O grupo de retalho alimentar Mercadona divulgou, no passado dia 15 de março, os resultados obtidos durante o ano de 2021. Em destaque está o volume de vendas alcançado em Portugal, na ordem dos 415 milhões de euros, nas suas 29 lojas, e o facto de ter alcançado uma quota de mercado de 3%, após dois anos. A cadeia espanhola revelou que estima abrir mais 10 lojas e investir 150 milhões de euros durante o corrente ano, anunciando, ainda, a abertura do primeiro supermercado na cidade de Lisboa em 2023.

 

 

A Mercadona anunciou, no passado dia 15 de março, que fechou as contas do ano transato com um volume de vendas de 415 milhões de euros em Portugal, de um total global superior a 27.819 milhões de euros, que representam mais 3,3%, em comparação a 2020.

As compras a fornecedores portugueses foram de 500 milhões de euros, em 2001, quando, em 2020, tinham sido de 369 milhões euros, para abastecer, também, a rede em Espanha.

Globalmente, a empresa registou lucros líquidos de 680 milhões de euros, uma redução de 6%, fruto da minimização do impacto da conjuntura inflacionista nos preços de venda, o que gerou um impacto negativo de 100 milhões de euros nas suas margens operacionais.

Durante o ano de 2021, a retalhista alimentar investiu 110 milhões de euros para abrir mais nove lojas em Portugal e conta, atualmente, com uma equipa composta por 2500 colaboradores, que operam, diariamente, no nosso país.

Com 29 lojas no país, a Mercadona alcançou uma quota de mercado de 3%, ao fim de dois anos de presença, e pagou 2017 milhões de euros à Segurança Social, com uma fatia de 62 milhões de euros ao Estado português, através da empresa Irmãdona Supermercados, sediada em Vila Nova de Gaia.

Para continuar a impulsionar o seu compromisso com a sustentabilidade e a dizer “sim a continuar a cuidar do planeta”, a cadeia espanhola investiu, no total, mais de 49 milhões de euros, em diferentes iniciativas e medidas, que contribuem para um impacto mais positivo e sustentável, em todas as suas ações, fortalecendo a sua Estratégia 6.25 em 140 milhões de euros até 2025, para reduzir 25% de plástico.

Consciente do impacto social e económico que a COVID-19 está a gerar, a Mercadona aumentou em 21% as doações de produtos de primeira necessidade para cantinas sociais, bancos alimentares e outras instituições de solidariedade com as quais colabora, atingindo as 20.600 toneladas doadas, 1.400 das quais foram distribuídas em Portugal e 19.200 em Espanha.

Para 2022, o objetivo passa por um investimento de 150 milhões de euros e pela abertura de mais 10 lojas, tendo em vista a persecução do seu projeto de expansão no território nacional. Neste contexto, o presidente da Mercadona, Juan Roig, afirmou que “em 2022 o nosso plano de investimento continua. Certamente vai continuar a ser um ano muito, muito difícil que vamos superar aplicando o nosso Modelo de Qualidade Total, que é o nosso farol para navegar neste cenário de incerteza que estamos a viver. Tenho a certeza de que com o esforço individual e coletivo dos 96.000 colaboradores, vamos conseguir as metas a que nos propusemos”.

O grupo de retalho alimentar revelou, ainda, que prevê chegar à cidade de Lisboa em 2023.