Com a marca de 29.49,49, Simão Bastos sagrou-se Campeão Nacional de Sub23, de 10.000m, e conseguiu os mínimos para os Campeonatos da Europa. Com uma enorme confiança e desejo de alcançar ainda mais pódios, o atleta gaiense quer agora realizar outro dos seus objetivos e ficar entre os 8 primeiros no Campeonato da Europa.

 

 

O atleta gaiense Simão Bastos, que representa o Atlético Clube da Póvoa do Varzim, sagrou-se, no passado mês de abril, campeão nacional de Sub23 de 10.000 metros, com a marca de 29.49,49, conquistando assim a marca de qualificação para os Campeonatos da Europa.

Aos 21 anos, Simão Bastos já conquistou o 3º lugar no campeonato de pista coberta de Sub23 e o 2º lugar no Campeonato Nacional de Clubes em Pista Coberta, na prova dos 3.000m, sendo que o clube que representa ficou em 5º.

Natural de Gulpilhares, e a representar o Atlético Clube da Póvoa do Varzim há três épocas, a carreira no atletismo para este jovem começou há apenas cinco anos, no Clube Futebol Oliveira do Douro.

“A paixão pelo atletismo começou no Colégio de Gaia, porque joguei hóquei em patins durante 12 anos, primeiro em Gulpilhares e depois nos Carvalhos, e no Colégio fizemos um teste de 5km à volta do campo e o professor disse que devia ir para o atletismo, só que eu não queria. Mas ele marcou uma reunião com a minha mãe, sem eu saber, e disse-lhe que eu tinha de ir para o atletismo. A minha mãe convenceu-me, fui experimentar, gostei, deixei o hóquei de parte e agora estou aqui”, explicou o atleta ao AUDIÊNCIA.

Um dos objetivos de Simão Bastos já foi conquistado, que era ser campeão nacional, mas o jovem atleta sonha ainda com voos mais altos e pretende mesmo, no futuro, ser apenas profissional de atletismo.

“Agora quero representar o país novamente no Campeonato da Europa. Já fui em 2019, à Suécia, e agora este ano é na Noruega, em julho, e o meu objetivo é ficar nos primeiros oito”, afirma, confessando que, atualmente, ainda concilia o trabalho com o atletismo, mas que “a ideia é seguir apenas o atletismo, ser profissional e chegar aos Jogos Olímpicos”.

Com uma enorme confiança e determinação dentro de si, Simão Bastos confessou que tem a sorte de treinar com a sua referência, Rui Pedro Silva, colega de treino e “uma fonte de inspiração”, bem como de treinar com um “treinador que tem um palmarés interessante, o professor João Campos, que esteve em 7 Jogos Olímpicos como treinador e que foi o treinador da Fernanda Ribeiro quando ela se sagrou campeã olímpica”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com