A cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos sociais da Confederação de Treinadores de Portugal decorreu, no passado dia 21 de abril, na Adega do Palácio do Marquês de Pombal, em Oeiras. Pedro Sequeira assumiu a presidência e vai liderar os destinos desta instituição até 2026.

 

 

 

O ato de tomada de posse dos novos corpos sociais da Confederação de Treinadores de Portugal realizou-se na sequência das eleições ocorridas no passado dia 9 de abril, na sede da instituição, que voltaram a nomear vitoriosa a lista liderada por Pedro Sequeira. Este evento contou com a presença de João Paulo Correia, secretário de Estado da Juventude e Desporto, Pedro Patacho, vereador do Desporto da Câmara Municipal de Oeiras, Vítor Pataco, presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude, José Manuel Lourenço, presidente do Comité Paralímpico de Portugal, Carlos Cardoso, presidente da Confederação do Desporto de Portugal, entre inúmeros representantes de entidades civis e militares.

No que respeita a Assembleia Geral, António Raposo foi designado presidente, Carlos Gomes vice-presidente e Mário Jorge Silva, secretário.

Relativamente à Direção, Pedro Sequeira foi eleito presidente, ao passo que Carlos Diniz, Marta Martins, Teresa Rocha e Aldo Costa foram nomeados vice-presidentes.

No que concerne o Conselho Fiscal, Albino Silva assumiu a função de presidente, Nuno Loureiro vice-presidente e Maria Conceição relator.

Depois do ato de tomada de posse, que foi conduzido pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral, António Raposo, foram inauguradas as intervenções.

Por conseguinte, o presidente reeleito Pedro Sequeira, referiu, no seu discurso, “três aspetos que continuam a ser fundamentais para a Confederação de Treinadores: a primeira e é óbvio numa Confederação como esta, são os nossos sócios. A Confederação de Treinadores é forte, porque as associações de treinadores são fortes (…) O segundo aspeto, também muito importante, é o reconhecimento dos treinadores. Não tenho dúvidas nenhumas de que os que estão, aqui, a representar outras instituições, nomeadamente as federações ou o ensino superior, sabem e reconhecem a importância dos treinadores. A verdade é que não chega muitas vezes o dizer isso verbalmente e deixo aqui o exemplo daquilo que nos deixou, a todos nós, dos órgãos sociais e às associações de treinadores, mais orgulhosos: em plena pandemia, quando toda a gente desesperava pelo apoio do Estado português, os treinadores nunca pararam. (…) O terceiro eixo, tem muito a ver com as questões relacionadas com a formação. Acreditamos que temos melhores treinadores, porque cada vez temos melhor formação, não falo apenas da formação formal, falo de todo o tipo de formação, que tem existido em Portugal, para os treinadores”.

Neste seguimento, Pedro Patacho, vereador do Desporto da Câmara Municipal de Oeiras, afirmou que “as minhas palavras são, essencialmente, de boas-vindas, não deixando, contudo, de dar os parabéns a todos os membros dos órgãos eleitos para a Confederação de Treinadores de Portugal e desejar os maiores sucessos e as maiores realizações, no exercício do vosso mandato. (…). A Câmara Municipal de Oeiras tem uma, muito longa, tradição de investimento no desporto. O desporto, que faz parte da nossa cultura, é uma das nossas prioridades políticas. Investimos e continuaremos a investir no apoio ao sistema desportivo e, também, na promoção do desporto e atividade física para todos”.

Por fim, foi João Paulo Correia quem encerrou as intervenções, sublinhando que “a presença do Governo, através da minha pessoa, o secretário de Estado da Juventude e Desporto, nesta cerimónia, é um sinal de reconhecimento e de valorização daquilo que é o trabalho e a qualidade dos treinadores em Portugal, desde sempre. (…) Os treinadores são figuras marcantes, eu não consigo conceber o desporto, nem nenhuma política desportiva, sem olhar para o papel essencial dos treinadores e das treinadoras e não há futuro, não há política desportiva que se possa fazer, ou projetar para o futuro, sem pôr em cima a estratégia dos treinadores e treinadoras. (…) O treinador é muito mais do que um técnico. Hoje, exige-se muito mais a um treinador quando um clube ou uma seleção o contrata. O treinador tem de ser, também, um formador de ação cívica, tem de ser um formador social e tem de transmitir os valores e princípios mais nobres do desporto aos seus atletas. As causas do desporto são bem personificadas naquilo que é o papel do treinador”.

O Secretário de Estado da Juventude e Desporto mencionou, ainda, a relevância da igualdade de género, enaltecendo que “é um caminho que todos temos de fazer, com outra ambição, porventura, todos nós, a vossa Confederação, todos os agentes desportivos. É uma ambição conjunta, para a qual temos de caminhar a passos largos, mas sei que a Confederação está a fazer esse trabalho e queria, também, dar essa palavra de reconhecimento e incentivo”.

A cerimónia terminou com um brinde aos treinadores, protagonizado por Pedro Sequeira, com o vinho espirituoso Villa de Oeiras.