O Festeatro – VIII Festival de Teatro Amador de Vila Nova de Gaia prosseguiu com as peças «A Floresta Negra» e «Santa Marinha Uma Estória» levadas à cena do Auditório Municipal de Gaia pelo Teagus – Teatro Amador de Gulpilhares e Sporting Clube Candalense, respectivamente.

Com encenação de Manuela Leite, «A Floresta Cinzenta» é uma história que resulta da atualidade e da urgência de defesa do meio ambiente e, por extensão, do planeta Terra, independentemente da raça e da religião de cada cidadão. A peça demonstra que a luta contra a poluição pode ser travada de muitas e variadas formas e, tal como se diz na peça, o importante é assumir e manter sempre a seguinte consciência: «Se amas a imensa beleza do mundo ao teu redor, cuida bem da natureza com carinho e muito amor».

«Santa Marinha Uma Estória», de autoria e encenação de Sérgio Oliveira, conta uma história em que decorria o ano de 120 e o imperador Adriano estava no poder, Santo Ovídeo era arcebispo de Bracara Augusta, região que fazia parte de uma província do Império Romano que abrangia parte da Galiza e da antiga Lusitânia. Era régulo desta província Lúcio Caio Atílio Severo. Lúcio era casado com D. Cálcia Lúcia. Ambos descendiam de famílias ilustres, embora pagãs. Cálcia, que se revelara estéril durante muitos anos, concebeu finalmente. Do parto, e pelas mãos da virtuosa e devota cristã oculta Cita, terão nascido nove irmãs: Genebra, Vítória, Eufémia, Marciana, Germana, Bazília, Quitéria, Liberata e Marinha.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com