A Junta de Freguesia da Maia assinou, no passado dia 10 de junho, data em que se comemorou o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, um protocolo de geminação com a Junta de Freguesia da Cidade da Maia. A cerimónia contou com a presença de Jaime Rita, presidente da Junta de Freguesia da Maia, Olga Freire, presidente da Junta de Freguesia da Cidade da Maia, Luís Lindo, presidente da Assembleia de Freguesia maiense, António Alberto Monteiro, presidente da Assembleia de Freguesia maiata, e Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, assim como a participação, via Zoom, de Paulo Ramalho, vereador da Câmara Municipal da Maia. A solenidade terminou à mesa, no Restaurante Caldeiras da Ribeira Grande, onde foi degustado o tradicional cozido.

 

 

 

Foi ao som da viola da terra que se iniciou a cerimónia de assinatura do protocolo de geminação entre a Junta de Freguesia da Maia, do concelho da Ribeira Grande, da Ilha de São Miguel, e a Junta de Freguesia da Cidade da Maia, do concelho da Maia, do distrito do Porto. O passado dia 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades ficou, assim, marcado pela união destas duas localidades, que decorreu na Freguesia da Maia, nos Açores.

“Este é um momento muito especial”, afirmou Jaime Rita, presidente da Junta de Freguesia da Maia, lembrando os cerca de três meses que se avizinham e que conduzirão ao fim daquele que é o seu último mandato à frente dos destinos deste território e enaltecendo que “eu não vou deixar de ser um cidadão da Maia”.

O autarca maiense aproveitou a ocasião para ressaltar que “acabamos de assinar um documento extremamente importante, que é um documento que não é só mais um documento assinado, pois o nosso objetivo é, sim, pôr em prática e vamos começar, a partir de hoje, a pô-lo em prática”, sublinhando que o protocolo de geminação em causa “é um documento, que é para valer, não é mais um documento para dar origem a passeios e a intercâmbios como muitas vezes se faz por aí. Não é esse o meu espírito de protocolo de geminação, o nosso protocolo de geminação é para trocar experiências, trocar cultura, amizade, fazer um estudo profundo dos nossos antepassados e da nossa história, pois foi para isso que assinamos o protocolo”.

Para o presidente da Junta de Freguesia da Maia, “as sementes já estão lançadas e já está a começar a nascer a flor e virá o fruto e isso só é possível pelo bem de todos e com a ajuda de todos, não excluindo a Câmara. O Governo Regional tem feito a sua parte e naturalmente com o apoio e a colaboração, também, dos nossos deputados”.

O vereador da Câmara Municipal da Maia, Paulo Ramalho, que em 2019 visitou a Junta de Freguesia da Maia, juntamente com a delegação da Junta de Freguesia da Cidade da Maia e participou na assinatura do protocolo de intenção de geminação, participou, via Zoom, por impossibilidade de agenda, nesta cerimónia, em representação de António da Silva Tiago, presidente da autarquia maiata, e revelou que é “mais um momento muito importante para nós valorizarmos, lembrarmos, reafirmarmos a importância das Juntas de Freguesia e, portanto, a minha primeira palavra vai nesse sentido, para reafirmar essa grande vitória que foi o poder local pós-25 de Abril, quer nas freguesias, quer nos municípios. A segunda palavra, para dizer que é muito importante que esta aproximação se faça em termos de um protocolo de geminação, que visa não só reforçar os laços de amizade entre estes dois territórios, mas, acima de tudo, criar plataformas de cooperação, que são já um presente e vão ser, também, seguramente um futuro. Nós sabemos que estes dois territórios estão ligados, também, pela história. Inês da Maia uma mulher que, daqui das Terras da Maia, viajou para os Açores e permaneceu e fundou a Freguesia da Maia e, portanto, a história, também, ela própria nos liga, neste momento muito importante. Por último, dizer que é nossa vontade, do município da Maia, e falo, neste momento, em nome da Câmara Municipal e depois de ter já falado com a minha colega e amiga Olga Freire, que ainda este ano, portanto, entre os dias 9 e 12 de julho, possamos cá ter uma delegação da Junta da Maia, acompanhada pela Câmara Municipal da Ribeira Grande”.

