A 1ª Gala do Pedreiro decorreu na Casa do Loureiro, na Madalena, e foi organizada com o objetivo de celebrar o 18º aniversário da Confraria da Pedra. O evento, que contou com a presença de 180 pessoas, culminou com a entrega de diplomas e galardões a personalidades e instituições.

A 1ª Gala do Pedreiro foi realizada no âmbito da comemoração do 18º aniversário da Confraria da Pedra e contemplou vários momentos musicais proporcionados pelos fadistas Manuela Machado e Mário Moreira, que foram acompanhados por Luís Carvalho, na guitarra portuguesa, e por Manuel Alves, na viola.

O evento contou com a presença de autarcas gaienses, de Confrades de Honra, de Confrades Honorários, de representantes do Conselho Europeu de Confrarias Enogastronómicas e de 17 Confrarias oriundas de vários pontos do país, mais especificamente, da Confraria Gastronómica de Lamego, da Confraria da Broa de Avintes, da Confraria do Leitão da Bairrada, da Confraria do Granito, da Confraria do Presunto e da Cebola do Tâmega e Sousa, da Confraria Gastronómica dos Velhotes, da Confraria da Sopa do Vidreiro da Marinha Grande, da Confraria do pote e da amizade, da Confraria Gastronómica da Raça Arouquesa, da Confraria da Lampreia de Entre-os-Rios, da Confraria da Jeropiga dos Moinhos e Arredores, da Confraria do Vinho de Lamas, da Confraria dos Gastrónomos do Algarve, da Confraria Gastronómica as Sainhas de Vagos, da Confraria do Anho assado com arroz de forno do Marco de Canaveses, da Confraria das Almas Santas da Areosa e do Leitão e da Confraria do Biscoito de Valongo.

José Carlos Leitão, Chanceler presidente da Confraria da Pedra, afirmou que “a Confraria da Pedra foi fundada com o objetivo de dignificar a indústria e a arte da pedra e de perpetuar a memória do pedreiro. O nosso desígnio é mesmo este, é defender e fazer perpetuar a memória de quem trabalhou na pedra com muita dureza e com muita nobreza”, enaltecendo que a instituição procura “promover a discussão para um maior conhecimento da pedra e dos pedreiros e realizar ações de âmbito social, cultural e outras, que tenham como fins a concretização dos objetivos da Confraria ou sejam do interesse da comunidade”.

O Chanceler lembrou a história da instituição da Confraria da Pedra e ressaltou que “a nossa rapaziada que me enche de orgulho e me faz acreditar que a minha ideia de fundar a Confraria da Pedra em 2001 não foi uma utopia, nem uma ideia oca. Antes, é uma razão para pensar que vale a pena trabalhar para que outros e outras possam usufruir do nosso trabalho e que desse trabalho resulte algo de bom para o nosso futuro coletivo”, sublinhando que “nesta Gala do Pedreiro vamos homenagear quem, aqui e ali nos ajuda”.

A 1ª Gala do Pedreiro culminou com a entronização de três netos de Jorge Moreira, Inês Moreira, Beatriz Moreira e Bruno Moreira, e com a atribuição de galardões e diplomas a diversas personalidades e instituições, designadamente com a entrega do galardão Pedreiro de Diamante e de um diploma à Cercigaia; à Delta Cafés; e à família Jaime e Margarida Poças e com a concessão do galardão Pedreiro de Ouro e de um diploma a José Tojal Poças, a título póstumo; a Jorge Floreira, a título póstumo; a Manuel Filipe, a título póstumo; a Bermínio Cunha, a título póstumo; a Maria Marieta Ferreira; a Francisco Leite; a Narciso Lopes; a José Reis; a Margarida e Jaime Poças; a Meireles Pinto; a Manuel Carvalho; a Frei Fernando Ventura; a Patrocínio Azevedo; a Eduardo Vítor Rodrigues; ao Comendador Rui Nabeiro; e a Dom Carlos Ximenes Belo.

Patrocínio Azevedo, vice-presidente da Câmara Municipal de Gaia e Confrade de Honra da Confraria da Pedra, deu “os parabéns à Confraria da Pedra pelos 18 anos, pelo trabalho fantástico que fazem, por aquilo que representam, mas, sobretudo, por aquilo que fazem com que nós sejamos, porque só a Confraria da Pedra, só o José Carlos Leitão era capaz de fazer tanta gente estar à mesa à 00h30 a ouvir um discurso ou ter de passar uma noite como esta, uma noite longa, como todas as noites passadas na Confraria da Pedra, mas uma noite em que cada dia ou cada noite nós saímos de lá mais enriquecidos e, sobretudo, saímos de lá com mais vontade de voltar e é isto a Confraria da Pedra, é o trabalho social que faz, é a divulgação do Município que faz, mas é também esta alma e este conjunto de amigos que ele é capaz de criar” e agradeceu “ao José Carlos Leitão, pelo trabalho e pela alma que o José Carlos Leitão representa para a Confraria da Pedra, mas sobretudo a alma que a Confraria da Pedra e as outras instituições, mas neste caso a Confraria da Pedra, representa para Vila Nova de Gaia”, porque “o José Carlos Leitão e a Confraria da Pedra representam muito bem o que é a alma de Gaia e a alma dos gaienses. Obrigado por tudo aquilo que vocês são capazes de fazer”.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Gaia salientou ainda o trabalho realizado pela Cercigaia, justificando que “se não tivermos as instituições a trabalhar todas em rede e, sobretudo, se não tivermos a alma com que a Cercigaia representa Vila Nova de Gaia, nada é possível e nada faz sentido”.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com