13 anos depois da realização da última etapa do principal circuito nacional de surf no concelho ribeiragrandense, a Liga MEO Surf regressou às ondas dos Açores com o Allianz Ribeira Grande Pro, que decorreu entre os passados dias 24 e 26 de junho, nos Areais de Santa Bárbara, e teve como vencedores Federico Morais e Teresa Bonvalot, que se sagrou, simultaneamente, campeã nacional da modalidade. Para Alexandre Gaudêncio, presidente da autarquia, esta prova superou as expectativas e levou além-fronteiras a marca “Ribeira Grande Capital do Surf”.

 

 

A Liga MEO Surf, que se assume como sendo a primeira divisão do surf nacional, rumou à Ilha de São Miguel e concretizou, entre os passados dias 24 e 26 de junho, o Allianz Ribeira Grande Pro, no Areal de Santa Bárbara, que assinalou o regresso de um circuito nacional da modalidade, ao município ribeiragrandense, 13 anos depois da realização da última etapa na localidade.

Assim, a quarta e penúltima etapa da Liga MEO Surf 2022, foi uma jornada com muitas emoções sob uma paisagem idílica. Teresa Bonvalot foi a grande vencedora da prova feminina, um título que se juntou ao de campeã nacional de surf, que tinha conquistado de forma antecipada, assim como aos galardões Go Chill Expression Session feminina, Joaquim Chaves Saúde Best Wave e Bom Petisco Girls Score. “Estou muito feliz por estas conquistas. Senti-me super bem com as condições do mar. Penso que era impossível terminar a etapa com melhores condições do que estas. Tentei divertir-me ao máximo, colocar tudo em cada onda e saio muito contente com o surf que mostrei. Foi uma viagem muito positiva, com um grupo muito unido e são estas memórias que ficam. É isso que me leva a querer fazer mais e melhor”, ressaltou a nova campeã nacional, que sucedeu a Kika Veselko e que, além do quarto título da carreira, saiu dos Açores com a 24ª vitória em etapas da Liga MEO Surf.

Por outro lado, Frederico Morais, apelidado de Kikas, foi o vitorioso entre os masculinos, 13 anos depois de ter vencido a última etapa do principal circuito de surf, que se realizou, em 2009, na Ribeira Grande, um desfecho que o colocou na disputa pelo título nacional, que será decidido na etapa final, que decorrerá entre os próximos dias 11 e 13 de novembro, em Peniche. “Todas as vitórias são especiais. Sou ultra competitivo, adoro ganhar e ter heats, como foram quase todos neste evento. Depois de ter vencido, aqui, nos Açores a primeira etapa da carreira no circuito nacional, em 2009, voltar e ganhar outra vez, tem este toque especial. Adoro os Açores, é uma terra lindíssima, onde somos sempre bem recebidos, tanto pelas pessoas como pelo mar”, sublinhou o vencedor, que fez questão de oferecer a prancha que lhe deu a 16ª vitória a Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, “como agradecimento especial, por nos terem recebido”.

Relativamente aos restantes classificados no Allianz Ribeira Grande Pro, Guilherme Fonseca e Maria Salgado ficaram com o segundo posto nas finais masculina e feminina, respetivamente. Já Halley Batista conquistou a Go Chill Expression Session masculina, ao passo que Jácome Correia conseguiu o título Ericeira Best Surfer.

No seguimento da realização da quarta e penúltima etapa da Liga MEO Surf, na Ribeira Grande, Alexandre Gaudêncio, presidente da autarquia ribeiragrandense, revelou em entrevista exclusiva ao AUDIÊNCIA que, “esta prova foi extremamente importante para consolidarmos a marca «Ribeira Grande Capital do Surf», divulgando as excelentes condições que temos, no concelho, para a prática da modalidade.  Esta tem sido uma grande aposta nossa, que tem vindo a gerar resultados, não só ao nível dos investimentos privados, mas, também, ao nível da consolidação da atratividade do concelho, pois é uma atividade que tem vindo a conquistar cada vez mais adeptos”, salientando que “mais do que uma marca, nós acreditamos que o surf pode potenciar a nossa economia local e a atratividade da nossa cidade e, por isso, a visibilidade deste evento, também foi muito importante para divulgarmos a nossa terra”.

Garantindo que “foi um objetivo alcançado trazermos novamente um campeonato de surf à Ribeira Grande”, o edil assegurou que “as expectativas foram superadas, até pelo alcance que conseguimos ter, porque, efetivamente, saiu daqui uma campeã nacional de surf e só por isso, já foi bastante relevante, assim como da cobertura mediática que esta prova teve, principalmente a nível nacional, o que fez com que a Ribeira Grande tivesse sido divulgada pelo quatro cantos do mundo, o que, para nós, é fundamental, na estratégia que temos de divulgação do concelho. Além disso, foi também uma excelente oportunidade para os nossos jovens talentos mostrarem todo o seu potencial e tirarem partido do know-how dos grandes surfistas nacionais. Portanto, teve uma dupla componente, não só de notoriedade do concelho, mas relativamente aos atletas locais, proporcionando-lhe uma projeção, que acreditamos que é sempre bem-vinda”.

Evidenciando que “houve um retorno económico bastante relevante, pois tivemos a hotelaria da cidade completamente lotada”, o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande enalteceu, ainda, que “foi uma das melhores provas do ano, até agora, na Liga MEO Surf e isso também denota qualidade que nós temos, para continuarmos a potenciar esta marca «Ribeira Grande Capital do Surf»”, demonstrando a sua vontade de que “esta prova se mantenha nos próximos anos. Ficamos com a expectativa de que vamos continuar a figurar na Liga MEO Surf no próximo ano, considerando aquilo que aconteceu durante a etapa, que foi muito positivo para nós”.

Por conseguinte, Alexandre Gaudêncio aproveitou a oportunidade para destacar a importância da preservação das ondas e o trabalho que a autarquia está a realizar, ao nível da sustentabilidade ambiental, através do projeto “Save the Waves”, como forma de consciencializar a população local para limpeza e para a proteção do ecossistema marinho. “O projeto é extremamente importante ao nível da consciencialização dos mais jovens para a preservação ambiental e prevê muitas ações de divulgação e workshops, que terão um impacto direto na comunidade local. Nós já realizamos algumas sessões de sensibilização nas escolas, ações de limpeza de praias, para que a população comece a ter esta preocupação e o grande objetivo deste projeto é, depois, candidatarmo-nos a Reserva Mundial de Surf, claro que, para isso, temos de ultrapassar algumas etapas, sendo que a primeira é precisamente esta, que a comunidade local esteja consciente da preocupação ambiental para com os resíduos e, em segundo lugar, a preservação das ondas, com esta reversa mundial, que prevê, por outro lado, haver aqui um compromisso da Câmara Municipal da Ribeira Grande, no que diz respeito, nomeadamente, a obras de construção civil, para que nunca desmanchem as ondas, porque existem alguns casos quer nos Açores, quer um pouco pelo mundo fora, de autarquias locais que fizeram obras que, depois, deram cabo das ondas e do seu potencial, pelo que a nossa intenção, percebendo que temos este potencial entre mãos, é preservar esta grande mais-valia que temos, que é o mar, as ondas, num claro compromisso, uma vez que a sua preservação é essencial para o futuro de todos, essencialmente das gerações vindouras”.