Antes de desvendarmos da solução de autor do enigma que constituiu a prova nº 2 do torneio “Solução à Vista!” e a sua classificação atual, quando estão cumpridos todos os processos a ela relativos, publicamos a conclusão do enigma de Rigor Mortis, que constitui a prova nº 3.

 

TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!”

Prova nº. 3

“A Noite da Morte de Túlio Lavandas”, de Rigor Mortis

II – Parte (conclusão)

Só por volta das cinco e meia da manhã é que os agentes da Polícia puderam trazer até à VarEstra a mulher e o irmão de Túlio Lavandas. O corpo já tinha sido levado para a morgue, onde seria autopsiado, mas João Velhote continuava lá, aproveitando a oportunidade para longos interrogatórios ao Luís Miguel e ao subchefe da segurança da VarEstra.

Pelo primeiro ficou a conhecer a excelente situação financeira da VarEstra, mas também pormenores sobre a tumultuosa relação conjugal do seu presidente executivo. Interrogou o subchefe da segurança da empresa sobre o circuito de vídeo vigilância. Era muito sofisticado, mas, como qualquer sistema do género, tinha deficiências resultantes da configuração do próprio edifício – colunas, esquinas apertadas e escadas interiores estreitas eram sempre um problema complicado. As múltiplas entradas nos armazéns, nas traseiras do edifício, eram outro problema difícil de resolver. O andar da administração da empresa, último piso do edifício, não tinha qualquer câmara. Nada que João Velhote não tivesse visto em muitos outros locais.

Velhote dirigiu-lhes as primeiras perguntas:

– A senhora é, suponho, a esposa do doutor Túlio Lavandas. Ao que julgo saber, teria sobejas razões para estar desencantada com o seu marido… Por que não se divorciou?

Márcia Lavandas, fisicamente frágil, mas atraente e elegante, mostrava-se muito cansada e angustiada. As rugas vincavam-lhe a testa, os lábios estavam apertados, os cantos da boca puxados para baixo.

– Muita gente sabe que o tentei várias vezes, mas o Túlio nunca se mostrou disposto a tal. – A sua voz, ainda que bem modulada, era rouca e as palavras pareciam sair com dificuldade.

– Esteve aqui esta noite, não foi?

– Sim… Pouco depois da meia-noite. Ao jantar, numa festa de aniversário de um amigo, soube pelo Luís Miguel, que também lá estava, que o Túlio estava a trabalhar na empresa e resolvi vir para o tentar convencer, se possível definitivamente, a aceitar o divórcio. Quando entrei no gabinete… – a voz embargou-se – encontrei-o ali… – apontou para a secretária – morto… Fiquei sem saber o que fazer… Acabei por me ir logo embora… E ir a pé para casa…

– E você é o único irmão do Túlio Lavandas, não é? – A pergunta foi dirigida a Silvino Lavandas, alto, musculado e seco de carnes, com as vestes algo desalinhadas. – Dez anos mais novo, amigo da farra e jogador inveterado, certo? Também aqui esteve esta noite, não foi? A que propósito?

– Sim… – Silvino hesitou um par de segundos antes de responder. – Vim de facto aqui à VarEstra, para falar mais uma vez ao Túlio e para o convencer a dar-me a minha parte da herança dos nossos pais. Preciso desse dinheiro…

– Entrei pouco depois da meia-noite e meia. E encontrei aqui o Túlio morto, sobre a secretária, com um tiro na cabeça. Obviamente, dei meia-volta e tornei a sair. Fui até um bar e por lá fiquei um par de horas, até voltar para casa. Não fui eu que matou o Túlio! – A última frase foi pronunciada num jato, eivado de raiva, ainda que se pudesse notar um leve tom de satisfação.

