Numa entrevista ao AUDIÊNCIA, Lurdes Alfinete, candidata à Câmara Municipal da Ribeira Grande pelo Partido Socialista (PS), garantiu que o município “precisa de uma mudança pela positiva”. Neste contexto, a antiga presidente da Junta de Freguesia da Matriz e atual deputada na Assembleia Municipal ribeiragrandense admitiu que as suas prioridades estão focadas nas áreas da economia e emprego, ação social e numa inovadora política na área dos transportes, salientando a ânsia da implementação de um grande projeto, que contempla um Plano de Mobilidade para a Ribeira Grande.

 

 

Como surgiu o convite e porque decidiu candidatar-se ao cargo de presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande?

De uma forma natural. O PS/Ribeira Grande reuniu-se para selecionar um candidato e aprovou o meu nome que foi, depois, validado pelo PS/São Miguel. Eu candidato-me, porque acho que a Ribeira Grande não está “condenada” a ser um concelho “menor” de São Miguel e pode perfeitamente ombrear com Ponta Delgada. Estamos a falar do mais jovem e do terceiro maior município dos Açores, com mais de 30 mil pessoas. Não se compreende como é que não existe uma Rede de Minibus, por exemplo.

 

Quais são as principais motivações da sua candidatura?

Querer ter uma Ribeira Grande de futuro e não uma Ribeira Grande do passado. Uma Ribeira Grande com mais mobilidade, com melhores infraestruturas, com mais economia e emprego, com mais e melhor apoio social. Queremos ter uma Ribeira Grande limpa, captadora de investimento, gerando emprego, que garanta a qualidade de vida de cada um de nós.

 

Como avalia o trabalho que o atual executivo tem realizado ao longo dos últimos oito anos?

Os últimos quatro anos, mesmo os últimos oito anos, foram marcados por uma falta de ambição para a Ribeira Grande. É certo que se fizeram grandes eventos e que se fez uma ciclovia, por exemplo. E isto foi positivo para a Ribeira Grande, mas não trouxe desenvolvimento sustentável. Ficaram por resolver problemas sociais, de saneamento básico e ambientais. A obra do Passeio Atlântico estagnou e a nossa Praia do Monte Verde continuou poluída. A poucas semanas das eleições dizem-nos que o que não foi feito em oito anos, “agora é que vai ser”. Parece-me pouco credível.

 

Como vê a evolução do concelho da Ribeira Grande nestes últimos anos? O que teria feito de diferente?

Vemos um concelho a dois ritmos, com a zona Nascente esquecida e as zonas Centro e Poente a crescerem sem plano ou visão, incapaz de dar resposta aos cidadãos e aos investidores. É possível fazer melhor. Queremos atuar no apoio social e na inclusão. A Escola Profissional da Ribeira Grande pode especializar-se na área Agroalimentar, valorizando este setor. Defendemos a saúde e o desporto e lutaremos pela construção de um novo Centro de Saúde na Ribeira Grande. Precisamos de investir nas obras estruturantes e nas acessibilidades, apostando na sustentabilidade da natureza e no turismo. As empresas marítimo-turísticas e a manutenção de trilhos são peças centrais. Queremos dar um novo impulso à economia, aos nossos empresários, divulgando o que de bom temos e privilegiando o que é nosso. Temos de retomar a normalidade possível, com regras, sem sermos reféns deste vírus. Há que descomplicar e acelerar licenciamentos. Queremos criar um Gabinete de Fomento ao Empreendedorismo e Apoio ao Empresário. Queremos reforçar a captação de fundos comunitários e criar condições dignas de habitação para fixar jovens e famílias, replicando, por exemplo, o modelo das cooperativas, em todo o concelho. É urgente rever o Plano Diretor Municipal (PDM) para não continuarmos a perder investimento e riqueza. Queremos atrair pessoas para gerar mais economia. A Ribeira Grande deve transformar-se “naquele” concelho onde as pessoas querem viver e trabalhar e onde as empresas se querem instalar.

 

Se for eleita, o que anseia concretizar durante o seu primeiro mandato, em prol do desenvolvimento da população e do concelho?

Um grande projeto, que é a implementação de um Plano de Mobilidade para a Ribeira Grande, assente em seis eixos: uma Rede de Minibus das Calhetas à Ribeirinha; o reforço das ligações da zona Nascente; a conclusão do Passeio Atlântico; o Caminho da Tondela; a parceria com os táxis (apoio aos idosos e restauração); e uma Rede Municipal de Carregamento de Viaturas Elétricas.

 

Em caso de vitória, pode mencionar alguns projetos que serão implementados nas áreas da educação, saúde, desporto, cultura, ação social e ambiente?

