A cerca de um ano e meio de término do segundo mandato à frente dos destinos da Junta de Freguesia de Pedroso e Seixezelo, Filipe Lopes, presidente do executivo, falou, em entrevista ao AUDIÊNCIA, sobre os projetos implementados com o objetivo de minimizar o impacto da covid-19 na população, sobre as suas perspetivas para o futuro da União de Freguesias e deixou uma mensagem de esperança à população, afirmando que “a nossa freguesia continuará dinâmica, inovadora, com forte investimento e envolvendo toda a comunidade, num trabalho de rede e parceria, que tem dado excelentes resultados”.

 

 

 

Como estão as Freguesias de Pedroso e Seixezelo a lidar com esta situação pandémica, que está relacionada com a proliferação da covid-19 em Portugal e no mundo?

Senti uma enorme responsabilidade da população perante esta situação. Não é fácil de um momento para o outro ficarmos privados da nossa liberdade. Tive a oportunidade de ligar para todos os alunos da nossa Academia Sénior e percebi o sentimento de responsabilidade que todos interiorizaram, de forma a se protegerem e também para a proteção dos outros. Globalmente, as coisas correram bem na freguesia, fruto do empenho de várias entidades, a começar pela GNR dos Carvalhos e pelos Bombeiros Voluntários dos Carvalhos, que tiveram uma atuação exemplar, perante as várias adversidades. Quero também destacar o trabalho em equipa da Câmara Municipal com as várias Juntas de Freguesia de forma a tomarmos as melhores ações face às necessidades que surgiam em catadupa. Todos temos a noção de que nunca nem ninguém está devidamente preparado para uma situação como esta, mas trabalhando em equipa, com excelentes parceiros e partilhando conhecimento, é mais fácil obter as melhores respostas.

 

A Junta de Freguesia de Pedroso e Seixezelo implementou, no passado dia 19 de março, no âmbito do apoio direto à população, o projeto “Juntos por si”, com o intuito de proteger os cidadãos dos riscos da covid-19. Em que consistiu este projeto e quais os seus resultados agora que parece que a situação está mais controlada em Vila Nova de Gaia?

Este projeto foi criado com o intuito de proteger a população, em especial, os grupos de maior risco, criando as soluções para que o “ficar em casa” fosse de todo possível. Este projeto consiste na realização de compras de bens indispensáveis e na entrega dos mesmos em casa, compra de medicação com entrega ao domicílio, pagamento de faturas de água e luz, impressão de fichas escolares, entrega ao domicílio de refeições e pagamento ao domicílio de pensões. Este projeto teve, até à data, mais de 400 solicitações, nos mais vários tipos de resposta que o mesmo dá. Apenas foi possível responder a este elevado número de solicitações pela adesão de um enorme número de voluntários, da GNR dos Carvalhos, dos Bombeiros Voluntários dos Carvalhos, de várias empresas e dos funcionários da Junta de Freguesia, que tiveram uma atitude exemplar na noção de serviço público. Julgo que no combate e prevenção a esta pandemia, Pedroso e Seixezelo deu o exemplo do que deve ser o funcionamento de uma comunidade, unindo-se e protegendo quem mais necessita. Ainda não é tempo de balanço, pois infelizmente, esta pandemia ainda não acabou, mas estou convencido de que, no final, o balanço do desempenho enquanto comunidade será muito positivo.

 

Qual foi a reação da comunidade às medidas adotadas pela Junta de Freguesia?

A população aceitou bem a medidas preventivas que tivemos de adotar. A informação foi bem passada e todos percebemos que era tempo de colocar a saúde e segurança em primeiro lugar. Como disse atrás, nunca é fácil privarmos de uma liberdade que todos julgávamos intocável, mas como seres humanos temos de estar aptos à mudança, por muito que ela nos custe. A Junta de Freguesia manteve sempre os serviços públicos essenciais em funcionamento, nunca privando os utentes das suas necessidades. Registei sempre a assertividade e compreensão por parte da população face aos vários constrangimentos, mas com o bom senso de todos foi possível continuarmos a desempenhar a nossa função essencial, servir a população. E para o sucesso destas ações foi decisivo o profissionalismo, empenho e dedicação de todos os funcionários da Junta de Freguesia.

