A Biblioteca Pública de Perosinho, no passado dia 29 de outubro, serviu de palco para a apresentação do trabalho do perosinhense Gil Guedes, “Álbum de Recordações” – Contributo para a história de Perosinho.

A sessão foi presidida pelo historiador Francisco Barbosa da Costa que teve a seu lado o diretor da Biblioteca, Vítor Fontes e o autor e perante a presença de várias dezenas de convidado, de entre as quais destacamos os padres Augusto Batista e Manuel Lopes, ex e atual párocos de Perosinho e Custódio Pinto dali natural.

Gil Guedes começou por justificar esta sua “aventura” como uma pequena síntese, de um trabalho simples e modesto, com a finalidade de não deixar morrer memórias da sua terra, neste caso, da sua Igreja e de outros espaços de culto ao longo dos tempos.

Vítor Fontes elogiou o trabalho ali apresentado, como algo marcante para a história secular da freguesia e paróquia de S. Salvador de Perosinho e Barbosa da Costa, que no prefácio escreveu:

Este trabalho é um testemunho vivo e sentido de uma pessoa que ama muito a terra onde nasceu e onde viveram e trabalharam os seus antepassados próximos. Não é comum haver alguém que se disponha a “cavar” o chão da História do seu torrão natal, com tanta intensidade e com uma inigualável busca da verdade”… “A história da sua igreja paroquial, das suas capelas e das suas instituições é escalpelizada, com toda a atenção, nas suas inúmeras vicissitudes, nos seus momentos bons e menos bons.”…”Dedica a sua maior atenção a vários aspetos patrimoniais e à Quinta da Pena nas suas múltiplas valências, com destaque para o papel determinante que o saudoso pároco padre Joaquim Marques de Oliveira teve quanto à sua consolidação como pertença da  comunidade local.”

Fica mais um contributo, dos muitos que Gil Guedes tem dado a Perosinho nas mais variadas vertentes, e, de modo especial, com a sua presença sempre ativa no movimento associativo ao longo de várias dezenas de anos.