O médico Paulo Margato é o cabeça de lista de uma lista de independentes que se apresenta pelo PPM às eleições legislativas regionais, que acontecerão no próximo 25 de outubro.

 

O objetivo do PPM nos Açores é claro: “acabar com a maioria absoluta de 24 anos do Partido Socialista e fazer regressar os Açores a uma vida democrática normal num simbólico ato antiditatorial”, de acordo com comunicado enviado pelo partido.

Por São Miguel, encabeça a lista Paulo Margato, que assume esta candidatura como um “imperativo cívico, nomeadamente no âmbito do combate eficaz e empenhado aos enormíssimos problemas que se acumularam no setor da saúde e ndas diversas áreas de intervenção social”, pode ler-se na nota.

De acordo com o cabeça de lista, “é uma vergonha e um enorme desrespeito para todos os açorianos, o facto da governação socialista ter desistido da saúde dos açorianos”. Por este motivo, Paulo Margato diz “presente” para “derrubar este sistema de falsidades, de privilégios e de esbanjamento de dinheiros públicos”.

O Partido Popular Monárquico dos Açores diz estar “consciente da enorme exigência das difíceis circunstâncias que os Açores enfrentam na atualidade” e enumera aqueles que consideram os maiores problemas da Região: “crise de saúde pública, falência das contas públicas, uma emergência social sem precedentes que deixou milhares de açorianos em situações de grande vulnerabilidade, uma grave crise económica e o colapso do sistema autonómico democrático açoriano, que se caracteriza pelo absoluto controlo do poder pelo partido governamental através da apropriação partidária da administração regional e a criação de um sistema de punição e inibição da oposição política democrática”.

“Aceitei este projeto porque me revejo no trabalho desenvolvido pelo deputado Paulo Estêvão. Porque é o único deputado na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores que faz verdadeira oposição a este regime socialista de vícios instalados e apodrecido. Um deputado que nos tem dado esperança. Que não tem medo e que, ao contrário da maioria dos que se sentam no hemiciclo, produz trabalho.”, revelou o candidato.

A par de Paulo Margato em São Miguel, também Tomás Dentinho e Carlos Pinto são candidatos pela Terceira e Santa Maria, respetivamente.

De entre um vasto currículo, Tomás Dentinho é docente da Universidade dos Açores desde 1985, membro da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR), da Regional Science Association International (RSAI) e da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento da Investigação Operacional (APDIO), tendo também sido Diretor Executivo da Regional Science Association International (2011-2018), tendo trazido a sede desta associação para Angra do Heroísmo em Julho de 2011.

Quanto a Carlos Pinto, o médico é atualmente delegado de Saúde da ilha de Santa Maria, tendo também sido deputado do PS entre 1988 e 1992, altura em que os socialistas denunciavam “o monopólio do poder por parte do PSD durante duas décadas”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com