“Nós vamos ter umas Festas da Maia muito minimalistas”, mencionou Paulo Ramalho, salientando que “gostava muito de contar, no próximo ano, com uma delegação de artesão da Freguesia da Maia na nossa tradicional Feira de Artesanato, que dura cerca de 10 dias” e que “se quiserem, também, podemos ter já um ou dois artesãos da vossa Freguesia presentes no nosso mercadinho, minimalista, que vai decorrer entre os dias 9 e 12 de julho. Portanto, cá vos esperamos muito brevemente e mais uma vez, aqui, no município da Maia, em nome da Câmara Municipal, o nosso sentido reconhecimento, a nossa grande homenagem a essa vossa iniciativa de aproximar estes dois territórios que são a Cidade da Maia e a Freguesia da Maia”.

Neste seguimento, o presidente da Assembleia de Freguesia da Cidade da Maia, António Alberto Monteiro, fez questão de referir que “este protocolo pretende dinamizar e desenvolver ações de intercâmbio”, nomeadamente “através da partilha de conhecimentos e experiências entre as nossas comunidades” e que “tenho a certeza de que, num futuro próximo, este protocolo irá dar os seus frutos”.

Por outro lado, o presidente da Assembleia de Freguesia da Maia, Luís Lindo, recordou que “este protocolo ia ser assinado no dia 1 de maio de 2020, infelizmente a pandemia não deixou, mas efetivamente, hoje, dia 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, faz um sentido enorme e faz um sentido enorme, porque nós abraçamos uma causa portuguesa, tanto nos Açores, como no continente”, garantindo que “hoje também é um dia de homenagem. A Maia foi fundada pela Inês da Maia que veio exatamente das Terras da Maia, do continente”.

“Para mim, presidente da Assembleia de Freguesia da Maia, é um orgulho enorme partilhar este momento, porque estamos a dar um passo para o futuro. Nunca mais será como dantes”, asseverou Luís Lindo, atestando que “vamos, certamente, melhorar, aperfeiçoar e aprofundar toda esta ligação, que não pode ser só de amizade, mas sim de partilha de conhecimentos”.

Já Olga Freire, presidente da Junta de Freguesia da Cidade da Maia, evidenciou que “esperemos que, a partir do dia de hoje, comecem a nascer algumas flores e, acima de tudo, bastantes frutos deste protocolo de geminação que nós vamos iniciar”, contando que “nós viemos aqui em 2019 às celebrações do Dia da Maia, no dia 1 de maio e, de facto, aquilo que tínhamos previsto e anunciamos nessa altura foi assinarmos o protocolo de geminação no dia 1 de maio de 2020. Não foi possível no dia 1 de maio de 2020, não foi possível no dia 10 de junho de 2020 e também não foi possível no dia 1 de maio de 2021 e aquilo que eu combinei com o Jaime foi que não poderia passar deste mandato, porquê? Porque eu acho que há coisas que têm início e têm fim e não faria sentido, para mim, estar a celebrar um protocolo que não fosse com o Jaime Rita, presidente em exercício e que, pela limitação de mandatos, não poderá voltar a ser candidato”, pelo que “não poderia passar do dia de hoje a assinatura deste protocolo de geminação”.

“Hoje, também, com a celebração deste protocolo de geminação, não deixamos de estar a fazer uma homenagem às mulheres da Maia. Às mulheres da Maia, continente, e, também, às mulheres da Maia, aqui, dos Açores”, referiu a autarca maiata, dizendo que “existem leis, com as quais nós até nem concordamos, é o meu caso, mas que são importantes para que as mulheres possam ter oportunidade não só de descobrirem e povoarem terras, como fez Inês da Maia, mas também para poderem contribuir de uma forma mais ativa e mais pública, naquilo que é a vida das nossas populações”.

Segundo declarou a presidente da Junta de Freguesia da Cidade da Maia, “nós somos uma freguesia nova, muito maior do que era a Maia, mas não deixamos de, porque faz sentido, continuar, ou recomeçar aquilo que o Mário Jorge, sob alçada do senhor Carlos Teixeira, iniciou há 15 anos atrás, juntamente com o professor António Rodrigues. Eu acho que era isto o que tínhamos de fazer, é agora deixar que a árvore floresça e dê frutos”.

“Espero ver-vos na Maia e espero ver uma delegação grande. Levem as coisas que são vossas, desde a pimenta da terra, ao queijo, ao tabaco, o que seja, mas vão à Maia com aquilo que é vosso. É fantástico aquilo que ainda se consegue ter aqui e que nós lá, na cidade, já perdemos e, portanto, é uma forma, também, de nós podermos mostrar às pessoas que estão na Maia e até às gerações mais novas, aquilo que nós na Maia, cidade, já não podemos oferecer”, alegou Olga Freire, reiterando que “eu sei que estamos numa ilha, eu também sei que muitas das crianças que estão aqui, provavelmente nunca foram ao continente, provavelmente nunca tiveram a oportunidade de ir a um Jardim Zoológico e uma vez que na Freguesia da Cidade da Maia mora um Jardim Zoológico, também espero que muito em breve, quando acabar a pandemia, a Junta de Freguesia, eventualmente com o apoio da Câmara Municipal da Ribeira Grande, possa talvez levar as crianças mais carenciadas ao continente, possa levá-las à Maia, para que possam usufruir do nosso Jardim Zoológico e é para isso que nós cá estamos Jaime, é para servir e para poder dar alguma alegria às pessoas”.

