38 grupos participaram na 26.ª edição Cantar às Estrelas da Ribeira Grande. O desfile que percorre a Rua Direita e que tem como destino a Igreja Matriz, passando pelo edifício dos Paços do Concelho, aconteceu no passado dia 1 de fevereiro.

Cerca de 2500 pessoas, distribuídas por 38 grupos, aderiram à tradição do Cantar às Estrelas. 29 grupos da Ribeira Grande, quatro de Vila Franca do Campo, quatro de Ponta Delgada e um dos Estados Unidos da América entoaram o seu cântico, homenageando Nossa Senhora da Estrela.

Desta noite de festejo dos 25 anos do Cantar às Estrelas estiveram presentes o Grupo de Cantares da Câmara Municipal da Ribeira Grande, o Grupo de Cantares do CASA Bernardo Manuel Silveira Estrela, o Centro Bem Estar Jacinto Ferreira Cabido “Os Cabidinhos”, os CATL’s da Casa do Povo da Ribeira Grande, a Escola Básica e Integrada de Rabo de Peixe, o Grupo de Cantares da Escola Básica e Integrada da Maia, a Escola Básica e Integrada da Ribeira Grande, a Escola Profissional da Ribeira Grande (ao qual se associou a Confraria da Pedra, vinda de Vila Nova de Gaia), o Grupo de Cantares da Junta de Freguesia da Conceição, o grupo Estrelas da Diáspora – Amigos da Ribeira Grande – Estados Unidos da América, o Grupo de Cantares Pessoal e Amigos do Lar de Idosos “Augusto Ferreira Cabido” e Valência “Manuel Almeida Moniz”, a Tuna da Universidade Sénior de Ponta Delgada, o Grupo de Cantares de São Brás, o Centro de Saúde da Ribeira Grande, o Grupo de Violas e Cavaquinhos de Água D’Alto, o Grupo Cantares da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande, o Grupo Madre Teresa da Anunciada da Ribeira Seca, o Grupo de Serenatas e Cantares de São Pedro, a Casa do Povo de Rabo de Peixe, o Grupo Folclórico da Casa do Povo de Ponta Garça, o Grupo de Cantares às Estrelas Santíssimo Salvador do Mundo, o Grupo de Cantares Santa Bárbara, o Grupo de Cantares Castanholas da Madre Tereza, Vozes Mar do Norte de Rabo de Peixe, a Junta de Freguesia do Pico da Pedra, o Grupo Serenatas Vozes de Vila Franca do Campo, os Amigos das Estrelas, o Grupo de Cantares dos Fenais da Ajuda, o Grupo Folclórico do Porto Formoso, o Grupo Cantares dos Amigos da Rua de São Francisco, a Academia de Música de Sete Cidades, o Grupo Cantares às Estrelas da Lombinha da Maia, a Junta de Freguesia de Rabo de Peixe, o Grupo Cantares da Casa do Povo da Maia, as Estrelas do Linho, o Grupo Cultural e Recreativo Domingos Rebelo, o Grupo de Cantares da Junta de Freguesia da Matriz e a Escola Secundária da Ribeira Grande.

Irene Melo Alves, presidente da Comissão dos Amigos da Ribeira Grande na Nova Inglaterra e responsável pelo grupo Estrelas da Diáspora – Amigos da Ribeira Grande, conta ao Audiência como concretizaram a sua vinda à Ribeira Grande: “por esta altura do ano passado estivemos cá, e o nosso amigo, o presidente Alexandre Gaudêncio, desafiou-nos a fazer parte do desfile. Não prometi nada. Depois, em contacto com muitos dos nossos amigos nos Estados Unidos da América, a ideia começou a criar forma. Após isso planeámos, marcámos as passagens e estamos cá”.

O presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande realçou a presença deste grupo, que “respondeu afirmativamente ao repto que lhe lançámos há um ano. Ficamos muito honrados com a sua presença e gostaríamos que voltassem nos próximos anos”.

Por outro lado, vinda de Vila Nova de Gaia para participar na XIV Gala Audiência (que se realizou no dia 2 de fevereiro), esteve também presente no Cantar às Estrelas a Confraria da Pedra, que se associou à tradição ribeiragrandense juntamente com a Escola Profissional da Ribeira Grande. José Carlos Leitão, chanceler da Confraria, conta que tiveram o convite através de Joaquim Ferreira Leite e também de Alexandre Gaudêncio, ambos confrades de honra, para integrar o cortejo. “Estamos aqui, fundamentalmente, para trazer um abraço de amizade ao Ferreira Leite e ao Alexandre Gaudêncio”.

O Chanceler descreve ao Audiência como é voltar à Ribeira Grande: “é sempre bom vir à Ribeira Grande, onde somos muito bem recebidos. Eu, em particular, venho pelo terceiro ano consecutivo. Ao Cantar às Estrelas é o segundo ano a que assisto, vim há dois anos e vim este ano, o ano passado só vim à Gala, que não coincidiu com o Cantar às Estrelas. Hoje fomos simpaticamente acolhidos pelo grupo da Escola Profissional da Ribeira Grande e vamos tentar não deixar o grupo ficar mal”.

Ainda durante a noite do Cantar às Estrelas o Audiência teve a oportunidade de falar com Rodrigo Sá, professor de música na Escola Básica e Integrada da Ribeira Grande, e ensaiador do grupo da mesma. Este grupo junta não só os alunos da escola, com idades compreendidas entre os cinco e os 14 anos, mas também os professores e funcionários da escola e as famílias dos estudantes.

“Muitos dos alunos não conhecem nem sabem o que é o Cantar às Estrelas. As aulas de Educação Musical acabam por transformar-se numa aula de história e cultura ribeiragrandense”, conta Rodrigo Sá, salientando que “é muito divertido ensaiar este grupo porque eles gostam e são muito participativos”.

Os grupos que participaram no desfile do Cantar às Estrelas também cantaram em casas particulares e no comércio local, sendo que mais de 40 abriu as portas a esta tradição.

Esta festa encerra o ciclo natalício que iniciou a 8 de dezembro com a festa de Nossa Senhora da Conceição, e pretende louvar a padroeira da Igreja Matriz, Nossa Senhora da Estrela. A primeira edição aconteceu em 1994, contando com 12 grupos, sob proposta do vereador Francisco Rodrigues e tendo como presidente do município António Pedro Costa.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com