 

Devido à pandemia, a Junta de Freguesia teve de suspender o funcionamento da Academia Sénior de Pedroso e Seixezelo e de cancelar a Colónia Balnear e o Passeio Anual da Terceira Idade. De que forma é que vai compensar a população, nomeadamente os idosos? Equaciona a realização de outro tipo de iniciativas?

Relativamente à Academia Sénior não houve o cancelamento das aulas. Os professores e os alunos deram o exemplo de uma enorme motivação e importância deste projeto no seu dia-a-dia, onde o facto de não poderem frequentar fisicamente as aulas não foi impeditivo do desenvolvimento do projeto. As aulas continuaram a decorrer em modo virtual. Quero destacar o esforço e adaptação de todos os alunos e professores da Academia Sénior, bem como ao staff da Junta de Freguesia, que com o seu empenho e dedicação minimizou o impacto negativo da ausência da presença física nas aulas. Relativamente à Colónia Balnear e ao Passeio Sénior, infelizmente tivemos de cancelar, por questões de garantir a segurança e saúde de todos, pois estamos a falar de pessoas pertencentes aos grupos de risco. Quanto à realização de outras iniciativas de forma a compensar esses cancelamentos, estamos em articulação com a Câmara Municipal para encontrar as melhores soluções, que vão ao encontro das expectativas da população sénior, mas sempre sem descurar a saúde e segurança da população.

 

Também outros eventos detentores de grande impacto social, como é o caso do Festival da Cereja e da Festa do Caneco tiveram de ser anulados. Que consequências têm estes cancelamentos tanto para a Junta de Freguesia, como para a população?

Naturalmente, que esses dois eventos têm um grande impacto na população e nas instituições. Basta estar um pouco atento à realidade da freguesia para perceber a enorme adesão que esses eventos têm na população e a receita que as coletividades angariam durante os festivais. Só quem está muito distante da realidade da freguesia é que não percebe a enorme importância da realização destes dois festivais, quer na promoção da cultura, no potenciar da marca de Pedroso e Seixezelo, pelo convívio da população e pela receita angariada por todas as instituições da freguesia para fazer face às suas despesas anuais. É desolador para mim e para toda a minha equipa não poder desenvolver as atividades que fomos criando na freguesia, pois por todas elas temos um enorme carinho e percebemos a sua importância junto da comunidade, mas este ano é um ano atípico e teremos de conviver da melhor forma com a atualidade que temos. No entanto, por forma da situação e com o objetivo de encontrar alternativas, lançamos recentemente as Noites de Comédia de Pedroso e Seixezelo, que organizaremos com todas as recomendações da Direção Geral de Saúde. Estamos também confiantes que conseguiremos realizar este ano mais uma edição do Cinema ao Ar Livre de Pedroso e Seixezelo, naturalmente, com várias condicionantes.

 

Nesse seguimento, qual é a situação atual das coletividades?

Desde que assumimos funções que a proximidade com as coletividades é uma realidade, desde logo através da realização de reuniões/conversas regulares, à realização de protocolos de apoio financeiro anuais, de apoio à atividade ou à cedência de recursos da Junta de Freguesia. Ainda recentemente, realizamos uma reunião com todas as coletividades da freguesia, com a presença do Presidente da Câmara Municipal, de forma a identificarmos melhor o impacto que a atual pandemia provocou nas dinâmicas de cada coletividade, de forma a elaborarmos um plano de ação que dê respostas a esses impactos. A Junta de Freguesia irá realizar, em breve, os habituais protocolos de apoio financeiro, para o apoio à atividade para o ano de 2020, sendo que terá a preocupação de efetuar os reforços de verba necessários, para minimizar aquelas coletividades que sofreram mais com a atual pandemia.

 

As obras em Pedroso e Seixezelo não pararam com a proliferação da covid-19. Durante a pandemia já foram reabilitados mais de 13 arruamentos, foram colocados paralelos nas passadeiras, foi concluída a reabilitação da cobertura do telhado da Capela de S. Bartolomeu e está a decorrer a substituição do piso envolvente, as obras no Jardim de Pedroso também estão em curso, assim como a instalação de um elevador no edifício sede da Junta de Freguesia. Que outros projetos foram concretizados? Algum foi totalmente descartado?

