A Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande celebrou a tradicional missa do lava-pés de duas formas: no dia 16 no Centro de Dia localizado na Ribeira Grande e tendo como participantes os idosos, e no dia 17, na igreja do Bom Jesus em Rabo de Peixe, numa cerimónia dedicada aos mais jovens.

A celebração do lava-pés é já uma tradição para a Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande. Desta vez, juntaram-se no Centro de Dia cerca de 120 pessoas, sendo que este ano os idosos da Junta de Freguesia de Matriz foram os convidados da Misericórdia. Por outro lado, em Rabo de Peixe, no dia que se sucedeu, foram cerca de 300 crianças a participar na missa.

O Provedor da Santa Casa refere a importância deste dia para os idosos devido “à vivência de trazer cá para dentro o que se jaz na igreja, com muito respeito”, tornando este um momento muito aguardado por todos eles. De acordo com Nelson Correia, os utentes “gostam muito deste dia, estão muito concentrados durante a manhã, para se vestirem… tudo o que é festas religiosas para eles, é um máximo”.

No final da cerimónia celebrada pelo Pe. Manuel Galvão, Capelão da Santa Casa, houve também um almoço-convívio entre os idosos do Centro de Dia e da Junta de Freguesia de Matriz.

Da mesma forma, também a celebração realizada em Rabo de Peixe pelo Pe. Galvão, foi encarada pelos jovens com entusiasmo. O Provedor da Misericórdia recordou o primeiro ano em que se fez esta festa, descrevendo-a como “um momento emotivo”, já que eram as crianças os apóstolos. Esta é também uma forma de “cativar” os mais jovens para participarem na missa, já que, como instituição católica, “a Santa Casa não pode falhar estes momentos”.

Além de serem os próprios idosos/jovens, respetivamente, a participar na cerimónia como apóstolos, participam também os funcionários da Santa Casa: “todos os funcionários dedicam um bocadinho do seu tempo a organizar e preparar a ornamentação do altar”, além de que o coro que anima ambas as missas é composto pelos funcionários do Serviço de Apoio ao Domicílio bem como pelo maestro, Vítor Botelho, secretário-geral da Santa Casa, como explicou Nelson Correia.

Questionado sobre a reação dos utentes ao novo Centro de Dia, inaugurado a 14 de janeiro, o Provedor afirma que “ficaram muito surpreendidos” pelas condições que oferece, sendo “mais acolhedor e mais quente”. No entanto, admite que “estamos um pouco desiludidos devido à fraca participação dos idosos da Ribeira Grande”. Neste âmbito, fez um apelo para que participem no Centro de Dia, que “reúne todas as condições” para que “se passem aqui umas boas horas” em convívio.

Durante as declarações de Nelson Correia ao AUDIÊNCIA, fez referência às funcionárias do Serviço de Apoio ao Domicílio, afirmando que o seu serviço é “muito cansativo e desgastante e acho que tem de ser reconhecido pelo Governo”. De acordo com o Provedor, “estas senhoras não podem estar com 50 e tal anos a lavar e cuidar de idosos porque temos muitas senhoras com mazelas”, lembrando que o esforço que fazem “é bastante grande”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com