Esta edição é exclusivamente preenchida com a continuação da publicação do conto vencedor do nosso Concurso “Um Caso Policial em Gaia”.

Na primeira parte, publicada na última edição, ficámos a saber que o inspetor Carreira acabara de chegar a Gaia atrás de uma pista relacionada com alguns indivíduos que haviam escapado às malhas da justiça num caso de grandes repercussões ocorrido em Lisboa, que foi dado como encerrado. Durante a noite avistara um sujeito no miradouro do Mosteiro da Serra do Pilar, que gesticulava exageradamente em direção ao rio Douro, onde um barco manobrava tentando uma acostagem ao cais, enquanto falava ao telemóvel, comportamento que lhe pareceu estranho e aguçou o seu espírito de polícia.

Sol de Inverno, de Luís Pessoa
II – Parte

Logo pela madrugada, depois da noite não dormida, [Carreira] ligou ao Farinha, para saber novas de Lisboa e apanhou-o ensonado. Não havia notícias.
– Carreira, como vai a Vera? E os miúdos?
– Tudo bem, tudo calmo, agora. Estão em casa. Férias…
– Queres que vá ter com eles? Precisas de alguma coisa?
– Não, não, Farinha. Está tudo bem, vou contactando e daqui a uns dias já devo estar de volta, não te incomodes. Se houver alguma coisa digo-te e a Vera sabe que se precisar pode ligar-te. Obrigado, amigo!
Depois de desligar a chamada, pensou que dentro de dias começava um ano novo e queria estar já despachado deste caso…

– Ó “ti S’talo, dê-me aí um copo de três…
– Ó senhor Carreira, é para já… e com tampa!
Era uma particularidade daquela tasca, o velho galego há décadas no bairro, naquele mesmo local, por onde Carreira passava a caminho de casa. A tampa era uma bolacha de água e sal, com que tapava o copo. Depois, eram uns dedos de conversa, mais um copo e ficava a par das novidades do bairro…
– Senhor Inspetor, o carro está pronto.
– Obrigado, Sequeira, vou já…

A paragem era no Senhor da Pedra, uma capela “plantada” em plena praia, mesmo junto ao mar e rodeada de rochedos protetores. Um ponto de paragem quase obrigatório e por isso havia autocarros de turismo em quantidade centenas de novos peregrinos, chamemos-lhe assim, de mochilas às costas, alguns com bonés coloridos, como formigas em fila, para a capela e vindo dela. Alguns grupos paravam à porta, enquanto outros faziam as orações lá dentro.

Carreira dispensou o Sequeira. Resolveu ficar por ali, apesar do frio intenso. O dia estava bonito, o céu limpo e o sol brilhante, apesar de não aquecer.

No areal, alguns miúdos jogavam à bola, aproveitando os derradeiros dias de férias e Carreira recordava os raros momentos em que o trabalho abrandava e ia com os filhos até ao relvado da Torre de Belém dar uns pontapés na bola, em dias como este, frios e bonitos…

Perdeu o olhar na imensidão do mar e do céu azul, distraído, até que uma voz lhe chamou a atenção. Já a ouvira em algum lugar, mas não conseguia reconhecer, até baixar o olhar e ver, na fila formada à sua frente, o rosto conhecido do homem que fizera o espetáculo de som e gesto na Serra do Pilar, no dia anterior. Era curioso reencontrá-lo ali, num grupo numeroso, para visitar um monumento que ele devia conhecer, a avaliar pelo modo como “orientou” a manobra de atracagem do barco.

Seguiu com o olhar o evoluir do grupo, até desaparecer no interior da capela. Outro grupo ficou à porta, esperando a vez. Passados alguns minutos começaram a sair, enquanto os que esperavam se aprestavam para entrar. Carreira olhava de frente cada um dos homens, procurando aquele que já considerava o seu “Amigo da Serra”, mas ele não passou.

– Deve ter ficado lá mais um bocado – pensou.
Mas foram entrando e saindo pessoas sem que o homem reaparecesse. Longos minutos de espera, com alguma expectativa à mistura, mas do homem, nem sinal!
Carreira decidiu entrar também, para ver onde ele poderia estar. Não conhecia a capela, não sabia quantas portas tinha, mas uma coisa era certa, apenas se poderia retornar dela pelo areal, porque em toda a restante volta, havia rochedos e mar revolto. E não havia maneira de sair dali, fora do seu alcance visual. Por isso, esperou mais algum tempo.

Já bastante intrigado, juntou-se a meia dúzia de pessoas e entrou com elas. Rapidamente chegou à conclusão que o homem não estava lá nem se cruzara com ele. Em resumo, esfumara-se lá dentro! Na sua cabeça, algo começava a tomar forma. E se não fosse só aquele homem que não regressou, mas todos os que entraram com ele, substituídos por outros que já lá estivessem?

– Carreira, lá estás tu a maquinar coisas… Essa mania de imaginares mistério em tudo… – sorriu com o seu próprio comentário, que não disfarçava que estava mesmo intrigado.
Decidiu ficar mais umas horas, até ao anoitecer, quando as pessoas fossem embora e a capela ficasse entregue definitivamente ao seu mistério.

Com o ocaso, o frio viu reforçado o seu poder e Carreira já lamentava não ter trazido um agasalho mais forte. O vento soprava, gélido e cortante, o que fez com que se refugiasse na capela. Não havia vivalma e Carreira iniciou a busca, pedra a pedra, laje a laje, objeto a objeto. Notou que ao apoiar-se no altar, parecia haver uma pequena oscilação.

Olhando com mais pormenor, notou que havia uma pequena fissura no chão. A luz ia-se perdendo e Carreira lamentou não se ter munido de uma lanterna capaz, tinha de usar o velhinho telemóvel, que tinha a fama de só trabalhar quando queria e já fazia parte do anedotário da corporação.

Procurou rodar o altar, para a direita, para a esquerda, carregar, nada. Não havia qualquer movimento.
Com a mão percorreu toda a área, sem notar nenhuma modificação, mas quando deu um passo para o lado direito, sentiu que o sapato encontrou uma aspereza, uma protuberância, entre duas lajes. Procurou com a mão, percorreu a junção e deu com uma espécie de alavanca minúscula. Notara que havia uma folga, que permitia que se movesse. Assim fez, para a direita, para a esquerda, pressionou-a. Sem qualquer resultado.

Estava prestes a desistir, fez mais umas tentativas enquanto se apoiava no altar para se erguer e foi então que quase se estatelou quando este começou a mover-se, silenciosamente, deixando a descoberto uma escadaria que se perdia na escuridão!

– Ah! – ouviu-se exclamar como se tivesse descoberto aquilo que há muito procurava – então o meu “Amigo da Serra” não se perdeu no ar, mas nas entranhas da terra!
A sua excitação perante uma perspetiva de nova investigação, apenas foi travada pela larga experiência que lhe ditava ao ouvido que devia ser prudente.

– Carreira, acalma-te, vai lá fora aos vendedores ambulantes e compra uma boa lanterna e pilhas com fartura e depois lança-te pela terra dentro… – sorriu, imaginando um anjinho virginal a dar-lhe o conselho, logo contrariado por um diabinho vermelho com um tridente: – Ó Carreira, não te fies nesse “anjola” deslavado, segue em frente!

(Continua na próxima edição)

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com