De facto, graças ao apoio do Município, o investimento não parou na freguesia durante este tempo. Para além desses que referiu, continuamos também a reabilitar o património da freguesia, nomeadamente o Lavadouro de Figueiredo e da Quinta Amarela, construímos novos jazigos no cemitério de Seixezelo, construímos um ossário no cemitério ampliado de Pedroso e iniciamos a reabilitação do salão nobre da Junta de Freguesia, em Pedroso. Nestes 3 meses em que o país esteve mais parado fruto da atual situação, mantivemo-nos focados e dedicados a Pedroso e Seixezelo e foi possível realizar um conjunto de novos investimentos. Ao mesmo tempo, e em articulação com o Presidente da Câmara, preparamos os futuros investimentos na freguesia. Feira dos Carvalhos, Centro de Saúde dos Carvalhos, Posto da GNR dos Carvalhos, Escola EB 2/3 Padre António Luís Moreira, rotundas na EN1, reabilitação de novos arruamentos, entre outros.

 

No passado dia 17 de junho foi assinado o contrato de adjudicação da obra da nova Feira dos Carvalhos, uma obra no valor de 1,9 milhões de euros, que irá reabilitar todo o espaço da atual feira. De que forma é que vai proporcionar melhores condições para os feirantes e para os clientes?

A reabilitação integral da Feira dos Carvalhos é uma obra há muito desejada e que finalmente será realizada. Esta obra, para além de permitir melhores condições para os feirantes e clientes, irá fazer com que a freguesia disponha de um local central preparado com as melhores condições para a promoção de outros eventos, nomeadamente culturais e lúdicos. Estamos também a validar a possibilidade de estender a Feira a mais do que um dia por semana, sendo que o sábado de manhã poderá ser uma possibilidade a ter em cima da mesa. A reabilitação consiste no redimensionamento do espaço para os feirantes, criando melhores condições para o desenvolvimento da sua atividade. Contempla também a colocação de um novo piso em todo o recinto e a replantação de árvores. O espaço para o talho e peixaria já foi reabilitado, assim como também as casas de banho serão melhoradas. Será também criado um espaço com condições para a realização de eventos lúdicos e culturais, cabendo depois à Junta de Freguesia e à Câmara Municipal a responsabilidade para a dinâmica e criatividade desse espaço. Esta obra é de extrema importância para a envolvência de toda a freguesia, em especial, dos Carvalhos, local que durante anos e anos foi vetado ao esquecimento do poder político local e municipal.

 

Relativamente à construção do Centro de Saúde dos Carvalhos, uma obra no valor de 1,2 milhões de euros, cujo arranque estava previsto para o início de 2021, houve alguma alteração ou as previsões mantêm-se? Quais serão as valências e o que vai distinguir este Centro de Saúde?

O Presidente da Câmara já afirmou publicamente essa previsão. Naturalmente, que, com a atual situação que vivemos, é expectável um ligeiro desvio nessa estimativa. Mas, o novo Centro de Saúde dos Carvalhos será uma realidade. Já existe acordo entre a Câmara Municipal e a ARS Norte e, finalmente, a freguesia terá um Centro de Saúde digno e num local central da freguesia, que permitirá a dinamização de toda a zona comercial dos Carvalhos. O Centro de Saúde dos Carvalhos irá incluir a Unidade de Saúde Familiar Viver Saúde e a Unidade de Saúde Familiar Monte Murado. Está também prevista uma Unidade de Cuidados na Comunidade, assim como o tratamento da saúde oral. Acredito que a obra do novo Centro de Saúde dos Carvalhos é aquela que a maioria da população anseia. Atualmente, as duas unidades de saúde funcionam num local sem as mínimas condições para os profissionais e para os utentes. Com esta obra e a obra da nova Feira dos Carvalhos iremos dinamizar como nunca a nossa Freguesia, criando mais e melhores condições para a comunidade e ao mesmo tempo valorizar e potenciar o comércio local.

 

Até aparecer a covid-19, como estava a Junta de Freguesia de Pedroso e Seixezelo? Que balanço faz deste mandato?

