Após um interregno de dois anos, provocado pela pandemia, o Festival das Marés regressou à freguesia de Mosteiros, na Ilha de São Miguel. A 5ª edição do evento cultural decorreu entre os dias 11 e 13 de agosto, no Porto de Pescas. A animação decorreu ao longo dos três dias e foi protagonizada por grandes nomes da música nacional e internacional. Em declarações exclusivas ao AUDIÊNCIA, Lázaro Matos, responsável pelo evento, enalteceu a boa adesão da população e perspetivou, para 2023, um festival maior e melhor.

 

O tradicional Festival das Marés voltou a encher de luz e muita música a freguesia de Mosteiros, imbuídas num espírito familiar e de segurança. O evento contou com a participação de vários artistas nacionais e internacionais de diferentes géneros musicais. No dia 11 de agosto, o festival contou com a apresentação do projeto “Mosteiros, Uma Porta Pro Mar”, que recontou a história dos Mosteiros e da Fundação Brasileira, e com as atuações da Banda Fundação Brasileira convida Marisa Liz, Chico da Tina, Favela Lacroix e Sara Santini. No segundo dia de festival, 12 de agosto, Maneva, Poesia Acústica, 9 Miller e I Love Baile Funk animaram a freguesia. No último dia do festival subiram ao palco The Code, Vado Más Ki Ás, Tony Carreira e Alpha Heroes.

Lázaro Matos, responsável pelo evento, reconheceu que este evento é de extrema importância, “uma vez que é um projeto de continuidade e, passados estes dois anos, é extremamente satisfatório sentirmos que o festival conseguiu crescer, é extremamente importante”. O responsável afirmou que “o festival cresceu em número de pessoas e, consequentemente, houve uma maior adesão de festivaleiros ao nosso festival” e que “num evento desta natureza há sempre coisas a melhorar, mas no geral acho que fomos de encontro às expetativas dos festivaleiros e conseguimos fazer um festival de bom nível”. Para Lázaro Matos, o impacto deste festival na freguesia de Mosteiros “é enormíssimo, ao nível do comércio local, dos serviços, da dinâmica que impõe na freguesia dos Mosteiros, o festival reverte de uma enorme importância que os mosteirenses já aguardam ano após ano a fase em que ele decorre”.

A Fundação Brasileira, entidade promotora do festival, assegurou que 5ª edição proporcionou “três dias de espetáculos que envolveram um total de cerca de 13 000 pessoas” e trouxe “mais de 10 artistas a Ponta Delgada e a São Miguel”. A 6ª edição do Festival das Marés ainda não tem datas definidas, mas a organização promete aumentar a qualidade do evento. “O balanço é extremamente positivo, a todos os níveis, quer a adesão dos festivaleiros, a dinâmica que é imposta na freguesia, dinamização do comércios e dos serviços locais. É um evento que, para nós, é de extrema relevância, a sua realização dá-nos uma responsabilidade ainda maior para a próxima edição, uma vez que, ano após anos, queremos aumentar e melhorar diversos aspetos e tudo isso leva a que nos obrigue a sermos cada vez mais exigentes connosco mesmos” rematou Lázaro Matos.