A Escola Básica de São Paio, em Canidelo, assinalou simbolicamente, no passado dia 20 de setembro, o início do ano letivo 2022/2023 com uma visita às suas instalações, durante a qual Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, assim como o restante executivo, presidentes de Junta e representantes de entidades civis e militares deram as boas-vindas à comunidade educativa, desta vez sem restrições relacionadas com a pandemia e escutaram os anseios e ambições deste estabelecimento de ensino.

 

Depois de ter sido alvo de algumas obras de requalificação, a Escola Básica de São Paio, do Agrupamento de Escolas D. Pedro I, em Canidelo, recebeu, no passado dia 20 de setembro, Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, assim como o restante executivo, presidentes de Junta e representantes de entidades civis e militares, no âmbito de uma visita que assinalou, simbolicamente, o início do ano letivo no concelho.

Assim que chegou a este estabelecimento de ensino, o edil foi recebido por uma turma do 4º ano de escolaridade que, em nome dos 220 alunos desta estrutura, agradeceu à autarquia as intervenções realizadas nos últimos anos, nomeadamente as obras dos espaços exteriores, construção de uma nova cozinha, insonorização da sala comum, aproveitamento de espaço para criação de armários para arrumos e construção de um novo acesso para pessoas com mobilidade reduzia ou condicionada, para além da remoção das coberturas em amianto, que foi realizada em todas as escolas do 1º ciclo do concelho e representou um investimento na ordem dos 8 milhões de euros. Posteriormente, decorreu a visita às instalações, durante a qual foram escutados os anseios e ambições da comunidade escolar. “Nós temos 108 escolas do 1º ciclo no município e agora com a descentralização acrescentaram-se mais 50, que passaram para a nossa tutela. A Escola de São Paio é uma das muitas em reabilitação e fazemos este esforço, numa lógica de que tem de ser sempre uma reabilitação faseada, porque não temos condições para encerrar escolas para uma reabilitação integral”, salientou o autarca, sublinhando que, para breve, está a criação de um parque infantil, “um processo mais moroso, uma vez que se trata de um procedimento de aquisição de vários equipamentos similares, para todo o concelho”.

Garantindo que “temos o compromisso de arrancar para a segunda fase das intervenções, que já dizem respeito às salas de aula, tendo em vista realizarmos um trabalho uniforme”, Eduardo Vítor Rodrigues revelou que, neste caso, “o que fazia sentido era nós termos capacidade de desmobilizar a escola, fazer a intervenção de raiz e deixar a escola totalmente pronta, mas isso não é possível”.

O presidente da Câmara Municipal de Gaia ressaltou, ainda, que “este ano, em particular, arrancamos o ano letivo com um novo desafio, o da descentralização e aos  50 estabelecimentos de ensino somam-se mais 1300 funcionários, que passaram para a jurisdição da Câmara Municipal e, portanto, é todo um mega trabalho que foi preparado de uma forma hiper competente e super dedicada, por parte dos nossos serviços municipais e do pelouro da Educação, porque este é o primeiro ano e nós queríamos muito que as coisas corressem bem”, lembrando “o esfoço complementar aos apoios que, em muitos casos, são únicos no país, como os pequenos-almoços e lanches gratuitos nas nossas escolas todas do 1º ciclo e pré-escolar, o apoio às famílias no início do ano letivo, os passes gratuitos até aos 23 anos, abrangendo alunos do ensino universitário e fazendo isto de uma forma que é muito clara e universal”.

Assegurando que “temos a situação dos funcionários completamente estabilizada e, desse ponto de vista, o ano letivo começou com uma paz que não existia”, o edil enalteceu que “todos os dias há desafios e este em particular orgulha-nos muito, porque nós percebemos, aqui, uma combinação do trabalho tradicional das escolas com um trabalho absolutamente extraordinário, que é feito em parceria com a nossa Cercigaia na área da deficiência, do autismo e da multideficiência e esta escola, em concreto, é absolutamente exemplar do ponto de vista da integração e merece toda a atenção”.

Também, António Furtado Duarte, presidente do Agrupamento de Escolas D. Pedro I, fez questão de marcar presença nesta iniciativa e de destacar, em entrevista exclusiva ao AUDIÊNCIA, “a importância fundamental de acompanharmos uma obra, que ainda está a decorrer, pois é relevante dotar os equipamentos de educação de condições, para que os alunos possam aprender com qualidade”, asseverando que “o espaço envolvente e o espaço interior ajudam e contribuem para que haja melhoria na aprendizagem e os alunos possam explorar o seu mundo imaginário e de fantasia e aprofundar, também, a sua própria cultura, conhecimentos e competências. Este é o caminho para termos uma educação de qualidade e de sucesso”.

Neste seguimento, Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas e presidente da Junta de Freguesia de Oliveira do Douro, afiançou, a este órgão de comunicação social, que “as perspetivas são positivas para este estabelecimento e para a educação em Gaia. Nós temos a sorte de ter um presidente de Câmara que é professor e apoia a educação inclusiva em Gaia e isso, para nós, é um descanso. Acho que estão reunidos todos os condimentos, para que o ano letivo decorra na perfeita normalidade e é isso o que nós queremos”.

Por conseguinte, Afonso Pereira, diretor da Cercigaia, sustentou que “todas as visitas são boas e esta foi extremamente relevante, para que vissem, no terreno, as dificuldades que nós temos. Por outro lado, criamos, mais uma vez, a semente para que comecem a andar para a frente e nos ajudem o mais possível, porque temos muita gente à espera de auxílio”, evidenciando que “eu acredito cada vez mais que as coisas se vão concretizar, para que consigamos ajudar cada vez mais pessoas”.