A peça “5 Lésbicas e Uma Quiche”, da autoria de Evan Linder e Andrew Hobgood, vai subir ao palco do Coliseu do Porto no próximo dia 1 de março, pelas 21h30. O elenco é composto por Paula Neves, Teresa Tavares, Leonor Seixas, Melânia Gomes e Mafalda Teixeira, a encenação é de Paulo Sousa Costa e trata-se de uma produção da Yellow Star Company.

O produtor e encenador Paulo Sousa Costa afirmou ao AUDIÊNCIA que selecionou a peça “5 Lésbicas e Uma Quiche”, da autoria de Evan Linder e Andrew Hobgood, não só porque achou o título “muito sugestivo e divertido”, mas “acima de tudo porque é um excelente texto que, de uma forma muito divertida, fala sobre os preconceitos da nossa sociedade quanto à homossexualidade, neste caso, a feminina”.

“Nada de homens! Nada de carne! Só boas maneiras!”. Este é o lema das cinco mulheres, que são interpretadas pelas atrizes Paula Neves, Teresa Tavares, Leonor Seixas, Melânia Gomes e Mafalda Teixeira, que começam a revelar-se quando ficam isoladas num abrigo subterrâneo, depois de um alerta de ataque nuclear, nos Estados Unidos da América, nos anos 50, em plena Guerra Fria.

Paulo Sousa Costa sublinhou que “a principal mensagem é que é preciso haver uma guerra nuclear, uma bomba atómica, estarmos fechados num bunker com a perspetiva de ficarmos lá os próximos 4 anos… para assumir a homossexualidade. A principal mensagem é a de que sermos verdadeiramente livres é respeitarmos as opções de cada um, sem julgarmos. Sem nos sentirmos superiores porque não pensamos, porque não somos como os outros, ou porque alguém não é como achamos que devia ser e gostar”.

O encenador aproveitou ainda a ocasião para revelar que o público pode contar com “muitas gargalhadas e muita cumplicidade das atrizes. Há até mesmo uma espetadora que, sem esperar, irá fazer parte da história… e mais não digo”.

As atrizes enalteceram que garantem “um serão super divertido, que promete deixar o público do Coliseu do Porto muito animado”, mas que não podem desvendar muito. No entanto, não deixaram que referir as suas expectativas em relação ao espetáculo.

Neste seguimento, Paula Neves destacou que “as expectativas são grandes porque já estamos com este espetáculo na estrada há um ano! A carreira em Lisboa correu muito bem e a digressão correu melhor ainda! A cada sala onde nós vamos conseguimos esgotar e a reação do público é extraordinária! Vêm rir connosco e falar de coisas sérias num tom muito cómico. É uma peça diferente, o público é integrado como fazendo parte desta estranha irmandade e vive aquelas situações limite connosco de uma forma muito divertida! Este espetáculo permite abordar um tema muito sério, a homossexualidade feminina, rindo e brincando mas sem nunca esquecer do que estamos a falar!”.

Também Teresa Tavares salientou que “Tratando-se de uma sala tão emblemática como o Coliseu do Porto as expectativas são grandes – e a curiosidade também. O público do Porto é sempre muito simpático e muito carinhoso na sua receção, tenho a certeza que vai ser uma grande experiência. É uma comédia de época, passada nos E.U.A, durante a Guerra Fria, altura em que várias mulheres se se reúnem para a reunião anual da quiche. Acontece uma explosão nuclear lá fora e elas ficam fechadas num bunker e essa situação limite leva-as a ‘tirar as máscaras’ e a fazerem várias revelações sobre si próprias. A situação é insólita e inesperada e a comédia vem daí. A reação do público tem sido incrível (…) A leveza e a despretensão com que o tema é abordado e, ao mesmo tempo, o facto de incluir o público (como parte ativa desta ‘reunião’) são as maiores surpresas e as reações têm sido as melhores. O público faz parte desta ‘reunião da quiche’ e a partir daí tudo pode acontecer!”. Por sua vez, Leonor Seixas mencionou que “a peça tem corrido super bem. É uma peça diferente. Única” e que “todas as noites em que fazemos os espetáculos é sempre diferente. Tem sido uma experiência incrível. É a primeira vez que faço comédia e onde vivo uma interação com o público”.

Enquanto Melânia Gomes asseverou que “não há público como o do Norte! E se bem conheço o meu público tenho a certeza que será arrepiante ver aquele Coliseu a vibrar connosco. A peça fala sobre a homossexualidade nos anos 50. Da vergonha, do tabu, do preconceito. E será preciso rebentar uma bomba atómica, para que aquelas mulheres ganhem coragem para falar sobre isto e se libertarem. Um problema que infelizmente ainda hoje muitas mulheres e homens passam”.

Por fim, Mafalda Teixeira confirmou que “5 Lésbicas e Uma Quiche” é “uma comédia bastante interativa com o público! Decorre no ano de 1956, em plena Guerra Fria, nos Estados Unidos. Um grupo de mulheres, secretamente lésbicas, encontra-se para o grande Encontro Anual de Quiches da Sociedade das Irmãs, Viúvas, Independentes, Bem conservadas e com boas maneiras! Após um alerta de um ataque nuclear, as revelações começam a surgir e são surpreendentes!”.

No que concerne os projetos futuros, Paula Neves anunciou que “estou neste momento em ensaios de um novo espetáculo chamado “Os Monólogos da Vagina”, com a Júlia Pinheiro e a Joana Pais de Brito. Esperamos conseguir apresentá-lo no Porto também!”. Por seu turno, Teresa Tavares aludiu que “os novos projetos serão anunciados a seu tempo. Para já, podem ver-me na televisão na novela ‘Valor da Vida’ e na série ‘Onde está a Elisa?”, ambas da TVI”. Já Leonor Seixas declarou que “estou a ensaiar uma outra peça. Tenho feito muitas séries que já estão a passar e uma a estrear em junho. Um filme a estrear já este mês. Está nas salas a partir de Março. E mais coisas boas virão!”.

Por outro lado, Melânia Gomes contou “estou grávida!” e que “estreia já no dia 14 de março o meu filme ‘Ladrões de Tuta e Meia’. Gostava muito que todos vissem, é um filme de chorar a rir, com uma mensagem muito bonita. Um filme tipicamente português dos nossos dias”. Ao passo que Mafalda Teixeira ressaltou que “a vida de atriz é sempre imprevisível, da noite para o dia surgem novas oportunidades. Mas, nos próximos meses estarei em digressão por Portugal com esta peça e também com o musical ‘A Bela e o Monstro’, igualmente produzido pela Yellow Star Company. E o meu projeto de alimentação saudável infantil, o Funny Cook, que procura alertar as famílias portuguesas para a temática da obesidade infantil, com a prática de workshops de culinária para crianças em escolas, eventos, festas infantis, atividades desportivas e muito mais”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com