A Junta de Freguesia estava e está estável do ponto de vista financeiro, mesmo estando a pagar faturas à Civopal (herdadas de 2009 e 2010) e à Prozinco (herdada de 2003). Continuamos o rumo de dinamismo, rigor, forte investimento, inovação e transparência. Pilares que entendemos como basilares de toda a nossa ação. O balanço que fazemos deste mandato é deveras positivo. Com o apoio da Câmara Municipal de Gaia, tem sido realizado muito investimento em obras vitais para a freguesia, quer seja a melhoria da nossa rede viária, a melhoria de espaço públicos, a preparação para obras estruturantes (Feira dos Carvalhos e Centro de Saúde de Carvalhos). Na vertente do investimento no imaterial, continuamos a realizar todos os projetos que fomos lançando desde que tomamos posse em 2013, onde a Academia Sénior de Pedroso e Seixezelo, a Festa do Caneco, a Petrus Run, o Cinema ao Ar Livre e o Regresso às Aulas têm o devido destaque. No entanto, neste mandato já acrescentamos novos projetos que se mostraram acertados tal é o seu sucesso, nomeadamente, a Escola vai à Junta, o Eco-Decorando Pedroso e Seixezelo e “Um Bebé… Um Futuro!”. O compromisso que existe entre todos, executivo, funcionários da junta, coletividades e instituições e população torna mais fácil o desempenho de todos, pelo que o balanço até à data parece-me extremamente positivo.

 

Quais são os projetos que vão desenvolver-se futuramente nas Freguesias de Pedroso e Seixezelo?

Manteremos a aposta na requalificação da nossa rede viária. Após cerca de 60 ruas reabilitadas nestes 6 anos e meio, uma freguesia com a dimensão territorial da nossa requer sempre uma atenção para a rede viária. Depois, teremos a requalificação da Feira dos Carvalhos, a construção do novo Centro de Saúde dos Carvalhos, a reabilitação do quartel da GNR, a renovação da Escola Padre António Luís Moreira, a construção da dupla rotunda na EN1, a construção de um verdadeiro parque/jardim da freguesia, entre outros investimentos. Temos também a decorrer neste momento a reabilitação do salão nobre do edifício sede da Junta de Freguesia e a instalação de um elevador de 3 pisos, para o mesmo edifício. Iremos também em breve lançar o projeto de Mobilidade de Proximidade – Transporte Porta a Porta MOB+. Importante reforçar que todos estes projetos têm o indispensável apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e do seu presidente.

 

 

Recentemente, foi divulgado um despacho do Ministério Público sobre uma queixa do arquiteto Raúl Ribeiro a pedir a anulabilidade do contrato de compra e venda do terreno dos Panaçais, que a Junta de Freguesia vendeu à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia. Pode-nos explicar o contexto desta queixa e a decisão do Ministério Público?

Como foi do conhecimento público, em 2018 a Junta de Freguesia de Pedroso e Seixezelo foi condenada a pagar 1.170.000 € à empresa Civopal, por faturas referentes a 2009 e 2010. Nessa altura, e enquanto não se chegou a acordo com a empresa, tivemos as contas da Junta de Freguesia penhoradas e sentimos imensas dificuldades de tesouraria. Para chegarmos a acordo com a empresa, tínhamos de dar uma forte entrada inicial. A solução que o executivo idealizou, e que foi aprovada por unanimidade pela Assembleia de Freguesia, era a venda do terreno dos Panaçais à Câmara Municipal de Gaia (que procurava terrenos para o projeto de arrendamento municipal que está a implementar). Esse terreno foi vendido por 276.000 €, o que significa uma receita na ordem dos 24% do valor total que temos a pagar. Tudo o resto, cerca de 76%, está a ser e será pago pelo orçamento da Junta de Freguesia. Até à data, já pagamos mais de 577.000 €, cerca de 49% do valor total a pagar. E pagamos isso em dois anos, num acordo de pagamento a 7 anos. Esta ação por parte do arquiteto Raul Ribeiro demonstra a sua intenção. Bloquear a ação da Junta de Freguesia, pois o dinamismo e o investimento que tem sido feito incomoda alguns e enlamear os nomes do presidente da Junta de Freguesia e da Câmara Municipal. Teve azar. O despacho do Ministério Público é perentório e ficou clara a fragilidade e incongruência da acusação. Que fique claro que nada me move contra esta personagem. Apenas lamento que, alguém que se intitula como um defensor da freguesia, critique tudo e mais alguma coisa que se faz ou se faça na freguesia. Quero acreditar que o motivo para isso será apenas o facto de não ser ele o mentor ou executor desses projetos, pois tenho a certeza de que, no fundo, fica tão contente como eu com projetos e investimentos que temos conseguido trazer para a freguesia. Aliás, o arquiteto Raúl Ribeiro foi contratado pela Junta de Freguesia para projetar a Praça da Saudade e a reabilitação que fizemos no posto de atendimento da Junta de Freguesia, durante o mandato anterior. Mas, que fique claro para todos, que eu fui eleito para defender os interesses de Pedroso e Seixezelo, não de arquitetos, empresários ou engenheiros.

