“Um huis clos ,dominado pela raiva e pela revolta ” “Esse medo, senhora, é uma coisa ridícula./Eu possuo o condão de curar tais escrúpulos;/É verdade que o céu proíbe alguns prazeres;/(é um celerado que fala) / Mas eu sei rodear essas proibições./Existe a faculdade, em certas circunstâncias,/De abrandar essas leis, de as tornar mais frouxas;/Com a pureza podeis das vossas intenções/Retificar o mal de inúmeras ações/(Tartufo, cena 5, acto IV).

O projecto educativo Escolas no Teatro, coordenado por Luísa Corte-real , termina a sua quinta edição com a apresentação pública dos trabalhos realizados por dezenas de alunos do ensino secundário da Área Metropolitana do Porto, ao longo do ano lectivo 2013 14.

A exposição que agora ocupa os corredores do Teatro Carlos Alberto reúne trabalhos de vídeo, maquetas de cenários, figurinos, fotografias e textos que tomaram como ponto de partida os espetáculos da programação do TNSJ a que os alunos assistiram, de visitas aos bastidores da criação teatral e da participação em oficinas. Mais do que uma estratégia de captação de público, Escolas no Teatro pretende ser uma experiência de fruição teatral por parte de jovens e crianças em formação.

A presente edição contou com a participação da Escola Artística Soares dos Reis, Escola Profissional de Comércio Externo, Escola Secundária Inês de Castro, Escola Secundária de Paredes e Escola Secundária de Rio Tinto” (informação do TNSJ). Paralelamente a este projeto educativo o TNSJ promove o Ciclo as Escolas de Teatro no TNSJ, no qual já participaram a ESMAE, a ACE, o Ballet Teatro do porto-Escola Profissional e o Curso Superior de Teatro da escola Superior Artística do Porto/ESAP.

Este ano o espetáculo dos finalistas foi a partir do tartufo do comediógrafo francês Molière (1622/1673) Escrevemos nós na folha de sala apresentado a obra; Depois de visitar o mundo de Marivaux, em O Jogo do Amor e do Acaso, os finalistas da licenciatura em teatro da ESAP abordam o universo de Molière. Já não é o jogo de troca de identidades, mas a ação crua de desvendar e revelar a verdadeira identidade da personagem central. Num huis clos ,dominado pela raiva e pela revolta, Molière obriga-nos a um certo ato de voyeurismo, que é necessário vestir/despir, para alcançar a verdade e, assim, purificar catarticamente a casa do Sr. Orgon, malsãmente invadida pela hipocrisia e pela ambição. Tartufo ( Le Tartuffe) é, talvez, a comédia mais famosa de Molière.

A primeira encenação data de 1664 e foi, quase imediatamente, censurada pelos devotos religiosos que, no texto, se viram retratados na personagem central como hipócritas e dissimulados. “Mas, afinal, quem é Tartufo? Um arrivista que apanha o elevador da religião para alcançar um ponto mais alto na escala social. Mas a sua verve e talento são irrefutáveis: Tartufo é uma das mais complexas criaturas da literatura dramática universal, ponto de confluência de perfídia e ingenuidade, ganância e desejo”.

Com dramaturgia e encenação minha, as representações que decorreram no Mosteiro de São Bento da Vitoria/MSBV_TNSJ, serviram também para assinalar e testemunhar os aniversários de quatro companhias portuenses, Teatro Experimental do Porto /65 Anos, Pé de Vento/40 anos, Teatro das Marionetas do Porto/ 30 anos e Ensemble- Sociedade de Actores/22 anos.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com