora portuguesa, natural do Porto, Portugal. Vivo em Nova Iorque, Estados Unidos da América. Sou criadora do projeto ART IN LOCO, Festival Internacional de Arte. Diretora executiva da New York Boyer Foundation. Desenvolvo trabalho como Modelo de figura humana, Comissária de Arte, Música e Artes Performativas. Como pintora, desde 1995, participei e realizei inúmeras exposições internacionais. Estou representada plasticamente em Portugal, Brasil, Japão, França, Bélgica, Espanha, Malásia, México, Itália, Reino Unido, EUA, Holanda, Canadá, Austrália, Alemanha, Finlândia, Rússia e Venezuela. Como escritora, sou  autora de ‘Raízes do Sentimento’ e ‘Da Mágoa ao Narcisismo’, também com poesias e contos inseridos em 12 antologias. Sou também membro de várias associações artísticas e culturais em Portugal e nos Estados Unidos da América.

Como foi a sua infância/adolescência em Gaia?

Foi rica em memórias e vivências que tocaram profundamente o meu mais íntimo e as experiências adquiridas foram fulcrais para o meu próprio crescimento. Eu fiz o meu ensino primário na Escola do Outeiro, em Oliveira do Douro e a minha transição de infância para adolescência foi bastante preenchida. Eu estudei,posteriormente, no Colégio do Trancoso e na Escola da Gervide. Fui admitida no Conservatório Regional de Gaia quando tinha onze anos para estudar piano. Paralelamente, eu tornei-me membro do Coral Juvenil de Gaia e através do coral fiz inúmeras digressões musicais entre Portugal e Espanha. Foi também na minha adolescência que comecei a escrever e a frequentar tertúlias de Poesia. Este viver intensamente foi crucial para o meu desenvolvimento e escolha para continuar os meus estudos em prol das Artes.

Quando é que apareceu a paixão pela arte?

Desde muito tenra idade que demonstrei uma profunda aptidão pelo mundo das artes. Era bastante nova quando tive o meu primeiro estojo de tintas e cerâmicas. Adorava criar formas, desenhar, pintar. Também tive oportunidade de explorar a minha criatividade através da música e da poesia. Eu comecei a estudar música na minha infância e tive a oportunidade de recitar poesia publicamente quando tinha seis anos de idade.

Música, Arte, Arquitetura, Cinema, Urbanismo e Desenho, qual a razão desta combinação?

Após obter o meu Diploma de Inglês e frequentar o curso de Artes Plásticas – Pintura na ESAP, novas oportunidades de enriquecerem o meu currículo surgiram em anos subsequentes. Eu alarguei os meus horizontes acadêmicos com Cinecittá- 2º ciclo de cinema e urbanismo da seção de planeamento do território e ambiente, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto;e Curso Desenho Científico da FBAUP.

E agora vive em Nova Iorque. Como é que surgiu a ideia de ir para lá?

O meu marido é um membro da nobreza norte-americana. Para além da sua vida como aristocrata, desenvolve uma ativa e prolífera carreira artística. Não só tivemos oportunidade de participar em algumas exposições em comum a nível internacional,como também exibiu na minha galeria, em Oliveira do Douro, em 2010 e 2011. O que começou como um mero convívio entre dois artistas, evoluiu para namoro. Tornou-se prioritário organizar a minha vida em Portugal para emigrar para os Estados Unidos da América, não só devido a questões pessoais como também profissionais.

Há quanto tempo está lá?

Eu emigrei no início de 2012. Já fez sete anos.

Foi difícil a adaptação?

Nem por isso. Eu quando cheguei ainda vim sob visa. Após casar em maio de 2012, tive de tratar de documentação com o consulado de Portugal aqui em Nova Iorque e burocracias relativas com o meu ”Green Card”. Mas a adaptação ocorreu de uma forma extraordinariamente natural. A oportunidade de começar a exibir a minha arte aqui também veio com muita brevidade.

E o que deixou para trás?

Os meus familiares mais próximos, que residem em Portugal Continental e ilha da Madeira e amigos muito chegados.

Já vão sete anos desde a mudança. Como é a vida em Nova Iorque?

A vida em Nova Iorque é fascinante! Quando penso em Nova Iorque, o primeiro pensamento que me vem à ideia é de que é a capital da Arte e Cultura mundiais. É um facto indubitável e, na minha atividade, faz-me estar extremamente envolvida. Aqui o artista sente e respira arte. A arte é a sua vida, é o seu pulsar. É como se estivessemos ativos e não alheios à sociedade que nos rodeia. Em geral, tem um leque muito variado em gastronomia, uma boa rede de transportes, uma extraordinária vida noturna. Tem um ambiente multi-cultural extremamente rico, com grandes locais e edifícios históricos e onde as comunidades são unidas. É uma cidade onde, com grande frequência, nos cruzamos com outra celebridade, seja ela outro artista plástico, um músico, um modelo, um actor, etc… Nova Iorque tem um custo de vida bastante elevado e onde os seguros de saúde e outros serviços podem ser bastantes dispendiosos., mas geralmente os Nova iorquinos são trabalhadores, práticos, as suas ações tornam-se muito mais dinâmicas e têm a capacidade de gerar decisões concretas em conformidade com os seus estratos sociais.

Como surgiu The New York Boyer Foundation?

