A Câmara Municipal de Ponta Delgada está a preparar o “Balcão da Inclusão”, um instrumento que visa a informação e mediação especializada e acessível às pessoas com deficiência e/ou incapacidade, que será operacionalizado em breve. O anúncio deste novo serviço foi realizado por Cristina Canto Tavares, vereadora da autarquia, nas comemorações do 27º aniversário da Delegação dos Açores da Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO).

 

 

 

Assumindo-se como sendo pioneira nos Açores, o município de Ponta Delgada vai avançar com o “Balcão da Inclusão”, um instrumento que visa a informação e mediação especializada e acessível às pessoas com deficiência e/ou incapacidade, às suas famílias, organizações e outros que, direta ou indiretamente, intervêm nesta área, que será implementado em breve.

O anúncio foi feito pela vereadora da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Cristina Canto Tavares, nas comemorações do 27º aniversário da Delegação dos Açores da Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO).

Elogiando o “excelente trabalho que a ACAPO tem desenvolvido” ao longo de 27 anos, a edil referiu que “a Câmara Municipal de Ponta Delgada está, como sempre esteve, disponível para vos apoiar. É um orgulho, para a nossa autarquia, ser parceira efetiva da ACAPO Açores. Temos caminhado juntos, no que às necessidades dos cegos e amblíopes dizem respeito e, assim, vamos continuar”.

Cristina Canto Tavares, sublinhou, ainda, que “o trabalho que a ACAPO realiza há 27 anos é meritório, porque é inclusivo. Louvamos as vossas iniciativas com vista a melhorarmos a inclusão dos cegos e amblíopes”, adiantando que “apesar de ainda existirem muitas barreiras, tantas já foram derrubadas e muitas temos, ainda, para derrubar. Com a nossa parceria, vamos conseguir criar uma cidade mais acessível, para os portadores de deficiência, mesmo confrontados com uma cidade antiga, com as contingências que daí advêm”.

Por outro lado, o presidente da ACAPO, Pedro Resendes, agradeceu o apoio da autarquia e aproveitou a oportunidade para pedir um minuto de silêncio, em memória das vítimas mortais da guerra na Ucrânia, e um aplauso para todos aqueles que conseguiram fugir deste flagelo.