Também o presidente da Câmara da Ribeira Grande participou nesta cerimónia de geminação entre as freguesias da Maia e da Cidade da Maia, destacando “a cooperação. Para além de ser um dia histórico e se repararem que o poder local ultrapassa e extrapassa a questão das lutas político-partidárias, nós estamos a assistir a um acordo de cooperação entre duas Juntas de Freguesia de cores políticas diferentes e isto, que não é inédito, só prova no poder local a questão das lutas político-partidárias não se nota”.

O autarca ribeiragrandense aludiu a relevância da “cooperação como sendo uma grande oportunidade para se ultrapassar as dificuldades dos territórios”, no seguimento do “esvaziamento de serviços na Freguesia da Maia, pois vai sair a instituição bancária, a padaria também fechou à relativamente pouco tempo e eu acho que estes acordos que se estão, aqui, a assinar hoje, vêm evidenciar que existe, aqui, um potencial, que pode e deve ser aproveitado”.

“Dentro de muito pouco tempo novos serviços irão instalar-se na Maia, não só devido ao acordo que estamos aqui a assinar, mas devido à visibilidade que nós estamos a dar cada vez mais, em particular, à Freguesia da Maia. Por isso, prevejo um futuro risonho, a partir de hoje”, referenciou Alexandre Gaudêncio, ressalvando que “sendo o último mandato, ou o término do mandato do senhor Jaime Rita, eu gostaria de, na sua pessoa, destacar o empenho e o desempenho que todos os nossos autarcas, independentemente das cores políticas, independentemente de serem mais novos ou mais velhos, têm feito ao longo de todo o desenvolvimento da nossa autonomia, aqui, em particular no nosso concelho da Ribeira Grande. Na pessoa do senhor Jaime, gostaria de destacar aqueles que terminam o mandato, aqueles que porventura não irão continuar, pois são sem sombra de dúvidas os bombeiros do poder local, os bombeiros da nossa cidadania”.

O presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande lançou ainda, no âmbito da solenidade, um repto ao vereador da Câmara Municipal da Maia, Paulo Carvalhal. “Nós, também, Câmara Municipal, e aproveito para lançar o repto ao nosso amigo Paulo Ramalho, estamos a seguir na Cidade da Maia para, aproveitando este protocolo de geminação entre as duas freguesias, podermos, também, avançar com um protocolo de geminação com o concelho da Maia. Fica aqui o repto e o desafio, porque, sem sombra de dúvidas, o Norte do país, como o Norte da Ilha de São Miguel, têm tudo a ver e há aqui um potencial que nós podemos agarrar e aproveitar”, sustentou o edil.

Por fim, Jaime Rita agradeceu e aceitou o convite feito por Olga Freire, mencionando que “em julho vai daqui uma apresentação, dentro dos limites possíveis da nossa Freguesia, por parte da Junta de Freguesia e, também, se me é permitido, da Casa do Povo, pois há, também, uma aproximação muito grande da Casa do Povo e se possível, se a situação assim permitir, quem sabe talvez possam ir alguns empresários que nós temos aqui na Maia, que temos bons, não vou referir individualmente, mas temos bons empresários em várias áreas”.

O presidente da Junta de Freguesia da Maia fez, ainda, “um agradecimento muito especial, aos funcionários da Junta de Freguesia, porque sem eles, naturalmente, as coisas não teriam o sucesso que, julgo eu, na minha modesta opinião, estão a ter”, engrandecendo a relevância da cooperação entre várias entidades e autarquias, “pois só ao cooperarmos todos pelo mesmo objetivo é que conseguimos boas parcerias, bons entendimentos e atingir, realmente, os nossos objetivos. O documento está feito, as sementes já estão a crescer e agora vamos preparar-nos para tratarmos da flor, para a seguir colhermos o fruto”.

A cerimónia terminou com a troca de lembranças entre as várias edilidades presentes e a geminação foi solidificada à mesa, durante a degustação do tradicional cozido, no Restaurante Caldeiras da Ribeira Grande.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com