É hoje conhecida a solução de autor do enigma que constituiu a segunda prova do nosso torneio de decifração. E com ela chega também o resultado das performances dos “detetives”.

TORNEIO “SOLUÇÃO À VISTA!”        

Solução da Prova nº. 2                    

“Whisky Mortal”, de Rigor Mortis

Manifestamente, Tomás Cerqueira tinha sido envenenado. Um veneno de ação relativamente rápida e violenta – não havia, por exemplo, quaisquer sinais de ele ter tentado usar o telefone, que estava mesmo ao pé, na mesinha ao lado do sofá. Talvez cianeto.

O envenenamento teria ocorrido muito provavelmente ainda no sábado. A autópsia comprová-lo-ia, mas o facto de ainda restar um pouco de whisky na única garrafa aberta e de só terem sido usadas duas das seis cuvetes de gelo indicava que a morte teria ocorrido ao princípio da noite de sábado.

O inspetor João Velhote pôs de lado a possibilidade de o Tomás Cerqueira se ter suicidado. O facto de as buscas efetuadas pelos agentes não terem encontrado nada relacionado com algum veneno foi determinante para tal. Além de que, se ele tivesse querido suicidar-se por envenenamento, teria provavelmente escolhido outro tipo de veneno, que provocasse menos dor, e teria tomado também alguma droga que o pusesse a dormir, ou em estado letárgico.

A inexistência de outros relacionamentos pessoais do Tomás e a circunstância de tudo se ter passado dentro de uma parte da moradia completamente fechada por dentro, apenas com a sua presença, levava a considerar que apenas três pessoas eram suspeitas, o José Machado, o Santos e o Norberto Ávila.

Velhote pôs também de lado a hipótese de ter sido o Norberto o assassino. Ele não estava na moradia quando, no sábado ao fim de manhã, o Tomás se tinha fechado nos seus aposentos. E não o poderia ter visitado ao longo desse dia, para o fazer ingerir o veneno, já que lhe teria sido impossível sair deixando as portas e janelas fechadas por dentro. Além disso, os hábitos do Tomás eram muito fortes, e as visitas do Norberto eram sempre aos domingos. No sábado provavelmente nem o Tomás lhe abriria a porta.

Não podendo ter sido nas garrafas de whisky, nem nas de Perrier, umas e outras abertas pelo próprio Tomás, o veneno foi colocado no gelo. Ou, mais exatamente, no fundo das cuvetes ainda vazias, já que era sempre o próprio Tomás a enchê-las e colocá-las no frigorífico. O facto de o envenenamento só ter tido efeito ao fim da tarde de sábado indicava que nem todas as cuvetes teriam sido envenenadas.

O Machado não teve oportunidade para isso. De acordo com o seu próprio testemunho, e com o do Santos, o Machado saiu antes de o Tomás ter lavado as cuvetes, pelo que se tivesse sido ele a lá colocar o veneno, este teria sido lavado totalmente.

Mas o Santos teve essa oportunidade. Segundo o seu testemunho, o Tomás colocou as cuvetes já lavadas em cima do frigorífico e tornou a ir à casa de banho para lavar o copo e a colher. Foi nessa altura que ele se despediu e saiu. Mas não precisaria mais do que alguns segundos para depositar o veneno numa das cuvetes – cianeto em pó seria ideal para o propósito. Uma seria bastante, mais do que suficiente se se tratasse de facto de cianeto. Plausivelmente, aquela que João Velhote encontrou no frigorífico ainda meia cheia de cubos de gelo.

O Tomás não terá visto o pó de veneno no fundo dos alvéolos da cuvete? Estas eram de plástico branco, e o pó de cianeto é também branco…

O inspetor João Velhote estava seguro das suas deduções. E convicto de que as investigações que ia mandar fazer a seguir as confirmariam: morte por envenenamento, vestígios do veneno no copo usado pelo Tomás, existência do mesmo veneno nos cubos de gelo da cuvete meio cheia, traços do mesmo nos alvéolos vazios dessa mesma cuvete, talvez alguma impressão digital que não fosse do morto…

O motivo do assassinato? O interrogatório com que tencionava ‘apertar’ o Santos talvez o levasse a confessar o crime, mas Velhote tinha um pressentimento… Na segunda-feira iniciaria um périplo pelos advogados que tinham trabalhado com o Tomás Cerqueira, e pelos notários que este tivesse usado. E talvez encontrasse um testamento feito recentemente, em que o velho declarasse como seus herdeiros aqueles únicos três homens com quem ele de alguma forma se relacionava.

Algo que o Santos, como seu secretário particular, certamente conheceria…

Pontuação/Classificação (após a 2ª. Prova)

O envenenamento como causa da morte e a identificação do assassino não escaparam à maioria dos concorrentes, mas boa parte dos “detetives” acabaram por desperdiçar um ponto por não referirem a utilização das cuvetes de gelo no processo de assassinato de Tomás Cerqueira. E outros houve que se “atrapalharam” também na indicação do homicida e/ou do uso de veneno no crime, perdendo ainda mais pontos, como se pode constatar na tabela classificativa que se segue:

1º. Detetive Jeremias (13+12): 25 pontos;

2º. Búfalos Associados (10+13): 23 pontos;

3ºs. Inspetor Moscardo (11+11) e Rigor Mortis (12+10): 22 pontos;

5ºs. Carlota Joaquina (10+10), Ego (10+10), Holmes (10+10), Inspetor Mucaba (10+10), Ma(r)ta Hari (10+10), Tempicos & Tempicas (10+10) e Zé de Mafamude (10+10): 20 pontos;

12ºs. Abrótea (9+10), Broa de Avintes (10+9), Charadista (10+9),  Donanfer II (10+9),  Inspetor Guimarães (10+9), Mancha Negra (10+9) e Pena Cova (10+9): 19 pontos;

19ºs. Arc. Anjo (10+8), Bernie Leceiro (10+8), Chico da Afurada (10+8), Detetive Bruno (8+10), Detetive Vasoff (8+10) e Príncipe da Madalena (9+9): 18 pontos;

25ºs. Airam Semog (10+7), Amiga Rola (8+9), Beira Rio (9+8), Dragão de Santo Ovídio (10+7), Haka Crimes (8+9), Martelo (8+9), Pequeno Simão (8+9), Santinho da Ladeira (9+8), Talismã (9+8), Tó Fadista (8+9): 17 pontos;

35ºs. Bota Abaixo (8+8), Faina do Mar (8+8), Inspetor Madeira (9+7) Inspetor Mostarda (8+8),  Mascarilha (8+8),  Necas (9+7) e Solidário (8+8): 16 pontos;

42ºs. Agata Cristas (8+7), Mosca (8+7) e Vitinho (8+7): 15 pontos.

CONCURSO “MÃOS À ESCRITA!”      

As avaliações feitas pelos 44 solucionistas e pelo orientador da secção ao enigma “Abílio Vai à Bola”, de Daniel Gomes, resultaram na seguinte pontuação média final: 6,20 pontos. Falta agora saber qual a pontuação que os nossos “detetives” atribuíram ao enigma “Whisky Fatal”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com