Que a distinção sirva para recentrar as consciências no papel fulcral que a escola desempenha”

Com cerca de 600 alunos de todas as freguesias do concelho, a Escola Básica e Secundária do Nordeste, criada em agosto de 1971, já sofreu várias alterações e modificações, sendo que, ultimamente, o que mais chama a atenção é o decréscimo de alunos resultante da diminuição da população em geral. Em nome da EBS Nordeste, António Rocha, diretor do Conselho Executivo, admite que este troféu é mais um incentivo e impulsionador para que se foque a atenção na educação.

 

 

Desde quando é presidente do conselho executivo da EBS Nordeste?

Este é o primeiro ano do mandato, tomamos posse no dia 1 de julho de 2021. Portanto, estamos há cerca de seis meses e meio em exercício de funções.

 

Quantos alunos tem a Escola?

Do Pré-escolar ao 12.º ano temos 601 alunos de todas as freguesias do concelho: Salga, Achadinha, Achada, Santana, Algarvia, S. Pedro, Stº. António, Fazenda e Vila.

 

Nos últimos anos, tem sentido aumento de alunos ou diminuição?

Fruto do envelhecimento populacional, baixa taxa de natalidade, emigração e a não fixação dos naturais de cá, no concelho, o Nordeste tem sofrido um significativo e progressivo decréscimo populacional refletindo-se, evidentemente, na população estudantil.

 

Quais as principais dificuldades com que se depara?

Inúmeras dificuldades, como é natural na gestão de qualquer instituição com muitos funcionários e com diferentes sensibilidades e, sobretudo, quando o objeto da nossa ação implica lidar com Seres Humanos, em desenvolvimento, com posturas, contextos socioeconómicos, culturais e educacionais, muito diferentes e, por consequência, exigências também muito diversificadas. A par do referido, acresce a luta diária avolumada consideravelmente, pelas intempéries, necessidade de obras permanentes de manutenção, a falta de recursos humanos e a gestão dos efeitos da pandemia em constante mutação.

 

Como foi vivenciada a pandemia na Escola?

A situação Pandémica foi, e continua a ser, um desafio permanente, com diferentes exigências em cada dia, carecendo de constante readaptação. Na escola tentamos minimizar, ao máximo, os danos provocados pelo encerramento das escolas e a consequente regressão na aquisição das aprendizagens.

Nada substitui o ensino presencial, no entanto, fruto das contingências, a implementação do Ensino à Distância decorreu com celeridade e abrangendo a totalidade dos alunos.

 

Quais considera serem os pontos positivos desta Escola? Os prémios e conquistas.

Como qualquer instituição de ensino, com toda a diversidade de ofertas pedagógicas ou outras, os prémios fundamentais são todos os que nos chegam, em início de caminhada formativa e daqui partem mais aptos a conquistar um futuro bem mais promissor, os alunos. Todo o resto vem por acréscimo ou é vazio de sentido se não tiver como objetivo primordial o supradito.

 

O que significa para a escola ser distinguida com este prémio?

Todos os prémios são atribuídos por qualquer razão positiva. Para nós foi com surpresa, mas com a natural satisfação por se saber que se incluiu nestas dinâmicas as instituições que marcam, indubitavelmente e de forma perene as gerações e o futuro das mesmas, como é o caso da escola.

 

Que mensagem gostaria de deixar aos leitores?

Que a distinção, mais do que o prémio daí resultante, sirva para recentrar as consciências no papel fulcral que a escola desempenha no processo educacional, individual e coletivo, e que daí resulte uma efetiva revalorização da formação/educação como condição basilar para a construção de uma sociedade cívica e responsavelmente interventiva, culturalmente criteriosa, e naturalmente integradora.