O concelho da Ribeira Grande comemorou o Dia da Europa, a 9 de maio, numa iniciativa composta por uma mesa redonda que incluiu a participação de alunos da Universidade de British Columbia e da Escola Profissional da Ribeira Grande, além dos oradores convidados. Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara Municipal, explicou ao AUDIÊNCIA que a “emigração e as questões europeias” deram o mote à sessão.

O Teatro Ribeiragrandense recebeu o evento que juntou estudantes da Escola Profissional da Ribeira Grande e da Universidade de British Columbia, do Canadá, que passaram pelos Açores no âmbito do curso de verão UBC GoGlobal, acompanhados pelo emigrante ribeiragrandense e professor José Carlos Teixeira.

Alexandre Gaudêncio descreveu o encontro como uma “troca de impressões” para perceber como é que “alguns residentes do nosso concelho que emigraram e depois regressaram viveram essa realidade”, como foram os casos de Nélia Silva, António Pedro Costa, José Soares e Luís Silva. Assim sendo, os oradores tiveram a oportunidade de explicar o seu percurso de vida aos alunos, abordando temas como as dificuldades que estes enfrentaram, bem como o papel das associações na integração dos imigrantes, sendo este último tema desenvolvido por representantes da AIPA (Associação dos Imigrantes nos Açores).

O autarca destacou ainda a importância da “partilha de experiências e o contacto com diferentes realidades” em benefício dos jovens, valorizando o seu papel na “construção de uma sociedade cada vez mais inclusiva”, dando como exemplo o Canadá, um país “multirracial e multicultural onde vive uma forte comunidade de açorianos de primeira, segunda e terceira gerações. Por outro lado, o professor responsável pelo programa “UBC GoGlobal Summer Course”, José Carlos Teixeira, explicou a importância desta iniciativa do seu ponto de vista, afirmando que “é interessante estarmos numa universidade, mas nunca é como ir ‘in loco’ para lidar e falar com as pessoas”, sendo este o motivo por que “há mais de 10 anos faço o UBC GoGlobal”.

O professor universitário que dedicou parte da sua vida à estrutura e evolução das comunidades portuguesas no Canadá, disse, em declarações ao AUDIÊNCIA, que os alunos que visitaram a ilha “já estão convencidos de que os Açores de hoje não são os Açores de há 41 anos quando saí de cá”, não só pelo desenvolvimento que se faz notar, mas também porque “os Açores deixaram de ser uma região de emigração para serem uma região de imigração”, o que faz da região “um verdadeiro laboratório social”, já que, como foi dito durante a sessão, em todas as ilhas habitam imigrantes, totalizando provenientes de 80 países.

José Carlos Teixeira explicou ainda que o curso que os seus alunos estão a frequentar começou na ilha de São Miguel, seguindo-se Canárias e culminando em Lisboa, o que perfaz a duração de um mês em viagem, sempre com o objetivo de conhecer outras realidades.

Nesta sessão, integrada nas comemorações do Dia da Europa, constou também a a apresentação de um vídeo pelos alunos da Escola Profissional da Ribeira Grande, intitulado “Os Jovens, a Europa, o Futuro” sobre a Europa e a participação cívica nas eleições europeias (que se realizam a 26 de maio), no âmbito do concurso “Cidadania Europeia – A Europa para os Açorianos”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com