O Eden Clube de Arcozelo comemorou o seu 75º aniversário com um jantar, no Restaurante “O SOLAR”, e uma pequena cerimónia de entrega de emblemas de Prata e Ouro aos seis sócios que completaram 25 e 50 anos de associados. O clube passou por momentos difíceis, no entanto, este ano, vai renascer com força, com o surgimento de uma secção de atletismo, o funcionamento em pleno de uma equipa de setas, que participará no campeonato, e a criação de uma banda filarmónica.

 

 

No dia 16 de outubro, o Eden Clube de Arcozelo organizou um jantar, no Restaurante “O SOLAR”, em Vilar do Paraíso, seguido de uma pequena e simbólica gala para comemorar os 75 anos da instituição, que incluiu uma cerimónia de entrega de emblemas de Prata e Ouro aos associados que faziam, respetivamente, 25 e 50 anos de sócios.

António Sousa é presidente do clube há três anos. Este, como muitos outros clubes, “já teve imensas modalidades, como futebol, pesca desportiva e ténis de mesa”, mas também como muitos outros, “passou uma fase complicada, o auge foi-se e o clube passou por imensas dificuldades”. As últimas direções têm tentado dar a volta a isto, garantiu António Sousa, no entanto, os dois últimos anos de pandemia não ajudaram, pelo contrário, atrasou uma série de projetos que estavam pensados e prestes a arrancar. “Vão arrancar agora”, foram as palavras do presidente do Eden Clube de Arcozelo: uma secção de atletismo, uma secção de setas, cm uma equipa que está “praticamente a funcionar em pleno e que vai entrar no próximo campeonato”, e o surgimento de uma banda filarmónica, para a qual “já está tudo, mais ao menos, alinhavado, já tem membros, alguns vêm de outras bandas, será para arrancar este ano ainda também”, explicou António.

O clube conta com 250 sócios, mas António Sousa orgulha-se de, nos últimos três anos, ter conseguido trazer mais gente jovem para o clube. “Há cerca de três anos, quando entrei, os sócios eram uma classe muito envelhecida, a idade média era de 62 anos e meio. Neste momento, conseguimos baixar quase 10 anos essa média, é 53, ou 53 e meio, se não me engano”, explicou. Mas como se pode chamar mais juventude para os clubes? A soluço está, segundo o presidente da instituição, que também é treinador de andebol, no clube de atletismo e em captar miúdos na escola. Segundo António Sousa, muitos jovens e crianças estão demasiado agarrados às tecnologias, não procuram atividades por iniciativa própria, e se não foram os clubes a apresentarem projetos aos agrupamentos, muitos deles nunca vão praticar nenhum desporto na vida.

Com o número de sócios acima descrito, o clube vale-se de outras valências para sobreviver financeiramente, nomeadamente, através da renda do bar nas instalações do clube, que está à exploração de outrém, das receitas provenientes do jogo do bilhar e, pontualmente, dos apoios da Junta de Freguesia. O Eden Clube de Arcozelo organiza ainda noites de fado, no entanto, segundo o dirigente, essas não trazem uma receita significativa, servem mais para o convívio dos sócios e para as pessoas perceberem “que estamos vivos”.

O jantar e a cerimónia para festejar os 75 anos foram com o intuito de marcar “uma data emblemática, uma idade bonita”, e, para além disso, segundo o presidente da instituição, foi “para as pessoas verem e sentirem que estamos vivos e que daqui para a frente é para mudar o mais possível, tentar fazer com que o clube atinja níveis que atingiu em anos passados”.

Foram entregues seis emblemas nessa noite, três de Prata, relativos ao aniversário de 25 anos de associado, e três de Ouro, que correspondiam aos sócios que comemoravam 50 anos de associados.

Os sonhos são muitos. Na comemoração dos 80 anos, António Sousa quer “além destas duas modalidades e da banda filarmónica, que é um dado adquirido, ter, no mínimo, mais três modalidades no clube”. Andebol será umas delas, até porque o presidente é treinador e, como o próprio referiu, “é uma modalidade bonita e que, ali em Arcozelo, não há”.