As comemorações do 98º aniversário do Grupo Dramático de Vilar do Paraíso decorreram de 5 a 10 de novembro, com a realização de diversas atividades, no âmbito da celebração dos anos de vida associativa da instituição.

O Grupo Dramático de Vilar do Paraíso festejou 98 anos no passado dia 5 de novembro e promoveu inúmeras iniciativas, no contexto da comemoração do aniversário da coletividade. O hastear de bandeiras foi a primeira atividade integrada no programa comemorativo, aconteceu no passado dia 5 de novembro e contou com a presença de Domingos Oliveira e Jorge Pacheco, em representação da Junta de Freguesia de Mafamude e Vilar do Paraíso, e de Hugo Oliveira e César Oliveira, em representação da Federação das Coletividades de Vila Nova de Gaia.

Nos dias 8 e 9 de novembro realizou-se uma exposição de pintura, com obras da autoria de Maria José Macedo. Todavia, no dia 9 de novembro, a instituição também foi o palco de uma sessão solene, que contemplou a entrega de lembranças aos sócios com 25 e 50 anos de associado.

Por fim, o dia 10 de novembro começou com a missa e romagem ao cemitério da freguesia e terminou com um almoço de convívio.

Miguel Torgo, presidente da direção do Grupo Dramático de Vilar do Paraíso, afirmou ao AUDIÊNCIA que “a importância desta comemoração é, sobretudo, dar continuidade àquilo que o Dramático tão bem tem feito, a cultura, o recreio, o movimento associativo. E claro que é importante celebrar 98 anos, nós estamos a caminho de um centenário e esperamos, claro, festejá-lo”.

No que concerne as comemorações, o presidente da direção do Grupo Dramático de Vilar do Paraíso revelou ainda que “nós, este ano, decidimos inserir nas comemorações Maria José Macedo, que é uma associada que nós temos que tem várias obras de pintura da sua autoria e que é uma das senhorias, neste momento, da coletividade e nós quisemos homenageá-la, também, por tudo aquilo que ela tem feito para com a coletividade ao longo dos anos e então decidimos fazer uma exposição de pintura”.

Jorge Pacheco, membro do executivo da Junta de Freguesia de Mafamude e Vilar do Paraíso, marcou presença nas celebrações em representação de João Paulo Correia, presidente da União de Freguesias, e salientou ao AUDIÊNCIA que “eu acho que esta casa é uma casa onde se respira e onde se faz cultura e recreio, que é uma das bases da nossa comunidade”, destacando que “nós estamos a falar de uma associação que muito representa em Vilar do Paraíso, que prestigia a própria Freguesia e que tem uma parceria muito grande com a Junta de Freguesia”, porque “a diversidade cultural e a diversidade artística que esta casa graça enriquece a nossa Freguesia e é uma mais-valia para todos nós”.

Também César Oliveira, presidente da Assembleia Geral da Federação das Coletividades de Vila Nova de Gaia, fez questão de participar nas comemorações e ressaltou que “esta instituição tem uma história longa, uma história de glória, de algumas adversidades, mas de glória”, enaltecendo a relevância de “celebrar 98 anos de uma instituição com conteúdos, com atividades, com pessoas e chegar aos 98 anos e olhar para trás com um passado muito positivo é muito importante, não é celebrar 98 anos por celebrar, mas por terem sido anos sucessivos onde muitas famílias de gerações em gerações passaram por cá, deixaram a sua marca e são recordadas e, portanto, as associações quando celebram um aniversário e têm conteúdo são sempre momentos de glória e o Dramático tem história não só no contexto do município, no contexto das associações do município, mas também no movimento associativo nacional, não é só local, porque são muitos anos e não foram anos de fracasso, foram anos de glória, por isso é que é importante celebrar estas datas”.

Miguel Torgo aproveitou ainda a ocasião para falar sobre a situação atual do Grupo Dramático de Vilar do Paraíso. “Nós estamos, neste momento, em eleições. Já decorreu uma Assembleia Geral no passado dia 2 de novembro, mas, infelizmente, não foi apresentada nenhuma lista. Até ao final do ano vamos ter de continuar com Assembleias e esperamos, realmente, que surjam elementos para dirigir o Grupo Dramático de Vilar do Paraíso. As expectativas são uma incógnita. Eu penso que sendo o mandato em que se vai comemorar o centenário se calhar é mais fácil arranjarmos os três órgãos para poderem continuar e celebrarem o centenário”, evidenciou o presidente da direção da coletividade, admitindo que “eu gostava de dar o meu lugar a outros, porque somos muitos sócios e se cada um de nós der um bocadinho não custa tanto, mas vamos ver o que vai acontecer”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com