Na educação, queremos criar o Programa Aluno Digital, com a atribuição de um computador portátil aos alunos do 1º ciclo das escolas da Ribeira Grande, mediante uma mensalidade simbólica, com opção de compra, e implementar um Programa de Resistência à Violência e às Dependências logo no 1º ciclo. Na saúde, vamos instituir o Cheque-Saúde, utilizável numa Rede de Apoio ao nível dos dentistas, da saúde mental e diversas terapias. Vamos continuar a apoiar os clubes desportivos e incluir apoios para diretores/dirigentes. Em parceria com associações e ginásios, queremos promover estilos de vida ativos e saudáveis, em todo o concelho. Na cultura, queremos criar um “Ninho Criativo” para grupos culturais e musicais, formais ou informais, poderem ensaiar e crescer, integrando-os na Agenda Cultural do Concelho. Vamos valorizar e divulgar o trabalho das nossas filarmónicas, grupos de teatro e folclore e ter uma agenda própria do Teatro Ribeiragrandense. Queremos criar o bilhete único de acesso aos Museus da Ribeira Grande, ampliando os seus horários e abrindo aos fins de semana. Queremos criar maior proximidade com o Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas. Na ação social, queremos reforçar o combate às dependências e apoiar uma residência para jovens-adultos com deficiência. Para os idosos, propomos criar um serviço “ponta a ponta” prestado pelos táxis, comparticipado pela Câmara, que lhes permita fazer, confortavelmente, as suas deslocações a consultas e farmácias, alargar as parcerias com as Santas Casas da Misericórdia e Casas do Povo e majorar em 25% o valor atribuído aos cuidadores. Defendemos condições habitacionais para fixar jovens e famílias, recuperando casas devolutas e replicando o modelo das cooperativas, o reforço do apoio à habitação degradada e um Plano de Manutenção das Habitações e Equipamentos Sociais da Câmara. No ambiente, queremos criar um incentivo à Implementação de Microgeração de Energias Renováveis, melhorar a recolha de lixo e distribuir ecopontos caseiros por todo o concelho. Estes são os principais projetos, entre outros.

 

Que equipamentos ou infraestruturas acredita que enriqueceriam e proporcionariam melhor qualidade de vida na Ribeira Grande?

Em termos de grandes obras, queremos concluir o Passeio Atlântico para dotar a Ribeira Grande de uma marginal, que seja um espaço de lazer e construir o Caminho da Tondela, para desafogar o trânsito da cidade. Consideramos que podemos melhorar as condições das nossas escolas primárias. A nossa visão para a antiga Escola Gaspar Frutuoso passa por torná-la parte de num “Quarteirão Administrativo”, albergando serviços como Finanças, Segurança Social, RIAC, entre outros. Queremos construir um novo Complexo Desportivo Municipal da Ribeira Grande, moderno e ao serviço de todos os clubes do concelho. Vamos criar um Parque Urbano e um Jardim Botânico. Obras avultadas e que consideramos fundamentais para o nosso concelho, mas que têm de contar com o apoio do Governo Regional, são a construção de um novo Centro de Saúde da Ribeira Grande e a consolidação da nossa Orla Costeira das Calhetas e de Rabo de Peixe, para além da ampliação da Escola Secundária.

 

Relativamente ao projeto autárquico que lidera para este concelho, pode falar-nos sobre a equipa que a está a acompanhar ao longo deste desafio?

É uma equipa excecional a quem muito agradeço a sua participação. Das 14 Juntas de Freguesia, à Assembleia Municipal e à Câmara Municipal, temos idoneidade e vontade. Temos pessoas sérias que querem o melhor para a sua terra. Ao todo, somos 675 candidatos e temos sentido nas ruas um entusiasmo contagiante. As pessoas têm aderido ao nosso projeto e às nossas ideias e serão elas a decidir o futuro da Ribeira grande, no próximo dia 26 de setembro.

 

Que mensagem gostaria de deixar à população?

A Ribeira Grande pode ser muito mais: mais atrativa, mais segura, mais limpa, mais geradora de emprego. Somos um projeto sólido e credível para as 14 Freguesias, assente na qualidade de vida na Ribeira Grande. Temos tanto para dar. Nestas eleições, o que está em causa é continuarmos “mais ou menos”, ou mudarmos. E a Ribeira Grande precisa de uma mudança pela positiva. Temos de ter “Orgulho na Ribeira Grande”.

 

 

Lista candidata pelo Partido Socialista (PS)

  • Lurdes Alfinete
  • Artur Gonçalves Pimentel
  • Jéssica de Fátima Gonçalves Faria
  • Emanuel Borges Saudade
  • Pedro Belchior Silva Oliveira
  • Cátia Vanessa Soares Câmara
  • Marco André Tavares Farias
  • Henrique Moniz Lourenço
  • Corália Margarida Ferreira Furtado Lopes
  • Pedro Miguel Calisto Cansado
  • Andrea da Conceição Ferreira Maré Gouveia Victória
  • Nuno Manuel Ferreira Raposo Almeida
  • Mariana Sofia Moniz Pires
  • André da Costa Melo
  • Raquel Beatriz Melo Machado
  • Gilberto Emanuel Silva Teles
  • Carlos Emanuel Rego Silva
  • Marisa Pereira Frias Amaral
  • Isabel Maria de Faria Marques Pereira
  • Cláudio Miguel Fróes Pimentel
  • António Paulo Goulart Rocha da Silva Faria
  • Nélia de Fátima Moniz Pinheiro Duarte
  • Rui Domingos Silva Macedo
  • Beatriz Cabral da Silva
  • Tiago Miguel Silva Melo
  • Rodrigo de Brito Marques
  • Laura Isabel Medeiros Furtado
  • Filipe Barbosa Medeiros
  • João Nuno Pereira Ledo
  • Maria Luísa de Melo Moniz
  • Rosália de Fátima Machado Calouro
  • Francisco Couto de Sousa
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com