 

Também foi recentemente tornada pública a acusação do Ministério Público ao anterior executivo por gestão danosa. O que tem a dizer sobre isso?

Sempre disse que acredito na justiça. Por vezes é lenta, mas ela tem de funcionar, para bem do país e da nossa democracia. Quando chegamos à Junta de Freguesia em 2013, realizamos uma auditoria interna com a reputada empresa KPMG, que emitiu um relatório que deveria de preocupar todos os que o leram. Mas não. Durante o primeiro mandato, enquanto decorriam as investigações, o antigo presidente e tesoureiro da Junta de Freguesia de Pedroso, na altura deputados da assembleia de freguesia, enxovalharam a empresa KPMG, gozaram com o relatório e afirmaram que nada iria acontecer. Ao mesmo tempo acusavam-me e à minha equipa de falta de capacidade de gestão, de sermos mentirosos e de queremos fazer julgamento na praça pública. Durante esses quatro anos, eu mantive a firme ideia de que devemos credibilizar a política. Tudo tem um limite e, no meu entender, o que se passou em Pedroso até 2013 passou e muito esse limite. Seria mais confortável para mim, fazer vista grossa ao relatório da KPMG e mandá-lo para a gaveta. Mas, a minha consciência obrigou-me a denunciar. Não por vingança ou receio político, mas porque sempre entendi que cada um deve fazer a sua parte e eu acho que fiz a minha. Aliás, basta olhar para os resultados das eleições autárquicas de 2017, para perceber que receio foi coisa que nunca tive. Confio no meu trabalho e na minha dedicação à freguesia. Nunca precisei de fazer política de baixo nível. Agora, também não me peçam para fazer de conta que não vejo as coisas. E pelos vistos, não estou errado. O Ministério Público entendeu que existem fortes indícios para proceder à acusação do antigo presente e tesoureiro da Junta de Freguesia de Pedroso (e de uma terceira pessoa que entendo que não devo ser eu a referir o nome). Nada me move pessoal ou politicamente contra as pessoas em causa. Fiz o que achei que devia ter feito na altura e hoje tenho a certeza de que voltaria a fazer tudo igual. Acredito na justiça. Deixemos a justiça trabalhar.

 

Como presidente de Junta de Freguesia, qual foi o momento mais importante para si?

Durante estes seis anos e meio a freguesia viveu importantes momentos, quer seja ao nível do investimento realizado, e tem sido muitíssimo, quer seja nos projetos que temos lançado ao nível social, cultural, educativo ou desportivo, pelo que tenho dificuldades em referir qual o momento mais importante. Hoje, olho para trás e recordo-me quando falei com o meu amigo de longa data, António Henrique Cruz, e decidimos fazer uma equipa e um programa para mudar a nossa freguesia. E chegados hoje a este ponto, dou como muito bem empregue cada segundo de dedicação total a esta freguesia e a este projeto. E estou certo de que esse sentimento é partilhado por todas as mulheres e homens que, desde a primeira hora, se associaram à minha equipa. Sou e serei sempre grato a todas as pessoas que me acompanharam durante o primeiro momento, em especial, aos meus colegas, que fizeram equipa comigo nos executivos, e aos deputados do partido socialista na assembleia de freguesia, que apoiaram incondicionalmente os nossos projetos e propostas para a freguesia. Agradeço de igual forma a todos o apoio e amizade que sempre senti. No entanto, penso que será justo destacar três pessoas da freguesia que tiveram e têm um papel importante nas minhas decisões e desempenho. Antero Costa, Augusto Matos Marques e Joaquim Dias Tavares. Sempre entendi que para fazermos um bom trabalho, qualquer que seja o contexto, temos de formar uma boa equipa, exigente e dedicada. Tenho tido a sorte de, durante a minha atividade profissional (na política e fora dela), ter sempre excelentes equipas. Ninguém faz nada sozinho. O trabalho que temos feito em Pedroso e Seixezelo deve-se a toda a equipa. Toda. Por isso, tenho dificuldade em escolher apenas um momento. No entanto, não nego que a 1.ª gala de aniversário da Academia Sénior de Pedroso e Seixezelo ficará para sempre na minha memória, pois senti, nas mais de 400 pessoas que encheram a sala, um orgulho enorme de sermos de Pedroso e Seixezelo e de fazermos parte de um brutal projeto criado em 2015. Foi uma noite memorável e, ainda hoje, em todas as galas de aniversário da Academia Sénior sinto a mesma emoção e calor humano.