 

O DESAFIO AO LEITOR

Caro leitor, qual é a sua ideia? Será que João Velhote está enganado e que se tratou de facto de um suicídio? Se foi um assassinato, quem foi o assassino? Alinhe as suas deduções e descreva o que poderá ter ocorrido na noite da morte de Túlio Lavandas. A proposta de solução deve ser enviada através do email salvadorpereirasantos@hotmail.com, impreterivelmente até 10 de novembro, acompanhada da pontuação atribuída ao enigma que constitui a prova nº. 2 (“Mataram o Mau-Diabo”, de Detetive Ynpru Sedent), cuja “solução oficial” se publica de seguida.

 

TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!”

Solução da Prova nº. 2

“Mataram o Mau-Diabo”, de Detetive Ynpru Sedent

Resposta certa:

Alínea d) Outro antigo companheiro de quem o narrador não fala, não convidado, por o Silva da Selva ser, naquele tempo, o melhor da turma, em vez de dele, claro.

Não nos dando os depoimentos dos suspeitos dados suficientes para os acusar, o malogrado Silva da Selva foi atingido pelo não convidado, com um tiro feito com silenciador quando a vítima lhe estendera a mão para o cumprimentar.

 

Nota do orientador da secção: são quatro as hipóteses de autor do crime colocadas pelo Detetive Ynpru Sedent, deixando de fora uma das personagens nomeadas (Mi) e apontando como suspeito um outro antigo companheiro da vítima não incluído nas personagens nomeadas. Este facto devia ter alertado os nossos “detetives”, mas a verdade é que ele foi desvalorizado pela esmagadora maioria, apesar de os depoimentos recolhidos pelo Chefe Gazua e seus parceiros de investigação não apresentarem indícios suficientemente fortes de autoria de crime das pessoas ouvidas. Esta situação não escapou, porém, ao “faro detetivesco” de uma minoria de concorrentes, que, assim, conquistam pontos preciosos. Mas nem tudo está perdido para os restantes, que se dividiram pelas outras três hipóteses de resposta. Ainda estamos no início. Há muitas provas pela frente…

 

TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!”

PONTUAÇÓES / CLASSIFICAÇÃO ATUAL (2ª. PROVA)

1ºs. Búfalos Associados (10+13) e Detetive Jeremias (12+11): 23 pontos;

3º. Inspetor Gigas (10+12): 22 pontos;

. Paulo (13+8): 21 pontos;

5ºs. Dona Sopas, Holmes, Inspetor Moscardo, Inspetor Mucaba, Ma(r)ta Hari, Moura Encantada, Oluap Snitram, Os Mosqueteiros e Zé de Mafamude (10+10): 20 pontos;

14ºs. Da Vinci: (11+8) e Pena Cova (9+10): 19 pontos;

16ºs. Abrótea, Agata Cristas, Amiga Rola, Arc Anjo, Beira-Rio, Bernie Leceiro, Bota Abaixo, Broa de Avintes, Charadista, Detetive Bruno, Dragão de Santo Ovídio, Elisa Bethy, Faina do Mar, Haka Crimes, Inspetor Guimarães, Inspetor Madeira, Inspetor Mostarda, Mancha Negra, Mário Gomes, Martelo, Menino Lucas, Mosca, Mosca Morta, Mula Velha, O Madeirense, Pedro Miguel, Pim-Pim Leite, Príncipe da Madalena, Solidário, Talismã, Tó Fadista e Visconde das Devesas (10+8): 18 pontos;

48ºs. Anónimo, Chico da Afurada e Mascarilha (9+8): 17 pontos;

51ºs. Carlota Joaquina, Pequeno Simão, Santinho da Ladeira e Zurrapa Verde (8+8): 16 pontos;

55ºs. Detetive Vasofe, Necas e Vitinho (7+8): 15 pontos.

 

CONCURSO “MÃOS À ESCRITA!”

PONTUAÇÃO – 1ª. PROVA

O concurso “Mãos à Escrita!” tem já um enigma pontuado: “Que 31 Policiário”, de Aliby, que constituiu a 1ª Prova do torneio “Solução à Vista!”, recolheu uma média de 6,00 pontos.