Ponta Delgada assinou o seu 473.º aniversário a 2 de abril, com sete eventos espalhados por toda a cidade. O destaque foi para a atribuição da Medalha de Mérito Municipal a três cientistas: Alexandre Linhares Furtado, António Frias Martins e Victor Hugo Forjaz.

A cerimónia de entrega da Medalha de Mérito Municipal a Alexandre Linhares Furtado, António Frias Martins e Victor Hugo Forjaz teve lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho, pelas 18h, e contou com a intervenção de Conceição Tavares, mais conhecida pela sua antiga função enquanto jornalista da RTP/Açores.

De acordo com o presidente da maior autarquia açoriana, José Manuel Bolieiro, “não foi por razão geográfica ou facilitados recursos endógenos que Ponta Delgada cresceu e se distinguiu dos demais lugares”, mas sim pelas pessoas que “com a sua coragem, sagacidade, estudo e conhecimento transformaram Ponta Delgada no que ela é hoje”.

O presidente do município de Ponta Delgada justificou, durante o seu discurso, a escolha dos três homenageados, por serem “pessoas merecedoras do nosso reconhecimento e felizmente vivas e conviventes connosco”, elogiando o “forte contributo ao prestígio de Ponta Delgada e das suas gentes, na investigação científica, na formação do conhecimento e na afirmação universal dos seus saberes”.

Os três homenageados apresentam percursos profissionais distintos: o médico Alexandre José Linhares Furtado (representado pelo neto Filipe Furtado), nascido em 1933, foi o autor do primeiro transplante renal realizado em Portugal e da primeira colheita de rins de cadáver, entre outros feitos na área da medicina; António Manuel de Frias Martins, nascido em 1946, é biólogo, Professor Jubilado da Universidade dos Açores e especializado em Sistemática e Evolução de Moluscos, sendo atualmente presidente da Sociedade Afonso Chaves; por sua vez, Victor Hugo Lecoq de Lacerda Forjaz, vulcanólogo, Professor Jubilado da Universidade dos Açores, tem a sua especialização em Riscos Geológicos e Vulcanológicos e em Ciências Geotérmicas, sendo ainda fundador do Instituto de Geociências dos Açores e, atualmente, presidente do Observatório Vulcanológico e Geotérmico dos Açores.

José Manuel Bolieiro relembrou, durante a cerimónia, que o título de cidade a Ponta Delgada foi concedido por carta régia de D. João III, a 2 de abril de 1546, e afirmou que “tem sido com entusiasmo e circunstância, que todos os anos temos celebrado o dia 2 de abril como um dia especial de memória”, assegurando que “ao longo de todo este tempo a cidade se foi forjando no plano social, económico e cultural, como uma cidade muito bem-sucedida tanto nos Açores como no País”.

Além desta cerimónia, aconteceu também, na Escola Básica Integrada Roberto Ivens, o lançamento do livro infantojuvenil “À Descoberta de Ponta Delgada” de Maria João de Figueiroa Rego e Luís Anglin, bem como o descerramento da placa toponímica da Rua Fátima Sequeira Dias, em São Gonçalo, com intervenção de Leonor Sampaio da Silva.

O Largo da Matriz de São Sebastião também foi palco das comemorações, com a atuação da Banda da Zona Militar dos Açores; o Guia Digital de Informação Toponímica da Cidade de Ponta Delgada foi lançado no Auditório do Centro Cívico de Santa Clara, pela Comissão Municipal de Toponímia, Distinções Honoríficas e Património Cultural.

Este dia foi também marcado pela apresentação do arranjo de dignificação do “Banco de Antero”, no Campo de São Francisco bem como pelo concerto “O Barroco de Dom Magnânimo”, na Igreja do Colégio dos Jesuítas, pelo ConcentusPerTempora – Ensemble.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com