 O meu marido e eu tínhamos a ambição de dar oportunidades no âmbito das Artes e da Cultura, não só para artistas a iniciar as suas carreiras, como também de solidificar as carreiras de artistas já com um nome reconhecido no mercado das Artes. Em fevereiro de 2015 tornou-se uma realidade.

Em que é que consiste?

 A New York Boyer Foundation, fundada em Soho, um dos bairros mais artísticos e cosmopolitas de Manhattan, em Nova Iorque, visa promover a educação e o interesse por todas as artes visuais e performativas. Através de parcerias, nós organizamos exposições, aulas e concursos; publicações literárias, leilões e feiras de arte, concertos musicais e atribuição de bolsas de estudo.

O que tem mais saudades do seu país e da sua terra?

Para além da minha família, penso na riqueza do património português e o quão sempre me impressionou. Imaginar que dois terços do mundo foi conquistado pelos portugueses é algo que me orgulha profundamente nas minhas origens lusas. As minhas saudades abraçam também os museus, o Fado, a gastronomia, as praias. Quando penso no Porto, na cidade que me viu nascer e segunda cidade do país, penso nas escolas que passei, na Livraria Lello, no Café Majestic, no Ateneu Comercial do Porto, no Museu de Serralves. Cada um me lembra de quando era estudante, ou estaria numa sessão de autógrafos, ou numa tertúlia de poesia, numa exposição de arte, ou até tocando piano. São memórias preciosas e, ainda que esteja do outro lado do Atlântico, moldaram a minha personalidade e fazem com que nunca me esqueça das minhas raízes. 

Já pensou em voltar de vez para Portugal?

 Não, nunca pensei. A minha vida pessoal com o meu amoroso e fantástico marido, a minha carreira e as responsabilidades inerentes não me permitem.

Uma vida de artista tem muitas barreiras?

Eu não considero difícil a vida de alguém que escolhe o mundo das artes. Existem contudo barreiras em termos de apoios a artistas,em determinadas nações do mundo, e o empenho e compromisso do próprio artista com a sua própria carreira. A vida de um artista, seja de que área for, pode ser deveras gratificante, mas o trabalho e dedicação deverá ser um retrato de extraordinário exemplo. De outro modo, não é possível triunfar com sucesso.

Como faz a comparação dos apoios e das oportunidades entre Nova Iorque e Portugal, relativamente ao mundo artístico?

O trilho que Nova Iorque percorreu até atingir este apogeu artístico ainda tem de ser percorrido por Portugal. Apesar de existir talento entre ambos, os apoios financeiros e o reconhecimento que existem aqui são diferentes do panorama português. As oportunidades existentes na ”Big Apple” funcionam como uma fonte inesgotável que encaminha o artista na sua carreira e o auxiliam a expandir, não só, nos EUA, mas também a nível internacional. Se imaginarmos um estado de ”nirvana” para um artista, os fatores de excelência artística, reconhecimento e estabilidade financeira estão de mãos dadas. Eu creio que é extremamente importante analisar o    estado das artes em Portugal e criar políticas culturais para apoio das mesmas. É também crucial que exista um percurso de sensibilização dos portugueses para a arte. A sociedade tem de moldar o seu nível de entendimento para fechar lacunas que possam prejudicar o trabalho, a dedicação e a sobrevivência do artista.

.

Como surge a sua inspiração?

A minha inspiração provém do que me estimula. Os meus sentidos mais íntimos que enchem a mente, purificando a alma e enobrecendo o coração. Eu sou a artista que cultiva e transmite o belo. O meu trabalho toma o lado da vida onde a beleza, a felicidade e a arte se unem. Esta simbiose perfeita para voar no espaço e sonhar no tempo é como uma peregrinação de várias artes, tendo, por um lado, o domínio da figura humana e, por outro lado, a influência de sociedades secretas como a Franco-Maçonaria, a Ordem dos Templários ou o Rosacrucianismo.

O que gosta de retratar?

Eu tenho uma paixão pela figura humana e um grande interesse em sociedades secretas. Essencialmente trabalho com três séries: Picassianus, Pandora e Franco-Maçonaria. Por vezes, restrinjo a minha arte a série inerente mas, dependendo do objectivo final, por vezes, misturo a beleza da figura humana com a riqueza simbólica encontrada em sociedades secretas.

Leva sempre consigo papel e lápis, para desenhar onde for?

É uma constante. Não existe um único dia que não trago comigo papel e lápis. Faz-me voltar no tempo duas décadas quando era estudante na ESAP e eu e os meus colegas éramos de facto avaliados também pelos desenhos nos nossos cadernos de esboço.

Quais os próximos desafios para o futuro?

A minha arte compreende diversas vertentes. Os próximos desafios passam por continuar a prosseguir na minha carreira com as minhas exposições, concertos. Também pretendo aumentar os projetos e expandir conexões com a minha fundação.

Que sonhos ainda tem para concretizar?

Eu estou presentemente a trabalhar para um sonho que tenho para concretizar.  Estou a tirar um curso de produção de televisão nos Estúdios MNN. Ter o meu próprio programa de televisão foi sempre um dos meus sonhos.

Qual o seu lema de vida?

 O meu lema de vida passa por cultivar os nobres sentimentos de Paz e Amor em meu redor, enaltecendo a Arte como linguagem universal.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com