 

Considerando que este mandato está quase a terminar, quais são os seus objetivos para as próximas eleições autárquicas? Já tomou uma decisão ou tem ambições políticas que passam por outros lugares?

Não tomei nenhuma decisão sobre esse assunto. Ainda não é o tempo. A minha preocupação e da minha equipa é manter o dinamismo e investimento na freguesia até ao final deste mandato. Não nego, até porque toda a gente sabe o amor e dedicação que tenho à terra que me viu nascer. Como diz a música “é um amor para a vida toda”. Tenho a consciência totalmente tranquila por todo o trabalho que temos vindo a realizar em Pedroso e Seixezelo. Independentemente do ponto de vista, é por demais evidente a enorme evolução que a freguesia teve. Apesar de quando se está num lugar como o que atualmente eu estou, temos que ter uma motivação e determinação para fazer sempre mais e melhor. Hoje, se por algum motivo tivesse que deixar a Junta de Freguesia, sei que ela estaria muitíssimo bem preparada para os enormes desafios que o futuro reserva para Pedroso e Seixezelo. Não tenho a menor dúvida disso. Hoje, Pedroso e Seixezelo é uma referência no concelho de Vila Nova de Gaia e isso deve orgulhar-nos, mas também responsabilizar-nos, para que se mantenha o caminho trilhado até aqui. Não nego o gosto que desenvolvi pela atividade política. No entanto, vim para este projeto político a convite do Eduardo Vítor Rodrigues e enquanto ele se mantiver como líder do projeto, estarei disponível para as funções que ele entender que poderei ser mais útil.

 

Ouvi dizer que criou uma cooperativa de solidariedade social denominada “Viver Pedroso”, pode falar-me sobre este projeto, sobre o que está na origem do mesmo, em que consiste, qual é a missão e os principais objetivos?

Eu não criei uma cooperativa de solidariedade social. A criação da cooperativa foi uma vontade expressa de 29 cooperadores, 25 pessoas individuais (onde me incluo) e 4 instituições da freguesia. A forma natural como todos percebemos as carências existentes na comunidade e a vontade de as colmatar fez surgir este projeto, que muito recentemente iniciou funções. A Cooperativa, através da cooperação e entreajuda dos seus membros, em obediência aos princípios cooperativos, visa, sem fins lucrativos, a satisfação das respetivas necessidades sociais e a sua promoção e integração, contribuindo para o desenvolvimento local. Pretende dinamizar e apoiar iniciativas individuais e, ou, coletivas que visem a promoção da justiça e inclusão social e da solidariedade, promovendo a prestação de serviços de apoio e assistência a pessoas e grupos vulneráveis, em especial a crianças e jovens, desempregados, famílias desfavorecidas, pessoas com deficiências e idosos. É um projeto novo e desafiante, que acredito terá muito sucesso, sendo que o sucesso da cooperativa será o sucesso dos seus beneficiários. É tempo de deitar as mãos à obra.

 

Que mensagem gostaria de deixar à população de Pedroso e Seixezelo?

Que mantenham a confiança neste projeto político que temos para a afirmação, dinamização e credibilização da nossa freguesia. Estamos conscientes do caminho já percorrido e muito cientes do caminho que queremos ainda percorrer. Mas esse caminho só faz sentido se continuarmos todos motivados e empenhados em melhorar Pedroso e Seixezelo. Da minha parte, o compromisso com o projeto é total. A nossa freguesia continuará dinâmica, inovadora, com forte investimento e envolvendo toda a comunidade, num trabalho de rede e parceria, que tem dado excelentes resultados. Por fim, quero também deixar uma mensagem de esperança face à situação que ainda estamos a viver. O tempo não é de facilitar. Deveremos continuar com todos os cuidados, para a prevenção da nossa segurança e saúde.

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com