Aceitei, com grande orgulho e enorme sentido de responsabilidade, o convite que me foi endereçado pela Iniciativa Liberal para encabeçar a lista de candidatos deste partido, pelo círculo eleitoral dos Açores, às eleições Legislativas do próximo dia 30 de janeiro.

Faço-o na firme convicção de que está na hora de os Açorianos se libertarem, definitivamente, das amarras dos mesmos de sempre, que se fazem eleger pelos mesmos partidos de sempre e que vão para Lisboa falar dos mesmos assuntos de sempre, sem que haja qualquer resolução dos problemas identificados.

Assim, no próximo dia 30 de janeiro, mais do que escolher 5 Deputados dos Açores para a Assembleia da República, estão em cima da mesa muitas outras importantes escolhas e decisões para os Açores e para Portugal. Em 45 anos de Autonomia, realizaram-se 15 eleições para a Assembleia da República. O PSD obteve 43 mandatos; o PS obteve 30 mandatos. Quais os verdadeiros benefícios para os Açores destes 73 Deputados à Nação? Muito poucos! Tanto assim é que hoje continuamos a ouvir PS e PSD falar do novo estabelecimento prisional de Ponta Delgada, da descontaminação de solos e aquíferos na ilha Terceira, da ampliação do Aeroporto da Horta, da falta de meios humanos e materiais para as forças de segurança ou para se fazer justiça na Região. Sobre a gestão partilhada do mar dos Açores, nada! Sobre os intentos centralistas por mor do potencial espacial dos Açores, aceitaram tudo o que a República nos quis impor. Sobre a substituição do cabo submarino de fibra ótica, só falam nele porque o próprio regulador veio alertar para o seu fim de vida e para os perigos dos Açores ficarem literalmente às escuras na era da globalização e da comunicação.

Por esta razão, nestas eleições, a primeira escolha importante que os Açorianos terão para fazer é entre manter os mesmos de sempre agarrados aos interesses partidários de sempre ou possibilitar uma votação na novidade que a Iniciativa Liberal representa para o presente e, sobretudo, para o futuro, pela forma como se predispõe a incutir uma efetiva mudança de paradigma político, social e económico.

Votar na Iniciativa Liberal a 30 de janeiro será garantia de implementação de políticas liberais; de uma nova visão para o País (e os Açores fazem parte integrante deste País); de uma defesa livre e acérrima da Autonomia, libertando-a das almas centralistas que pululam entre Belém, São Bento e o Terreio do Paço, através da concretização da proposta concreta, assumida por esta candidatura, de desenvolver e promover no retângulo continental verdadeiras “ações de marketing” e sensibilização autonómica, junto de todas as forças políticas e instituições nacionais que continuam a olhar para os Açores com desconfiança e sem perceberem o verdadeiro valor e a grande riqueza que conferimos ao País.

Sim! Os Açores dão mais ao País do que aquilo de que beneficiam por conta das visões e práticas políticas centralistas daqueles que têm governado a pólis lusa.

Outras razões existem para, no próximo dia 30 de janeiro, os Açorianos poderem fazer escolhas inovadoras e diferentes na hora de votar. Com a devida permissão do Diretor deste jornal faço tensões de as escalpelizar, uma a uma, ao longo das próximas semanas.

Para já, queria apenas dar a conhecer melhor esta candidatura, que junta em torno dos objetivos liberais açorianos de São Miguel, Terceira, São Jorge, Pico e Flores numa lista que pretende alargar horizontes e impedir que interesses pessoais e partidários dos mesmos de sempre continuem a vingar, como sempre, sem qualquer benefício para todos os que aqui nasceram, vivem, trabalham e sonham ser felizes.

A Iniciativa Liberal é a única e viável alternativa. A 30 de janeiro, o verdadeiro voto útil para uma efetiva mudança de paradigma político, económico e social é na Iniciativa Liberal.

Antes de voltar ao vosso encontro, desejo a todos umas festas muito felizes, fazendo votos de que desembrulhem muita saúde, felicidade e clarividência para que o novo ano possa ser o primeiro de uma necessária mudança tendo em vista o nosso futuro e o dos nossos filhos.

 

*Cabeça de Lista Iniciativa Liberal pelos Açores nas Legislativas de 30 de janeiro