O Rotary Club Gaia-Sul comemorou o seu 32º aniversário com a atribuição do Prémio Helena Sá e Costa a Tomás Matinho, que foi o melhor aluno da Academia de Música de Vilar do Paraíso, assim como de cinco reconhecimentos Paul Harris, no seguimento dos donativos, que perfizeram o valor de cinco mil dólares, em prol dos refugiados ucranianos. Esta celebração, que decorreu no Restaurante do El Corte Inglés Gaia-Porto, contou com a presença de inúmeros companheiros, oriundos dos clubes rotários de Vila Nova de Gaia, Ermesinde, Esposende, Feira e Vila do Conde.

 

 

A celebração do 32º aniversário do Rotary Club Gaia-Sul lembrou a história e a importância desta instituição, durante um célebre jantar, que se realizou no passado dia 17 de maio, no Restaurante do El Corte Inglés Gaia-Porto.

Contrariamente ao que se sucede habitualmente, não foi Margarida Marques, presidente em exercício do Rotary Club Gaia-Sul, quem conduziu a sessão, uma vez que não pôde estar presente, por motivos de saúde. Assim, a cerimónia foi presidida por Germano Rocha, cofundador desta instituição, que aproveitou a ocasião para enaltecer a importância do Prémio Helena Sá e Costa, que foi atribuído, durante esta comemoração, a Tiago Martinho, da Academia de Música de Vilar do Paraíso, pelo mérito excecional. “O companheiro Alfredo Jorge Moreira decidiu instituir, há 22 anos atrás, o Prémio Helena Sá e Costa que, de alguma forma, bonifica o mérito dos alunos da Academia de Música de Vilar do Paraíso”, salientou o presidente em exercício neste aniversário.

Por conseguinte, foi o companheiro Alfredo Jorge Moreira quem tomou a palavra, afirmando que “para mim é um prazer falar sobre este prémio, cuja instituição foi aprovada pelo clube, por unanimidade” e destacando que “a Academia de Música de Vilar do Paraíso é uma instituição de referência no ensino da música. (…) Nós já tivemos premiados nos mais diversos instrumentos. (…) Este ano, o premiado é o Tomás Martinho, que está, aqui, connosco, juntamente com a sua família e o diretor pedagógico da Academia de Música de Vilar do Paraíso, Gonçalo Pires Morais, ele próprio um mestre na guitarra e vencedor do Prémio Helena Sá e Costa”.

Neste seguimento, o professor Gonçalo Pires Morais foi convidado a intervir, um momento no qual aproveitou para parabenizar o Rotary Club Gaia-Sul “por apoiar estas causas e por não se esquecer da cultura. Posso dizer-vos, ainda, que este prémio é um marco, já, na história da nossa casa. Eu passei por ele, enquanto estudante, e agora, enquanto professor, e é bom ver os alunos com vontade de ganharem esta distinção. Claro que, um concurso tem sempre a parte ingrata de que tem de existir um vencedor, mas quero deixar uma palavra, também, a todos os que participaram e se esforçaram”.

Após a atribuição do Prémio Helena Sá e Costa ao jovem saxofonista, que brindou os presentes com um momento musical, Germano Rocha procedeu à atribuição dos galardões Paul Harris, pedindo a José Neves que fizesse a apresentação dos títulos. “Quando nós atribuímos um título Paul Harris, significa a doação, para a nossa Fundação Rotary Internacional, de 1000 dólares e, este ano foram realizados bastantes donativos, cujos montantes foram distribuídos para os refugiados da Ucrânia e para as suas necessidades, que são imensas e nós conseguimos, com uma pequenina parte, fazer chegar a eles o nosso reconhecimento e agradecimento, pela coragem que nos têm demonstrado. Nós atribuímos cinco Paul Harris, o que significou o donativo de 5000 dólares”, ressaltou o companheiro.

Assim, o Rotary Club Gaia-Sul distinguiu, com o título Paul Harris, os rotários José Pereira, Jorge Soares, Margarida Marques e Nuno Mota Soares, assim como Flávia Alves Soares, esposa do companheiro Jorge Soares, porque, segundo o presidente em exercício, “não sendo companheira do clube, tem tido, e temos de reconhecer, muito trabalho, dedicação, empenho, disponibilidade e colaboração permanente com o mesmo. É daquelas pessoas que não é do clube, mas é rotária do coração e que dá de si, sem pensar em si”.

No final das condecorações, Mercês Ferreira, presidente do Rotary Club de Vila Nova de Gaia, padrinho do Rotary Club Gaia-Sul, fez questão de intervir, parabenizando esta instituição, “por mais um ano de trabalho em comum, em conjunto, em prol da paz e de todas as causas, que o movimento rotário defende. Portanto, parabéns e esperamos que, este ano, se reflita com muitas ações, objetivos coletivos e muitas pessoas, num movimento a crescer”.