Os Santeiros de São Mamede do Coronado foram eleitos pelo público e conquistaram um lugar entre as 7 Maravilhas da Cultura Popular. O anúncio dos vitoriosos foi realizado durante a Grande Final do concurso da RTP, que decorreu no passado dia 5 de setembro, num programa transmitido em direto de Bragança. Sérgio Humberto, presidente da Câmara Municipal da Trofa, falou, em conversa com o AUDIÊNCIA, sobre esta noite, que encheu o município trofense de orgulho e de emoção.

 

 

Entre 504 candidaturas e várias etapas de eliminação, os Santeiros de São Mamede do Coronado, da Trofa, foram, no passado dia 5 de setembro, em representação do distrito do Porto, eleitos uma das 7 Maravilhas da Cultura Popular, a par do Bailinho da Madeira, das Festas em Honra de Nossa Senhora dos Remédios (Lamego), do Criptojudaísmo de Belmonte (Castelo Branco), da Romaria de São João D’Arga (Caminha), da Romaria de São Bartolomeu (Ponte da Barca) e do Colete Encarnado (Vila Franca de Xira).

A Grande Final das 7 Maravilhas da Cultura Popular foi transmitida num programa da RTP1, em direto de Bragança, através do qual foi possível acompanharmos os Santeiros de São Mamede do Coronado, que foram representados pelo artesão Augusto Ferreira, bem como pelo padrinho da candidatura, professor José Manuel Thedim, e que, durante a emissão da tarde, ocuparam de forma quase de forma constante o primeiro lugar da tabela de votos. Contudo, o anúncio dos vitoriosos e a notícia de que os Santeiros trofenses tinham sido eleitos uma das 7 Maravilhas da Cultura Popular foi realizada após a meia-noite.

Neste seguimento, o presidente da Câmara Municipal da Trofa, Sérgio Humberto, subiu ao palco, em representação da autarquia e da entidade promotora da candidatura, para receber o troféu vencedor, aproveitando a ocasião para agradecer “a todos os trofenses, a todos os que, em Portugal e no mundo, votaram neste património, à equipa da Câmara Municipal da Trofa, que entre mais de 500 candidaturas tornou isto possível. Ao nosso padrinho, o Professor Manuel Thedim, ao nosso santeiro Augusto Ferreira, ao vereador da Cultura, Renato Pinto Ribeiro, e a todos os Santeiros que deixaram este legado”.

Relativamente à conquista, que deixou os trofenses repletos de orgulho e de emoção, o autarca sublinhou ao AUDIÊNCIA que “sentimos, todos os que estávamos em Bragança, e todos os que estavam em casa a seguir a emissão em direto, os trofenses, os amigos da Trofa e acredito, todos os devotos de Nossa Senhora de Fátima, uma emoção indescritível. Um orgulho imenso no nosso património, que é valiosíssimo, uma felicidade incalculável por ver finalmente esta arte reconhecida, a nível nacional e internacional e por conseguirmos «oferecer» esta grande conquista a todos os nossos Santeiros que ainda trabalham esta arte, com tanta mestria e tanto amor”.

A Arte Sacra que se faz no município da Trofa é centenária e tem levado longe o nome do concelho. O exemplo máximo desta arte é a Imagem de Nossa Senhora de Fátima, que está na Capelinha das Aparições, no Santuário de Fátima, e que é visitada por milhões de crentes todos os anos, assim como a Virgem Peregrina, que já percorreu o mundo, ambas criadas pelo Mestre Santeiro José Ferreira Thedim, em 1920.

“Esta vitória representa o reconhecimento justo e necessário da nossa arte sacra, que é já centenária, mas que merecia ser conhecida pela generalidade dos portugueses e que merece destaque e respeito como um ofício que revela e enriquece a nossa identidade. Representa também, por isso, um marco histórico no trabalho de proteção e de preservação da arte sacra, um trabalho que temos desenvolvido desde 2013. Empenhados na preservação desta herança cultural, distinguimos em 2015 todos os Santeiros em atividade, com a medalha de Mérito Cultural, Grau Ouro, e inscrevemos também esta memória coletiva, no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. Já em 2017, e no seguimento de outras ações que têm sido desenvolvidas, editamos a publicação «A produção de Arte Sacra do Vale do Coronado» e organizamos um seminário dedicado a esta mesma temática. Em paralelo, adquirimos as coleções da oficina Stúdio Nossa Senhora de Fátima e do autor da Imagem de Nossa Senhora de Fátima, José Ferreira Thedim. E este ano de 2020, fica marcado pela nossa vitória na fase distrital do programa das 7 Maravilhas da Cultura Popular”, o presidente da Câmara Municipal da Trofa.

Depois da consagração com o reconhecimento do Selo de 7 Maravilhas da Cultura Popular, a Câmara Municipal da Trofa garantiu que pretende continuar a apostar nesta que é uma das suas mais fortes matrizes identitárias. “Tenho a certeza de que esta chancela vai marcar a diferença, porque este reconhecimento é meritório e há muito que a arte sacra do Vale do Coronado merecia ser uma das Maravilhas de Portugal. Já o era há muito, pela beleza dos trabalhos produzidos, pela especialidade e complexidade das técnicas utilizadas, pelos materiais nobres adotados e pela sabedoria dos mestres que a põem em prática”, explicou Sérgio Humberto, ressaltando que “os Santeiros de São Mamede do Coronado são uma marca trofense. É com muito orgulho que vemos esta arte reconhecida, mas queremos que este reconhecimento não se perca. Temos muitos projetos associados ao trabalho dos mestres santeiros para levar a cabo”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com