O secretário Regional do Ambiente e das Alterações Climáticas, Alonso Miguel, e a secretária Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego, Maria João Carreiro, estiveram, no dia 3 de maio, na Junta de Freguesia da Matriz, a falar sobre o programa “Eco-Freguesia, Freguesia Limpa”, cuja verba triplicou o seu valor, para ajudar as autarquias a fazer frente a dificuldades, como a falta de recursos humanos.

 

 

O edifício da Junta de Freguesia da Matriz, na Ribeira Grande, recebeu, no dia 3 maio, o secretário Regional do Ambiente e das Alterações Climáticas, Alonso Miguel, e a secretária Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego, Maria João Carreiro. O programa “Eco-Freguesia, Freguesia Limpa” foi o tema abordado e participaram vários presidentes de Juntas de Freguesias e os deputados regionais, Alberto Ponte e Délia Melo.

Alonso Miguel explicou em que consiste o programa Eco-freguesia, promovido pela Secretaria Regional do Ambiente e das Alterações Climática, que tem como “objetivo reconhecer o esforço das populações e das freguesias na limpeza e remoção de resíduos abandonados em espaços públicos, incluindo ribeiras e orla costeira, e também na realização de ações de sensibilização ambiental”.

Os autarcas locais, durante a reunião, mostraram-se preocupados com a diminuição drástica dos programas ocupacionais, algo que se reflete na diminuição de pessoal a trabalhar diariamente nas Juntas de Freguesia. No entanto, o secretário Regional do Ambiente e das Alterações Climáticas, descansou-os, uma vez que o programa Eco-freguesia sofreu um aumento de valor de um milhão de euros, passando a disponibilizar o triplo do valor, inicialmente estipulado, que era de 450 mil euros. “Com este reforço pretende-se, então, aumentar o valor a atribuir às Juntas de Freguesias, no âmbito do Eco-freguesia, para reforçar a sua capacidade de intervenção nas linhas de água, nas ribeiras, na limpeza de espaços públicos, seja na aquisição de equipamentos específicos para a realização destes trabalhos, seja também, e sobretudo, pelo reforço da capacidade de contratação de recursos humanos que possam realizar estes serviços”, explicou Alonso Miguel.

O secretário regional ainda salientou a importância do programa, apontando-o como “um instrumento de cooperação importante entre o Governo Regional e as Juntas de Freguesias, que são parceiros estratégicos na gestão de resíduos e na promoção da qualidade ambiental”. Lembrando que a imagem dos Açores é de natureza e sustentabilidade, Alonso Miguel ainda referiu que do total de freguesias açorianas, 137 candidataram-se ao programa e todas elas foram aceites e serão contempladas com o apoio monetário efetivo.